Ataque aéreo mata dezenas de crianças que estavam em ônibus

Ataque aéreo saudita no Iêmen mata pelo menos 50 pessoas em um ônibus, principalmente crianças

229

Um ataque aéreo da coalizão liderada pela Arábia Saudita combate os rebeldes xiitas na quinta-feira em um movimentado mercado no norte do Iêmen, matando pelo menos 50 pessoas, incluindo crianças e ferindo 77, informou a emissora Al Masirah TV, do Iêmen, informou o Ministério da Saúde.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita, enquanto isso, disse que atacou os rebeldes, conhecidos como Houthis, que haviam disparado um míssil no sul do reino na quarta-feira, matando uma pessoa que era residente iemenita na área.

A Al Masirah TV transmitiu imagens dramáticas de crianças feridas, suas roupas e mochilas cobertas de sangue, enquanto estavam deitados em macas hospitalares. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse no Twitter que sua equipe em um hospital apoiado pelo CICV em Saada recebeu os corpos de 29 crianças, todas com menos de 15 anos de idade. Ele também recebeu 48 feridos, incluindo 30 crianças.

O ataque ocorreu no mercado Dahyan, na província de Saada, uma fortaleza Houthi. A província fica ao longo da fronteira com a Arábia Saudita. O ônibus estava transportando civis locais, incluindo muitas crianças, segundo líderes tribais do Iêmen que falaram sob condição de anonimato por medo de represálias.

Não houve nenhum colapso nas vítimas e não ficou claro de imediato quantas das vítimas estavam no próprio ônibus e quantas eram pedestres nas proximidades. Também não ficou claro se houve outros ataques aéreos na área.

O coronel Turki al-Malki, porta-voz da coalizão liderada pelos sauditas, disse que o ataque em Saada tinha como alvo os rebeldes que haviam disparado um míssil no sul do reino, matando uma pessoa e ferindo outras 11 pessoas. A coalizão disse que o projétil de quarta-feira, disparado em direção à cidade de Jizan, no sudoeste da Arábia Saudita, foi interceptado e destruído, mas seus fragmentos causaram as baixas.

A declaração, divulgada pela agência oficial Saudi Press, também disse que o míssil foi lançado “deliberadamente para atingir áreas residenciais e populacionais”.

Al-Malki insistiu que o ataque de quinta-feira realizado em Saada é uma “ação militar legítima” e “está de acordo com o direito internacional humanitário e os costumes”. Ele também acusou os houthis de recrutar crianças e usá-las nos campos de batalha para encobrir suas ações.

A Arábia Saudita apoia o governo internacionalmente reconhecido do Iêmen e está em guerra com os houthis desde março de 2015. Os rebeldes controlam grande parte do norte do Iêmen, incluindo a capital, Sanaa.

“Dezenas de mortos, mais feridos, a maioria com menos de dez anos“, disse o chefe do CICV no Iêmen, Johannes Bruwer, em sua conta no Twitter, acrescentando que o CICV no Iêmen está “enviando suprimentos adicionais para os hospitais para lidar com o problema”.

Mais tarde, na quinta-feira, ataques aéreos atingiram a capital do Iêmen, Sanaa, e os sons das explosões reverberaram nos bairros sul e oeste da cidade. Não ficou imediatamente claro se houve alguma casualidade nesses ataques.

A guerra de três anos impassível no Iêmen matou mais de 10 mil pessoas, danificou gravemente a infraestrutura do Iêmen e enfraqueceu seu sistema de saúde. A coalizão enfrenta críticas internacionais generalizadas por seus ataques aéreos no Iêmen que matam civis.

O empobrecido Iêmen, no extremo sul da Península Arábica, está agora na pior crise humanitária do mundo, com mais de 22,2 milhões de pessoas necessitadas de assistência.

Na semana passada, autoridades médicas iemenitas disseram que a coalizão realizou ataques aéreos na cidade portuária de Hodeida, que matou pelo menos 28 pessoas e feriu 70. Mas a coalizão negou a realização de ataques na cidade, dizendo que segue um “rigoroso e transparente abordagem baseada nas regras do direito internacional. “

A luta pelo porto de Hodeida, uma importante fonte de suprimentos e ajuda para a população do Iêmen à beira da fome, tornou-se o mais recente campo de batalha na devastadora guerra.

Os houthis alinhados com o Irã regularmente disparam contra a Arábia Saudita e têm como alvo sua capital, Riyadh, com mísseis balísticos. Eles dizem que seus ataques com mísseis contra o reino são uma retaliação por ataques aéreos no Iêmen pela coalizão apoiada pelo Ocidente.

O enviado especial da ONU para o Iêmen, Martin Griffiths, tem pressionado para que as partes em conflito reiniciem as negociações de paz. Recentemente, ele anunciou planos para convidar as partes em conflito do Iêmen para Genebra em 6 de setembro para realizar a primeira rodada de consultas.

Deixe a sua opinião!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here