É do conhecimento de todos que o povo latino tem um desejo sexual mais intenso que outros povos. Isto é comprovado em estatísticas com que vez por outra nos deparamos. Entretanto uma queixa que encontro a todo momento em meu envolvimento com casais, nas palestras, é o tema em que estamos abordando: “Por que não transamos?”Há muitas razões para um parceiro evitar o outro dentro do casamento. É lógico (e eu não sei como tem gente que não entende isso), que quando um faz uma grosseria para o outro, resulta numa revolta e, por conseguinte, numa “greve” por alguns dias até que a mágoa passe. Mas, e quando não há esta briga e não há motivos aparentes para não se transar, por que não se transa?

Não quero me referir àquela situação em que ele está doido de vontade de transar e ela também, mas fica esperando a iniciativa do outro de começar, porque precisam quebrar o gelo de um silêncio, eleito como forma de agressão, já por alguns dias, e que precisa ser desfeito.

Quero me basear na situação em que “de graça”, sem motivo algum aparente, quando ele não faz nada ou ela também não fez, mas a relação “não sai “. Por quê?
Quando isto acontece, mil idéias passam na cabeça de uma parte, porque a outra sabe perfeitamente bem o motivo de não querer transar.”O que está havendo com ele?””Por que ela está me evitando?”

Uma pontinha de orgulho impede que estas perguntas venham à tona, porque culturalmente sempre se acredita que o carinho precisa ser espontâneo e não cobrado, pois aí ele já perdeu “não sei quantos por cento” do valor. E, com isto, a situação se prolonga por um tempo maior do que deveria, tornando-se muito perigoso.

Certa vez , uma mulher me contou que um problema ginecológico relativamente simples para mim, mas que lhe trazia muita vergonha, fez com que ela evitasse a relação por um bom tempo, não revelando nada ao marido. Recentemente, fiquei impressionado com um jovem esposo que me fez olhar para sua mulher e me confidenciou que estava perdendo o interesse por ela pois engordara muito e não era mais aquela menina graciosa com quem ele se casara. Algumas mulheres já se queixaram a mim de desinteresse pela falta de criatividade de seus maridos. Outras vezes, os maridos reclamam da falta de iniciativa por parte das mulheres, as quais são consideradas por eles como frias (na realidade isto pode muito bem ser uma defesa da mulher contra uma relação que lhe trás dor ou mesmo até ter a impressão de que com esta sua iniciativa o marido possa lhe rotular como leviana). Muitas mulheres vão diminuindo conscientemente o ritmo sexual por absoluta falta de orgasmo.

Acontece que na maioria destas e de outras situações não se discute o problema, geralmente com medo da incompreensão do (a) outro (a) e ele (a) fica pensando:”O que está acontecendo com ela (e)?”

Com facilidade, se chega a uma triste conclusão que este desinteresse vai aumentando progressivamente. Tanto estas situações não diagnosticadas, como aquelas em que é evidente a causa (quando a mulher põe o dedo na cara dele e diz com a voz meio rouca: “Tudo bem …Não tem problema…), são extremamente perigosas.

Quando você insiste em desagradar a (o) parceira (o) naquilo que ela (e) gostaria que você fizesse e isto se repete, se repete, se repete … o casamento vai literalmente “enchendo o saco” e, às vezes, é por aí que começa o desinteresse.
Um dos primeiros, senão o primeiro, sentimento que nos desperta o sexo oposto é algum tipo de admiração. Não dá para amar alguém que não admiramos. E não é apenas a questão física, mas a intelectual, o companheirismo, etc. É agradável conversar com alguém que busca conhecer outros assuntos além daqueles que lhe são comuns ao trabalho, aos filhos… alguém que se importe pelos seus interesses. Num relacionamento conjugal quando acaba a admiração, tudo começa a desmoronar. A libido está ligada diretamente à admiração, seja ela física ou de sentimentos. Não dá para desejar alguém que não admiramos em nada.
As repercussões deste desinteresse são muito marcantes em nosso dia-a-dia. As nossas ações, nossas atitudes de modo geral são movidas pelo humor que nos acompanha. É completamente diferente você receber um colega de manhã no trabalho que te saúda assim: “Bom dia!!!!!” É muito mais fácil de se conviver com uma pessoa assim, alegre. Ele até produz melhor. Ela passa a ser mais simpática com a vizinha o dia inteiro (como a sociedade exige do crente!).

Nas palestras que faço, apesar de falar de sexo, de anatomia, a cada momento eu me refiro à espiritualidade. E sabem? Um bom relacionamento melhora muito a espiritualidade. Eu estou habituado (e feliz ) de ver isto na prática.

Preocupo-me tremendamente quando encontro uma parte do casal que chega pra mim e diz que quando vai dando a hora de chegar em casa aparece uma tristeza, porque o ambiente no trabalho é tão bom com os colegas e ele (a) tem certeza que ao entrar em casa irá encontrar um clima péssimo. A vontade é de não voltar e continuar na rua com os (as) amigos (as).

Fora de casa há uma competição muito desigual. Mulheres esculturais exibem os seus corpos semi-nus, exibindo uma sensualidade intensa e chegando ao ponto de até “cantar” o homem. Homens lindos exibem seus músculos, determinando às vezes comparações totalmente opostas a alguns maridos. A situação deste articulista que você está lendo neste momento é um caso típico. Meu corpo é totalmente definido. Não tenho uma “capa ” de gordura. É pele e músculo. Há uns 35 anos o meu peso é aproximadamente 52 Kg. Sou um cara magro prá caramba. Muito longe de querer me igualar àqueles sujeitos “marombeiros” que têm corpos fantásticos.

Estas comparações são muito perigosas e, às vezes, não nos apercebemos do que estamos fazendo. É preciso que o relacionamento do casal supere a todas estas situações.

Temos que fazer tudo para que os nossos lares sejam lugares onde sintamos a vontade de voltar correndo, por ser o melhor espaço do mundo para se morar e viver, onde você é valorizado (a) e querido (a) por todos. Cada um tem a sua cota de participação.

Com certeza, o Deus que temos e que pode todas as coisas, está a fim de nos ajudar. Mas, muitas vezes, você ora neste sentido e fica esperando o milagre sem que faça nada de prático para esta melhoria e coloca para Deus que vai mudar uma porção de coisas para melhor, se Ele te ajudar. E Deus fica olhando para você com certa tristeza, querendo abrir a sua cabeça e colocar lá dentro: “Muda primeiro, meu filho, que eu te abençôo depois”. Até quando ficará assim? Você esperando de Deus e Ele esperando de você?

Se nós reagimos assim, eu fico imaginando Deus, quando da mesma forma você insiste em pecar o mesmo pecado e “jura” que não vai fazer isto novamente mas acaba caindo outra vez no mesmo erro. Talvez pudesse considerar que, neste caso, você estará dando trabalho demais para Deus, ao abusar da Sua misericórdia.
Para todas estas situações citadas entrego a vocês um pensamento fantástico, que nos impulsiona para que abramos os olhos e sintamos como é importante melhorar o clima da casa: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim”.

A partir de um determinado momento você pode passar a pensar assim: “Eu não quero que o nosso fim seja deste jeito que parece que vai ser. Se eu quiser eu posso melhorar. Eu quero melhorar. Eu vou melhorar, em Nome de Jesus !!!” E , quando você pensa desta forma, eu vejo Deus abrindo um sorriso e dizendo: “Agora, sim, eu vou abençoar a este meu filho”. Simplesmente porque você mudou e fez alguma coisa pela sua bênção.

De vez em quando a gente recebe a queixa que o interesse por uma outra atividade acaba provocando a resposta: “Já vou indo…”, para a proposta de se ir embora ou para a de deitarem-se. Isto ocasiona ciúmes importante da televisão, do computador, do recém-nascido, ou até da própria Igreja, frustrando desejos e levando a posterior desinteresse. A outra parte sente-se incapaz de despertar interesse. E isto acontece com maior freqüência com casais já com alguns anos de casados.

Tenho a perfeita noção de que o sexo não é tudo no casamento. Mas também considero que é uma parte muito importante. E, porque desde criança se sabe que esta é uma área com muitos desajustes, é que procurei me especializar em Sexualidade para ajudar aos casais de nossa comunidade com palestras, esclarecendo detalhes fantásticos da anatomia sexual, criados de uma forma perfeita por Deus.

Temos um inimigo que tem conhecimento ainda maior do que o nosso de tudo isto que estamos tratando e, covarde como é ele não deixa passar uma chance para promover o afastamento entre o casal. E suas armas são sutis a um tal ponto que quando percebemos ele já conseguiu nos fazer pecar contra Deus e contra nosso (a) parceiro (a).

Ás vezes, chega uma fase em que o casal passa a viver como bons irmãos e tornam-se excelentes sócios na criação dos filhos, na compra do supermercado, no pagamento das contas, etc. Isto é interessante. Mas é o ao mesmo tempo bastante perigoso, quando uma das partes ainda preserva o apetite sexual e sofre pela sua falta.

Finalmente, gostaria de afirmar a vocês que na minha visão poderia resumir 14 anos de palestras a casais; jovens e igrejas, com algumas colocações:

Faça alguma coisa . Ore. Você pode até não ter criatividade, mas “em Deus estão
todas as nossas fontes.” (Sl.87). Mas torne ótimo o clima da sua casa.
O mais importante no casamento chama-se política. Você consegue o que quiser
do(a) outro (a) com jogo de cintura. “Deus é a fonte de toda sabedoria.”
Cuide bem da relação com os filhos. Isto pode repercutir demais. Peça a Deus
compreensão e sabedoria.
O crente precisa saber transar muito bem. Deus não teve vergonha de criar o aparelho genital masculino e feminino. Ninguém sabe mais que o Criador como funciona Sua criação.
Procure ter noções mais práticas da anatomia sexual. Muitos casais, com grande cultura em outras áreas, não têm este conhecimento.
É fundamental que as igrejas proporcionem aos noivos estas informações para
começarem certo, sem traumas, a vida conjugal.
E, cuidado com o desinteresse sexual.

Deus os abençoe!

Por: Dr.Tércio Ribas: é membro da Primeira Igreja Batista de Madureira, médico ginecologista, obstetra, cirurgião, com Pós- graduação em Sexualidade. Abandonou quase toda sua vida profissional para dedicar-se ao Ministério de Casais onde há 14 anos ministra palestras
a casais sobre relacionamento Conjugal e Sexual e prepara noivos para o casamento.
É também escritor de livros como: “Melhorando o Relacionamento Sexual e Conjugal” – casos selecionados em 10 anos de palestras; “Regozija-vos Sempre”; “Como ser abençoado por Deus”

PADOM

COMPARTILHE

Deixe seu comentário!