A República Popular da China destruiu uma igreja que supostamente poderia acomodar 3.000 pessoas e prendeu seus pastores, de acordo com uma organização de direitos humanos.

A China Aid, um grupo internacional cristão sem fins lucrativos de direitos humanos com sede no Texas, relatou o incidente em um comunicado divulgado no sábado. Segundo o grupo, as autoridades chinesas não forneceram documentos legais para justificar a demolição.

A igreja estava localizada em Funan, província de Anhui. Seus pastores, Geng Yimin e Sun Yongyao, foram detidos sob suspeita de “reunir uma multidão para perturbar a ordem social”.

O presidente da China Aid, Bob Fu, disse em comunicado que o incidente foi “mais um exemplo claro que mostra o aumento da perseguição religiosa hoje pelo regime comunista chinês”.

O total desrespeito à proteção da liberdade religiosa, consagrado na própria Constituição do Partido Comunista, diz a todo o mundo que o presidente Xi está determinado a continuar sua guerra contra os fiéis cristãos pacíficos. Esta campanha certamente falhará no final” , continuou ele.

Enquanto a perseguição da China a grupos religiosos existe há muitos anos, recentemente sob o presidente Xi Jinping, houve uma onda de repressão às práticas religiosas na China.

O governo comunista destruiu ou danificou várias igrejas, refletindo preocupações sobre o aumento da população cristã do país.

No verão, a Igreja “True Jesus Church”, na província de Henan, foi arrasada, de acordo com a agencia cristã Bitter Winter. Policiais teriam arrastado todos os crentes da igreja antes de demolir a propriedade.

Bitter Winter também informou no mês passado que os Dez Mandamentos foram removidos de quase todas as igrejas Three-Self church e locais de reuniões em um condado da cidade de Luoyang e substituídos pelas citações do Presidente Xi Jinping como parte dos esforços do Partido Comunista Chinês para “sinicizar” o cristianismo .

VEJA TAMBÉM
Regis Danese recebe disco de ouro e platina no Programa Raul Gil

Além de reprimir sua minoria cristã, a China se envolveu em violenta perseguição a suas comunidades uigures muçulmanas e do Falun Gong.

O Tribunal da China, um grupo de direitos humanos, disse ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas no mês passado que o governo chinês está colhendo órgãos de minorias religiosas, com possivelmente centenas de milhares de vítimas.

“A extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência, incluindo as minorias religiosas do Falun Gong e dos uigures, é cometida há anos em toda a China em uma escala significativa, e continua até hoje. Isso envolve centenas de milhares de vítimas”, explicou o advogado do Tribunal da China Hamid Sabi ao UNHRC.

Vítima por vítima e morte por morte, remover os corações e outros órgãos de pessoas vivas, inocentes, inofensivas e pacíficas constitui uma das piores atrocidades em massa deste século“. (veja o vídeo)

China poderá ser a maior nação cristã do mundo em 2030

China será a “maior nação cristã do mundo”, em 15 anos, segundo uma reportagem da London Sunday Telegraph.

A igreja de Liushi, considerada a maior igreja da China, no domingo de Páscoa, reuniu milhares de fiéis em seu mega templo, com capacidade para mais de 5 mil pessoas, para jurar fidelidade, não ao Partido Comunista, mas para a Cruz de Cristo.

“É uma coisa maravilhosa ser um seguidor de Jesus Cristo. Isso nos dá grande confiança”, sorriu Jin Hongxin, um senhor de 40 anos de idade, olhando para a cruz dourada em cima do altar. “Se todo mundo na China acreditava em Jesus, então não teríamos mais necessidade de delegacias. Não haveria mais pessoas ruins e, portanto, não mais crime”, acrescentou.

VEJA TAMBÉM
China impulsiona teologia cristã "aprovada pelo estado"

Oficialmente, a República Popular da China é um país ateu, mas isso está mudando rapidamente, como muitos de seus 1,3 bilhão de cidadãos procuram significado e conforto espiritual que nem comunismo nem capitalismo parecem ter conseguido fornecer.

“Pelos meus cálculos China está destinado a se tornar no maior país cristão do mundo muito em breve“, disse Fenggang Yang, professor de sociologia da Universidade de Purdue e autor do livro ‘Religião na China: Sobrevivência e Renascimento sob o regime comunista’. (saiba mais clicando aqui!)

Comente

Participe de nosso grupo no WhatsApp e receba nossas novidades.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido