4 maneiras pela qual a igreja moderna não se parece com a igreja primitiva

Muitas vezes ouço os cristãos dizerem que devemos ser mais como a igreja primitiva. E devo admitir que fui um desses cristãos. Afinal, os cristãos do primeiro século se apegam a um conjunto de valores que difere radicalmente da maioria dos cristãos hoje em dia.

Muitas vezes ouço os cristãos dizerem que devemos ser mais como a igreja primitiva. E devo admitir que fui um desses cristãos. Mas se nos demoramos em como isso ficaria, eu me pergunto quantos de nós prefeririam ficar em nossas igrejas do século 21. Afinal, os cristãos do primeiro século se apegam a um conjunto de valores que difere radicalmente da maioria dos cristãos hoje em dia.

COMO VEMOS OUTROS CRISTÃOS

Um valor desconfortável alardeado pelos primeiros cristãos era a visão da igreja como uma família. Os primeiros cristãos viram-se como irmãos e irmãs e mães e pais de todos que faziam parte da comunidade cristã.

Isto é, naturalmente, bem conhecido de quem lê o Novo Testamento. Mas não devemos ler a metáfora da igreja como família através da lente de nossos valores familiares ocidentais modernos, onde nossos avós de alta manutenção são levados para casas de repouso e irmãos irritantes são tratados como párias.

No primeiro século, a unidade familiar se estendeu muito além da família nuclear e foi mantida unida por um laço incondicional de compromisso e serviço. Você não precisava gostar de seus parentes, mas esperava-se que os amasse.

É nesse contexto que Jesus e Paulo abriram as portas do lar e acolheram em todos os crentes como irmãos e irmãs. Eles criaram um novo foco na família que se estendia muito além dos parentes nucleares e incluía pessoas de todas as raças e estratos sociais que davam sua lealdade ao Cristo ressuscitado.

COMO GASTAMOS NOSSO DINHEIRO

Muitas igrejas hoje gastam a maior parte de sua receita em salários, construindo hipotecas e outros suplementos materiais para o ministério. Olhe para qualquer orçamento da igreja e você provavelmente encontrará 1 ou 2% dos fundos da igreja alocados para a benevolência – ajudando as pessoas necessitadas. Talvez outros 5%, ou 10% na melhor das hipóteses, sejam dados a necessidades externas à igreja que, em algum nível, ajudem os pobres.

VEJA TAMBÉM
O que a Bíblia realmente diz sobre o pecado sexual com o qual a maioria das pessoas luta?

Mas tal distribuição de fundos é contrária a como a igreja primitiva gastou seu dinheiro. O Novo Testamento fala muito sobre dar dinheiro, mas raramente – se alguma vez – fala sobre doar para os salários, e nunca menciona dar dinheiro para um prédio. (Por que vale a pena, também nunca menciona dar 10 porcento, o que ainda é um valor básico nas igrejas modernas.)

Quando o Novo Testamento fala sobre dar, ele se refere à redistribuição de dinheiro para os pobres – geralmente crentes pobres fora dos muros da igreja (Romanos 15: 22-29; 1 Coríntios 16: 1-4; 2 Coríntios 8-9). Quando Paulo declara “Deus ama quem dá com alegria” (2 Coríntios 9:7), por exemplo, foi no contexto das igrejas gentias dando dinheiro aos pobres crentes judeus que moravam em Jerusalém. De fato, Paulo falou mais sobre dar aos pobres do que na doutrina da justificação pela fé.

O próprio Jesus disse que dar aos pobres é um dos principais critérios da fé genuína (Lucas 12:33, 14:33; Mateus 19: 16-30) e o principal meio pelo qual Ele separará os iníquos dos justos Dia do juízo final (Mt 25: 31-46). Se levarmos as palavras de Jesus a sério – e os orçamentos da nossa igreja sugerem que não -, nossas igrejas suburbanas podem parecer um pouco diferentes.

COMO PENSAMOS SOBRE O PODER

Outro valor moderno que era desconhecido para a igreja primitiva é o militarismo. O militarismo se refere à “crença ou desejo de que um país mantenha uma forte capacidade militar e esteja preparado para usá-lo agressivamente para defender ou promover interesses nacionais”. Não há dúvida sobre isso – o militarismo molda profundamente os valores americanos.

VEJA TAMBÉM
Casal da Morte

Mas também molda os valores cristãos americanos. O historiador militar Andrew Bacevich desenterrou as raízes do militarismo americano e descobriu que o homem por trás da cortina não era outro senão a igreja evangélica. Depois de muita pesquisa, Bacevich conclui: “Se não fosse pelo apoio oferecido por várias dezenas de milhões de evangélicos, o militarismo neste país profundamente e genuinamente religioso se torna inconcebível”.

Mas a igreja primitiva não era inequivocamente militarista. Os primeiros cristãos nunca ficaram fascinados com o poder dos militares romanos; em vez disso, eles se agarravam ao ritmo da cruz, onde o mal é conquistado não por espadas e lanças, mas por sofrimento e amor. De fato, o verso mais citado entre os primeiros cristãos era o mandamento de Jesus de que devemos amar nossos inimigos (Mateus 5:44); foi o João 3:16 dos primeiros séculos.

Hoje, ele está enterrado sob uma pilha de advertências e notas de rodapé – não podemos realmente amar todos os nossos inimigos. Quando se trata de pessoas percebidas como ameaças, a maioria das pessoas hoje – ironicamente, até mesmo cristãos – prefere a justiça à graça.

Talvez os cristãos devam servir nas forças armadas ou usar a violência como último recurso para defender os inocentes. Essas são perguntas difíceis de responder. Mas quando a Igreja se tornou o motor turbo por trás da máquina militar – para defender agressivamente ou promover interesses nacionais -, fugimos das raízes de nossa igreja primitiva, cuja fidelidade ao Reino de Deus rebaixou sua lealdade ao reino de Roma.

COMO ESTUDAMOS A BÍBLIA

A igreja primitiva também valorizava o estudo corporativo da Bíblia. Você pode pensar que a igreja moderna tem essa queda. A maioria dos cristãos possui várias Bíblias, e os programas da igreja geralmente contêm uma grande variedade de estudos bíblicos e aulas espirituais.

VEJA TAMBÉM
Pregadores, televangelistas e cantores mais populares do que Jesus Cristo

Seja como for, os cristãos de hoje exibem um analfabetismo bíblico sem precedentes, apesar de possuírem dezenas de Bíblias. De acordo com uma estatística, 60% dos cristãos confessos nascidos de novo não podem nomear cinco dos 10 mandamentos, 81% não acreditam (ou não conhecem) os princípios básicos da fé cristã, e 12% acham que Joana d’Arc era a esposa de Noé.

Os primeiros cristãos absorveram avidamente a palavra de Deus como uma esponja. As cartas do Novo Testamento, por exemplo, não apenas contêm citações diretas do Antigo Testamento, mas também muitas alusões sutis (breves frases) que se esperava que fossem compreendidas pelo leitor. Por exemplo, o livro de Apocalipse sozinho não contém uma única citação direta do Antigo Testamento, e ainda tem mais de 500 alusões a palavras ou frases do Antigo Testamento. Essas alusões só podiam ser apanhadas por leitores que estavam intimamente familiarizados com as Escrituras do Antigo Testamento.

A igreja primitiva levou a sério a declaração de Jesus de que as pessoas não podem viver só de pão, mas de toda palavra que vem da boca do Senhor (Mateus 4: 4). E quando Jesus disse a Seus discípulos para ensinar aos outros “tudo o que eu te ordeno”, eles fizeram isso (Mateus 28:20).

É por isso que os líderes cristãos nos primeiros séculos da fé ordenaram um rigoroso estudo comunitário da Bíblia para todos que se tornaram crentes. Cada novo convertido ao Cristianismo passou os primeiros três anos da fé estudando através da Bíblia inteira, de modo que ela se infiltrasse em seus ossos.

Isso não era uma opção. Tornar-se cristão significava ser reconfigurado pela Palavra de Deus. E aqui está a coisa: Antes da imprensa (AD 1450), a maioria das pessoas não sabia ler. Toda a ideia de fazer devoções privadas era impensável até 500 anos atrás. E ainda assim – apesar de serem analfabetos – os primeiros cristãos tornaram-se fluentes nas Escrituras ouvindo a leitura comunitária e ensinando a palavra de Deus.

VEJA TAMBÉM
O que a igreja primitiva pensava sobre o gênero de Deus

Os primeiros cristãos, na verdade, viveram como se o mesmo Deus que soprou estrelas para a existência também respirasse a Sua Palavra para que pudéssemos apreciar, memorizar e ler dez mil vezes. Eles teriam sido mistificados pela nossa capacidade moderna de possuir, ler e ainda negligenciar a inestimável palavra escrita.

Temo que nosso desejo de voltar à igreja primitiva exigiria uma revisão bastante extensa do formato das reuniões contemporâneas.

por: Preston Sprinkle
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido