Depressão e suicídio

Pensamentos suicidas geralmente acompanham a depressão. Mas como lidamos quando esses pensamentos se tornam realidade?

Pensamentos suicidas geralmente acompanham a depressão. Mas como lidamos quando esses pensamentos se tornam realidade?

Derek Hopgood era um homem cristão adorável e humilde. Ele era um bom marido para sua esposa em todos os sentidos e um pai carinhoso para suas duas meninas adolescentes. Ele também foi um excelente diácono da nossa congregação. Um de seus hobbies era a fotografia e, muitas vezes, usamos suas fotografias nas páginas de Evangelicals Now .

Derek sofria de crises graves de depressão. Infelizmente, há uma história definida de grave depressão clínica na linhagem familiar de Derek. Dois anos atrás, ele passou por um período desesperador de escuridão durante o período de Natal e, com ajuda médica, muitas orações e muitas visitas e apoio do povo da igreja, ele passou e voltou às suas responsabilidades de trabalhar para o National Grid.

No entanto, no verão passado, quando muitos de nós estávamos de férias e os sinais não eram tão óbvios, ele entrou em depressão muito rapidamente. Ele partiu para o trabalho na manhã de quarta-feira, depois de tomar suas pílulas antidepressivas e desapareceu. Dois dias depois, ele foi encontrado morto em seu carro em um posto de gasolina. Ele tirou a própria vida.

Foi uma enorme tragédia, especialmente para sua esposa e família que o amavam e a quem ele amava. Foi também um grande golpe para a família da igreja. Nos sentimos terrivelmente espancados, tanto emocional quanto espiritualmente. Por quê isso aconteceu? Onde estava Deus? Fizemos essas perguntas com um sentimento quase de desespero às vezes.

No entanto, nas semanas seguintes, estranha e maravilhosamente, o próprio Deus se aproximou da congregação da maneira mais notável e quase tangível possível.

VEJA TAMBÉM
FIM DO MUNDO: O retorno de Jesus é IMINENTE - 'Devemos nos preparar para tempos terríveis'

Durante esses dias, cinco lições chegaram a todos nós, o que pode ajudar outros cristãos que enfrentam tragédias semelhantes.

1º Pessoas da Bíblia

Sentimentos de profunda depressão e até de trevas suicidas não estão fora da experiência do verdadeiro povo de Deus. A Bíblia não é um livro cheio de pessoas que não fazem nada além de sorrir. O Evangelho não é ‘venha a Jesus e todos os seus problemas terrestres serão resolvidos’.

Alguns dos maiores homens de Deus que encontramos nas páginas das Escrituras conheciam crises de mais profunda tristeza e desejavam morrer. Após seu triunfo contra os profetas de Baal no Monte Carmelo, logo encontramos Elias sob um pé de zimbro, orando para que ele morresse (1 Rs 19:4).

Em meio a seus problemas desesperados, encontramos Jó, de quem Deus disse que não havia mais ninguém na terra igual para compará-lo, dizendo a Deus: “Detesto minha própria vida … gostaria de ter morrido antes que qualquer olho me visse, se apenas Eu … fosse levado direto do útero para o túmulo!” ( Jó 10:1,18,19 ).

Outros santos do Antigo Testamento sofreram de maneira semelhante, e Paulo assegura aos crentes do Novo Testamento que o que “foi escrito no passado foi escrito para nos ensinar, para que, através da perseverança e encorajamento das Escrituras, tenhamos esperança” ( Rm 15:4). Nunca pense que uma pessoa deprimida não pode ser cristã. A Bíblia nos assegura o contrário.

2º Doença mental

Chegamos a reconhecer que a depressão do tipo que Derek sofreu é uma doença grave. É uma condição médica bem documentada, da qual uma porcentagem surpreendente da população sofre. Assim como encontramos pessoas que sofrem de doenças físicas, devemos simpatizar e não condenar aqueles que podem ter doenças mentais. Nós não dizemos “Nenhum cristão deve sofrer de câncer ou ataque cardíaco“. Da mesma forma, temos uma visão muito superficial da vida e da teologia se pensarmos que nenhum cristão deve sofrer de depressão. Como cristãos, geralmente não estamos isentos dos problemas que afligem o resto da humanidade.

VEJA TAMBÉM
Teria sido David Wilkerson um idiota por condenar a teologia da prosperidade?

Antes, compartilhamos de todo sofrimento que, no sofrimento, podemos compartilhar Cristo com toda compaixão com aqueles que sofrem.

Muitos de nós nos sentimos culpados quando Derek morreu. Se ao menos tivéssemos chegado até ele antes. Se ao menos tivéssemos detectado os sintomas, como fizemos no tempo anterior. Por que não estávamos mais alertas? E, de fato, foi útil sentar-se juntos no outono passado como igreja e discutir as lições que sentimos que precisávamos aprender. No entanto, no final, não acho que Deus queira nos levar em uma viagem de culpa. Derek estava doente e morreu enquanto seus pensamentos e emoções estavam profundamente perturbados. A família de Derek, em particular, precisava se apossar disso.

