Dr. Milagre, o Nobel da Paz, diz que Deus lhe confiou a missão de ‘curar’ as mulheres que sofrem abusos

Dr. Milagre, Denis Mukwege, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, é Ginecologista, cristão e acredita que Deus lhe confiou a missão de curar as mulheres que sofrem abusos no Congo.

Você pode ter ouvido falar sobre o Prêmio Nobel da Paz sendo concedido na semana passada, mas desde que os nomes não eram famosos, você pode não ter percebido que um dos destinatários tem um notável testemunho de fé.

Seu nome é Denis Mukwege. Seu apelido: “Dr. Milagre”.

Mukwege é um médico cristão na República Democrática do Congo, devastada pela guerra, que dedicou sua vida a “acabar com o uso da violência sexual como uma arma na guerra“, segundo o comitê do Nobel.

Christianity Today relata que ele é um ginecologista que tratou dezenas de milhares de mulheres nas últimas duas décadas. Muitos dessas pacientes são vítimas de estupro de um grupo de militantes.

“A importância dos esforços duradouros, dedicados e altruístas do Dr. Mukwege neste campo não pode ser exagerada. Ele repetidamente condenou a impunidade pelo estupro em massa e criticou o governo congolês e outros países por não fazer o suficiente para impedir o uso de violência sexual contra as mulheres. Uma estratégia e arma de guerra“, disse o comitê do Nobel na sexta-feira.

Mukwege é filho de um ministro pentecostal que encontrou seu chamado para a medicina depois de ajudar seu pai a orar pelos enfermos.

Em uma recente entrevista à NPR, o médico de 63 anos explicou que sua fé influenciou muito sua abordagem holística de cuidar de seus pacientes.

O que eu estou fazendo realmente não é apenas tratar as mulheres – seu corpo – (mas) também para lutar por si mesmas, para torná-las autônomas e, é claro, para apoiá-las psicologicamente“, disse Mukwege.

O médico congolês observou que é nesse processo de cura do rescaldo da violência sexual que as mulheres podem “recuperar sua dignidade“.

VEJA TAMBÉM
Harold Camping não teve sucesso com o seu fim do mundo, mas ganhou uma sátira em The Sims – Assista ao vídeo

Quando acontece na vida de uma mulher ser estuprada, às vezes você tem a impressão de que foi ‘apenas um estupro’, como algumas pessoas que não entendem o significado do estupro (digamos)“, explicou Mukwege. “Mas entendemos que é um trauma muito profundo e as mulheres precisam recuperar a confiança em si mesmas.”

Em um discurso de abertura na 12ª Assembléia da Federação Luterana Mundial (FLM), Mukwege advertiu que a misoginia desenfreada que está ocorrendo em seu país se estende muito além do Congo.

“Esta guerra, que envolveu inicialmente sete estados africanos, e a chamada primeira grande guerra africana não é étnica”, disse ele. “É uma guerra econômica que já causou mais de 5 milhões de mortes e milhares e milhares de mulheres sendo estupradas.

Como podemos aceitar tais práticas bárbaras no século 21?” Mukwege perguntou.

É por isso que eu escolho sair da sala de cirurgia de vez em quando para dar a conhecer ao mundo o sofrimento indescritível de nossos semelhantes, nossos iguais, nossas irmãs, nossas mães e nossas filhas“, explicou.

Enquanto isso, Mukwege está chamando as pessoas de fé para intervir e ajudar a mudar a mentalidade tóxica predominante que desvaloriza as mulheres.

Cabe a nós, herdeiros de Martinho Lutero, através da palavra de Deus, exorcizar todos os demônios machistas que possuem o mundo, para que as mulheres vítimas da barbárie masculina possam experimentar o reino de Deus em suas vidas“, disse Mukwege. Ele avisou que uma fé que está desconectada das duras realidades do mundo é aquela que torna os crentes incapazes de “cumprir a missão que nos foi confiada por Cristo“.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido