A fome tem atormentado a Venezuela e está matando crianças. O governo venezuelano sabe disso, mas não o reconhece. Médicos de vinte e um hospitais disseram que o número de crianças com desnutrição grave é muito alarmante. Centenas delas, estão morrendo.

Com apenas 17 meses de idade, o pequeno Kenyerber Aquino morreu de fome. Seu pai teve que entregá-lo a um funcionário da funerária porque não tinham dinheiro para fazer um funeral ao seu filho.

Cada vez, os venezuelanos dependem mais do governo por causa de escassez de alimentos e preços muito altos. “Seu pai nunca mais o verá”, sussurrou suavemente Carlos Aquino, pai de Kenyerber, ao caixão de seu filho.

Durante anos, a fome perseguiu a Venezuela, mas agora está atingindo números recorde em mortes de menores, de acordo com médicos de hospitais públicos.

As crianças estão chegando com condições muito precárias de desnutrição. Os médicos ainda estão vendo quadros de desnutrição tão extrema como a que ocorre nos campos de refugiados “, disse a Dra. Huníades Urbina Medina, presidente da Sociedade Venezuelana de Crianças e Pediatria.

Famílias de recursos escassos passam dias sem comer e até mesmo mulheres que se alinham nas clínicas de esterilização para evitar engravidar de bebês, já que não poderão alimentar. As crianças pequenas deixam suas famílias e se juntam a se unem as gangues que escavam por toda parte em busca de alimentos.

Um relatório recente das Nações Unidas e da Organização Pan-Americana da Saúde descobriu que 1,3 milhão de pessoas que antes podiam se alimentar na Venezuela não estão conseguindo encontrar o alimento necessário desde que a crise foi desencadeada há três anos.

“Há momentos em que o bebê morre nas mãos por desidratação”, disse a Dra. Milagros Hernández em uma sala de emergência do hospital, ao nytimes.

Deixe a sua opinião!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here