3º Providência?

Por que Deus não interveio? Que bem pode resultar disso? Essas eram perguntas compreensíveis. Mas a resposta é que, em um mundo caído que, através do pecado, está muito aquém do ideal, não conseguimos entender as providências de Deus.

Em Atos 12, lemos sobre dois apóstolos sendo presos por Herodes. Eles eram Tiago e Pedro. Tiago foi morto, mas Pedro escapou. Sem dúvida, a igreja orou por Tiago como eles oraram por Pedro. No entanto, embora Pedro tenha sido poupado, Tiago não. Por quê? Por que Deus não pôde fazer por Tiago o que ele fez por Pedro? Não podemos responder a essas perguntas.

Não devemos deixar que as tragédias da providência nos joguem. Devemos louvá-lo nos bons dias e confiar nele nos dias ruins, sabendo que Cristo é vitorioso. Ele ressuscitou dentre os mortos e, embora choremos agora, chegará o dia em que ele enxugará todas as lágrimas dos nossos olhos.

VEJA TAMBÉM
A igreja comunista

4º Suicídio por depressão, Pecado imperdoável?

O que Derek fez não foi o pecado imperdoável mencionado em passagens como Mateus 12:24 , 30-32. O suicídio não é mencionado em nenhum lugar nessas passagens.

O único pecado pelo qual não há perdão é a blasfêmia contra o Espírito Santo – a designação voluntária do que é inequivocamente bom e para a glória de Cristo, para a obra de Satanás. É a disputa autoconsciente, sóbria e maligna do incontestável em rejeitar a Cristo. Por isso, não há perdão, pois é a rejeição do único que pode abrir nossos olhos para o único Salvador.

O suicídio é frequentemente uma expressão de rebelião pecaminosa. Pensamos no orgulhoso sábio Aitofel que tirou a própria vida quando viu que seus planos foram frustrados ( 2 Sm 17:23 ). Mas o que um pobre faz consigo mesmo nas profundezas da depressão clínica não se enquadra na mesma categoria. O que um homem faz enquanto o equilíbrio de sua mente está perturbado é uma questão de simpatia, não de condenação. Para tais coisas, é claro, há perdão. Nosso Deus é um Deus que sente as pessoas que sofrem e que entende nossas fraquezas. Nosso Deus não rejeita essa pessoa. Antes, somos apontados para o amor de Deus.

5º Amor inquebrável

Em um momento de tragédia, reconhecemos novamente a grandeza do evangelho. Nada pode separar o cristão do amor de Deus.

As palavras de Paulo em Romanos 8: 33-39 são de tremendo encorajamento. Ele está fazendo uma série de perguntas retóricas. No versículo 35, ele parece fazer a pergunta que todos os outros estão fazendo: “Quem nos separará do amor de Cristo?”. Ele então começa a procurar possíveis candidatos: “Dificuldades, dificuldades, perseguições, fome, nudez ou espada?”. O povo de Deus pode sofrer muitas misérias, mas será que algum deles pode separar o povo de Cristo do seu amor? Paulo responde com um retumbante Não! “Não, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou” ( Rom 8:37 ).

VEJA TAMBÉM
A Galinha Pintadinha é do diabo? Existem mensagens subliminares em seu conteúdo?

Onde está o Derek? Ele está no céu. Ele está com o Senhor, como todos os pecadores perdoados que se refugiaram em Cristo.

O Evangelho

A passagem em Romanos 8 sublinha para nós o ponto principal do evangelho. Alguém pode perguntar: “Se coisas assim podem acontecer a um cristão, então qual é o sentido de ser cristão?”. Por essa mesma razão: todos devemos morrer, seja na velhice ou em circunstâncias trágicas. Quer tenhamos tido uma vida fácil ou um momento difícil aqui na terra, a morte nos encontrará em algum momento. Mas o Evangelho de Cristo dá vida eterna a todos que crêem, sejam otimistas ou pessimistas, sejam alegres ou fleumáticos. Ele nos salva das consequências de todos os nossos pecados (de qualquer tom) e nos leva ao amor de Deus por toda a eternidade. Esse é o objetivo do Evangelho. Por isso Jesus morreu e ressuscitou.

Nossa confiança não está em nosso amor a Deus, que é frágil, volúvel e vacilante, mas em seu amor por nós. Dele é o amor que não nos deixa ir. Jesus disse sobre suas ovelhas: “Eu lhes dou a vida eterna, e elas nunca perecerão; ninguém pode arrebatá-los da minha mão ”( João 10:28 ).

Traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo – de – Evangelicals Nows, março de 1996

Depressão e suicídio ajuda no Brasil

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias. (Acesse) ou ligue 188.

Comente

Participe de nosso grupo no WhatsApp e receba nossas novidades.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido