‘Coringa’ , Joker é um filme perigoso e violento que pode provocar imitações

Sucesso de bilheteria, Coringa tem causado preocupações devido ao alto teor de violência

O novo thriller psicológico Coringa “Joker” é um filme “perigoso” que glorifica a violência e pode provocar imitações, mesmo que suscite questões importantes sobre doenças mentais e os oprimidos da sociedade, afirmam críticos que assistiram o filme.

O filme da Warner Bros / DC Films que estreou nos cinemas neste fim de semana, revelando a fundo a história do vilão mais conhecido como o inimigo de Batman.

“Coringa”, no entanto, não é classificado como um filme de super-herói. É classificado como R por “forte violência sangrenta, comportamento perturbador, linguagem e breves imagens sexuais – e é tão violento e preocupante que a cadeia de cinema Alamo Drafthouse Cinema está pedindo aos pais que mantenham seus filhos em casa. O Conselho de Televisão dos Pais também emitiu um aviso aos pais.

Significativamente, o próprio Batman nunca aparece. Em vez disso, o espectador descobre como um homem chamado Arthur Fleck se transformou no Coringa através de uma série de eventos trágicos. Ele foi espancado e torturado quando criança.

Ele foi intimidado quando adulto. Ele recebeu tratamento e medicamentos para doenças mentais, embora isso tenha terminado quando o orçamento do governo foi cortado.

Eventualmente, Fleck fica violento e segue em uma matança. Joaquin Phoenix, que recebeu três indicações ao Oscar, incluindo uma por sua atuação como Johnny Cash em “Walk the Line”, interpreta Arthur Fleck / Joker.

Paul Asay, que analisa os filmes de Focus on the Family’s Plugged In, classificou o filme como uma tragédia, um estudo de personagens e “talvez acima de tudo” uma história de horror.

Mas heroísmo, super ou não, não pode ser encontrado aqui”, disse Asay. “É tenso, brutal, incrivelmente triste e, acho, potencialmente perigoso. A história combina uma performance fascinante de Joaquin Phoenix com temas que abrangem questões sociais que são muito importantes no momento (embora o próprio filme ocorra no que parece ser o final da década de 1970 ou o início dos anos 80): isolamento social, privação de direitos, raiva da classe.

VEJA TAMBÉM
Globo rebate acusação da Record sobre caso que envolve Universal

Isso faz, na minha opinião, um ensopado potencialmente explosivo – uma obra de arte que poderia ser adotada por alguns espectadores pelas razões erradas”, acrescentou Asay. “E se qualifica para sua classificação R em todos os turnos.”

Da mesma forma, Tom Snyder, do MovieGuide, disse que pode imaginar como “uma pessoa perturbada ou um extremista de esquerda pode levar esse filme e tentar promover algum tipo de vingança violenta contra a sociedade, contra pessoas ricas ou contra um inimigo pessoal”.

A grande maioria dos telespectadores não será afetada dessa maneira, mas alguns podem”, disse Snyder.

Ainda assim, Asay disse que o filme – apesar de todos os seus excessos – levanta algumas questões importantes. Entre eles: quando um indivíduo faz algo terrível, que papel a sociedade e o ambiente desempenham?

É uma pergunta carregada, é claro, e às vezes corremos o risco de perder de vista a responsabilidade pessoal quando a fazemos”, disse Asay. “Mas as pessoas são criaturas complicadas, produtos não apenas de nossas próprias decisões e pecados, mas também da hereditariedade e do ambiente que nos influenciam. Isso não desculpa nossas ações ou atenua nossa responsabilidade, mas ajuda a explicar como podemos passar de A a J … e quando as doenças mentais são misturadas, as coisas ficam ainda mais complexas.”

Fleck sofria de doença mental e estava à margem da sociedade, observou Asay.

Mas ele ainda estava tentando viver de uma maneira que não perturbaria completamente o bem estar da sociedade“, observou Asay. “Mas um por um, vemos como todas as pernas de sua cadeira mental / emocional são cortadas. Ele perde o acesso aos remédios e ao terapeuta. Ele é ignorado ou ridicularizado por quase todos ao seu redor – e mesmo aqueles em quem ele acredita que podem ser confiáveis ??não são tão confiáveis. Ele é brutalmente espancado. E finalmente, sua doença não tratada conspira com circunstâncias horríveis para, metaforicamente, matar Arthur (e tudo o que ele poderia ser) e criar o Coringa (e tudo o que ele se torna). ”

Adam Holz, também da Plugged In, disse que o filme o levou a “pensar mais profundamente em como vejo pessoas em situações semelhantes no mundo real”.

Qual é a minha responsabilidade? Como posso ajudar? Eu acho que o filme pode ser um catalisador para esse tipo de pergunta séria ”, disse Holz à BP.

VEJA TAMBÉM
Juíza dá liminar proibindo exibição de filme que contem pedofilia, necrofilia e estrupo de recém nascido

Ainda assim, disse Holz, o conteúdo sombrio do filme ofusca seus elementos positivos.

Vira em uma direção terrivelmente violenta“, disse Holz à BP. “E enquanto os cineastas querem que, dadas algumas de suas declarações, vejam as ações de Joker como más e desequilibradas, acho que há um argumento a ser feito para que o final do filme as glorifique potencialmente”.

Asay disse que não pode recomendar o filme. Mas, como Holz, ele vê uma mensagem importante sobre a necessidade de atingir a sociedade oprimida com as Boas Novas de Cristo.

Penso que podemos (se quisermos) extrair uma mensagem importante – como é importante amar até mesmo aqueles que parecem terrivelmente desagradáveis, assim como Deus nos amou desagradáveis”, disse Asay à BP. “É impossível saber como a história de Arthur teria sido diferente se ele tivesse recebido um pouco mais de caridade cristã, é claro. Mas você percebe que, se ele tivesse visto um pouco mais de amor, tivesse recebido um pouco mais de paciência e tivesse um pouco mais de afeto honesto, o Coringa do Coringa talvez nunca tivesse sido. ”- Baptist Press

por: Michael Foust 

traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Comente

Participe de nosso grupo no WhatsApp e receba nossas novidades.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido