Conselheiros de Universidade Cristã Evangélica renunciam e citam ‘desvio’ da instituição dos princípios cristãos

Dois importantes curadores da Universidade cristã evangélica Azusa Pacific University, renunciaram ao seus cargos alegando que a instituição afastou-se da missão e princípios cristãos.

Dois curadores da Azusa Pacific University (APU) renunciaram na semana passada alegando que a instituição evangélica do sul da Califórnia “se afastou” de sua missão e fundação através da promoção da ideologia liberal.

Raleigh Washington, presidente do movimento evangélico masculino Promise Keepers, e Dave Dias, executivo de área de Sacramento, apresentaram suas cartas de demissão do conselho de administração da APU na última quarta-feira citando preocupações com a promoção da ideologia progressista por professores e administradores.

Em uma entrevista à WND , Washington explicou que ele foi um administrador da APU durante 15 anos. Mas durante os últimos seis anos, ele disse, que constantemente confrontou o conselho com evidências de que muitos membros do corpo docente e do governo da APU estavam promovendo uma ideologia política que ele acredita contradizer a declaração de fé e os princípios fundamentais da escola.

Washington, que anteriormente pastoreava na Igreja Evangélica Livre da Rocha de Nossa Salvação, em Chicago, acusou o conselho de administração de ser “cúmplice neste comportamento desobediente” porque não responsabilizou a liderança da escola.

Depois de fervorosa oração e com integridade de coração, não posso continuar a fazer parte dessas violações da palavra de Deus“, afirmou Washington. “Temo as conseqüências espirituais dessa falta de correção e disciplina”.

As demissões de Washington e Dias acontecem cerca de dois meses depois que a APU anunciou que instituiria uma política que permitisse relacionamentos entre estudantes do mesmo sexo, após anos de ativistas estudantis LGBT ter pressionado a escola para remover sua proibição de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Após a reação dos evangélicos conservadores, a escola anunciou dias depois que os administradores restabeleceram a proibição das relações entre pessoas do mesmo sexo e esclareceram que as autoridades escolares nunca receberam aprovação do conselho para remover a proibição do manual do estudante.

VEJA TAMBÉM
Cidade proíbe pregação do Evangelho nas ruas e praças

O que aconteceu com o manual do aluno foi uma indicação de um problema maior que existe, e esse problema é derivação teológica do que é exigido de uma universidade cristã evangélica“, explicou Washington.

Dias concordou e disse ao WND que ele tem “profundas preocupações sobre a viabilidade de longo prazo da APU como uma universidade ‘Deus-primeiro‘”.

David Poole, presidente do conselho de administração da APU, respondeu às alegações dos ex-curadores em uma declaração compartilhada com o The Christian Post. Ele enfatizou que o conselho está “firmemente comprometido em defender os valores bíblicos que sustentam a universidade“.

[O conselho] não hesitará em fornecer liderança para nossa missão centrada em Cristo”, enfatizou Poole. “Reconhecemos que as divergências podem surgir mesmo entre pessoas que compartilham os mesmos objetivos e convicções. Apesar das afirmações feitas por aqueles que renunciaram, a diretoria permanece unida em nosso compromisso com nossa identidade cristã evangélica ”.

A APU foi fundada em 1899. Embora tenha alunos de várias denominações cristãs, o site da APU explica que a identidade central da escola é construída sobre a tradição Wesleyana da Santidade.

Os dois ex-curadoresnão estão sozinhos em sua preocupação com a direção da APU.

Como relatou Rod Dreher em The American Conservative, Barbara Harrington, professora da APU Honors College, escreveu uma carta ao conselho de administração em setembro, depois que o colégio inicialmente decidiu permitir relações entre pessoas do mesmo sexo e antes que a proibição fosse restabelecida. Sua carta explica que ela teve várias conversas com outros membros do corpo docente em que expressaram preocupação de que “APU está em perigo de perder sua qualidade essencial.”

VEJA TAMBÉM
Igreja realiza vigília com milhares de pessoas em prol de pastor sentenciado a prisão perpetua na Coréia do Norte

Há um sentimento de que houve um amontoado de vozes na comunidade que defendem o entendimento bíblico tradicional“, argumentou. “Temos medo de falar como denunciantes para que não nos atinja pessoalmente ou contra nossos departamentos. Eu decidi sair e falar apesar desse medo, porque percebo que as ameaças à essência da APU são tão terríveis ”.

Harrington também pediu ao presidente da APU, Jon Wallace, que renunciasse.

Mais e mais, parece claro que vários espíritos da época estão sendo levantados na APU, de modo que o Deus da compreensão bíblica tradicional e o que Ele nos pede estão sendo redefinidos”, escreveu ela. “Como acadêmicos cristãos – historiadores, teólogos, filósofos, cientistas – sabemos onde esse caminho nos leva. A perda de ‘God First’ significa que o APU pára de progredir e perde a si mesmo e seu caráter definidor em uma onda de mudança. Torna-se uma universidade indistinguível de tantas outras que estão afundando no ‘meio bagunçado’ da confusão pós-moderna.”

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido