Defenderemos a cruz, com nossas almas e sangue! dizem aos prantos cristãos em funerais

Cristãos estão dispostos a perdoar os assassinos, mas também de lugar com alma e sangue em defesa do Evangelho da Cruz de Cristo.

137

A comunidade cristã copta no Egito está gritando de dor e raiva após os funerais de sete crentes que foram mortas por militantes islâmicos perto de um mosteiro em Minya.

O ataque na sexta-feira, que deixou pelo menos outras 19 pessoas feridas, provocou uma resposta rápida da polícia egípcia, que disse ter matado 19 militantes em um tiroteio na área deserta a oeste da província de Minya.

A AFP informou que a primeira vítima, uma anglicana, foi enterrada na sexta-feira, enquanto os outros seis cristãos coptas foram enterrados em caixões brancos no sábado por centenas de pessoas em luto. A multidões lamentou aos gritos “com nossas almas, com nosso sangue,defenderemos a cruz!

Dom Makarios, de Minya, disse após os funerais que “não esqueceremos as promessas das autoridades, incluindo o presidente da república, de que os criminosos serão punidos“.

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo massacre de sexta-feira, que ocorre um ano depois de 28 fiéis terem morrido viajando para o mesmo mosteiro em maio de 2017.

O Ministério do Interior do Egito disse que a polícia perseguiu os militantes e descobriu uma tenda onde eles estavam escondidos. Os oficiais encontraram armas, corredeiras e propaganda do Estado Islâmico.

Os coptas, que representam apenas cerca de 10% da população local, pediram melhor proteção, já que o perigo radical islâmico continua alto no Egito.

O que esses terroristas querem? Eles querem que odiemos os muçulmanos?” perguntou um dos enlutados, identificado apenas como Michael, que perdeu um vizinho na sexta-feira, quando os militantes atacaram dois ônibus perto do mosteiro de Minya.

Durante os funerais de sábado, as pessoas lamentaram os que perderam.

Ele era o melhor filho … nunca mais o verei“, disse uma mulher idosa, que não teve o nome divulgado.

Rad Noseer Mitri, padre da Igreja de Mar Girgis, sugeriu que o perdão é possível mesmo em tal situação.

Gostaríamos de dizer a eles (os atacantes) que ainda os amamos apesar do que aconteceu. Mas temos uma pergunta – por que você está fazendo isso conosco? Não cometemos malícia contra ninguém“, disse Mitri, segundo a Reuters.

Nós servimos a nossa igreja e nação com total honestidade. Não desempenhamos nenhum papel no terrorismo ou no ódio. Nós só desempenhamos um papel em servir a nossa igreja e país como qualquer outra pessoa em todo o mundo.”

Grande parte do mundo cristão tem lamentado junto com a comunidade copta. O Papa Francisco também enviou suas orações.

Durante o discurso de domingo da Praça de São Pedro, o pontífice disse que os sete peregrinos foram mortos “pelo simples fato de serem cristãos“.

Deixe a sua opinião!