Aborto continua ilegal na Argentina, após votação do Senado

O Senado argentino rejeitou na quinta-feira um projeto de lei para legalizar o aborto, provocando uma derrota para um movimento de

66

O Senado argentino rejeitou na quinta-feira um projeto de lei para legalizar o aborto, provocando uma derrota para um movimento de base que levou os direitos reprodutivos ao topo da agenda legislativa do país e galvanizou grupos ativistas por toda a América Latina.

A votação tomou conta da nação, enquanto os campos opositores lutavam para convencer os senadores indecisos até as últimas horas. Enquanto os legisladores debatiam o projeto na madrugada de quinta-feira, milhares de defensores de ambos os lados esperavam do lado de fora do Congresso no frio do inverno, e a Igreja Católica Romana realizou uma “Missa pela Vida” na Catedral Metropolitana de Buenos Aires.

Os proponentes do projeto – que teria permitido abortos durante as primeiras 14 semanas de gravidez – esperavam que a Argentina iniciasse uma mudança radical nos direitos reprodutivos em uma região predominantemente católica, onde 97% das mulheres vivem em países que proíbem o aborto ou só o permitem. casos raros.

No final, trinta e oito legisladores votaram contra o projeto, 31 votaram a favor e dois se abstiveram.

Apenas algumas semanas atrás, os defensores dos direitos de aborto pareciam ter uma boa chance de sucesso, oponentes impressionantes e defensores dos direitos das mulheres nos países vizinhos que se inspiraram na batalha argentina. Mas a oposição na Argentina endureceu quando os líderes da Igreja Católica protestaram vigorosamente contra o aborto no púlpito e senadores de províncias conservadoras sofreram intensa pressão para se opor ao projeto.

Embora a derrota da proposta tenha sido considerada um grande revés para os ativistas que a apoiaram, analistas disseram que a improvável ascensão do movimento já havia começado a mudar a região de maneiras que seriam impossíveis há apenas alguns anos.

“O direito ao aborto era uma prioridade e seria profundamente desanimador chegar até aqui e fracassar”, disse Benjamin Gedan, especialista em Argentina do Woodrow Wilson International Center for Scholars. Mas ele disse que os defensores dos direitos das mulheres já alcançaram sucessos.

A campanha argentina é creditada com o debate inspirador sobre uma variedade de questões das mulheres – incluindo a violência doméstica – em uma região socialmente conservadora, onde esses temas têm sido tabu.

Na quarta-feira, manifestantes se manifestaram em apoio ao projeto argentino no Uruguai, México, Peru e Chile, onde se reuniram em frente à embaixada argentina em Santiago, cantando e usando lenços verdes que se tornaram o símbolo do movimento pelos direitos do aborto na Argentina.

Ativistas na Argentina já obtiveram uma vitória com a aprovação de uma lei que busca um número igual de legisladores do sexo masculino e feminino.

“Se fizermos uma lista das coisas que ganhamos e das coisas que perdemos, a lista de coisas que ganhamos é muito maior”, disse Edurne Cárdenas, advogado do Centro de Estudos Legais e Sociais. grupo de direitos humanos na Argentina que favorece o aborto legalizado. “Mais cedo ou mais tarde, isso será lei.”

Na região, apenas o Uruguai, Cuba, Guiana e a Cidade do México permitem que qualquer mulher faça um aborto precoce.

Na quinta-feira, as emoções na Argentina foram cruas após semanas de suspense, quando parecia possível que a lei se tornasse lei.

“Nós não vamos mais ficar em silêncio e não vamos deixá-los vencer”, disse Jimena Del Potro, uma designer de 33 anos que lutou contra as lágrimas enquanto falava. “O aborto será legal em breve. Muito em breve.”

Os opositores ao aborto expressaram alívio.

María Curutchet, uma advogada de 34 anos, estava sorrindo apesar de ter passado quase oito horas no frio para deixar claro seus sentimentos.

“Foi um dia muito emocional“, disse ela. “Estávamos em grande número e mostramos que defenderemos as duas vidas, independentemente do custo”.

Para a Argentina, o debate sobre o aborto puxou o senso de identidade do país.

É o local de nascimento do papa Francisco, o líder dos católicos do mundo, que recentemente denunciou o aborto como o equivalente “luva branca” do programa de eugenia da era nazista.

Mas o país nos últimos anos afastou-se de um estreito relacionamento entre igreja e estado.

Em 2010, a Argentina se tornou o primeiro país da América Latina a permitir que casais gays se casassem – um movimento que a Igreja lutou com vigor semelhante à sua luta contra o aborto, organizando protestos envolvendo milhares de pessoas. Francisco, então arcebispo de Buenos Aires, chamou esse projeto de lei de “ataque destrutivo ao plano de Deus”.

A luta pelo aborto dividiu a classe política e forçou os líderes a lidar com suas convicções pessoais e políticas. O presidente Mauricio Macri, um líder de centro-direita que se opõe à legalização do aborto, disse a parlamentares aliados que votem em sua consciência e que ele assinaria a lei se fosse aprovada pelo Congresso.

Deixe a sua opinião!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here