Escola ensina crianças de 6 anos a escrever ‘carta de amor gay’, incentivando ao casamento do mesmo homossexual

Escola ensina crianças de 6 anos de idade a escrever uma carta de amor gay, em que incentiva o casamento de pessoas de mesmo sexo.

262

No mês passado, a Rádio Manchester da BBC publicou um
pequeno vídeo sobre uma lição que foi ensinada às crianças da Bewsey Lodge
Primary School, em Warrington, Inglaterra.



O vídeo mostra a professora, Sarah Hopson, instruindo sua
classe de crianças a fingir ser um personagem fictício de conto de fadas chamado
“Príncipe Henrique”, e escrever uma carta de amor para o servo do
príncipe “Thomas”, dizendo a Thomas que seria uma “brilhante ideia se eles casarem”.

Segundo a BBC, a escola ensina as crianças desde cedo sobre
os relacionamentos LGBT. O vídeo mostra alunos sendo ensinados sobre o
casamento entre pessoas do mesmo sexo através da escrita de uma carta de amor.

“Eles vão sair
para esse mundo e encontrar essa diversidade em torno delas e elas vão encontrar
isso em tenra idade também”
, disse Hopson à BBC. “E quanto mais cedos elas puderem aceitar nessa idade, não
precisaram encarar isso mais adiante, porque as crianças aceitarão agora e
aceitarão essa diversidade ao seu redor”.

A escola primária, que tem cerca de 345 alunos, orgulha-se
de ser LGBT inclusiva.

Segundo a BBC, a escola tem uma política uniforme de gênero
neutro, na qual os estudantes podem escolher qual uniforme eles querem usar
para não ofender estudantes que possam ter dificuldades com a disforia de
gênero e se identificar como um membro do sexo oposto.

Além disso, a escola faz com que todas as faixas etárias
participem de aulas sobre a inclusão LGBT.

Durante o verão, o Bewsey Lodge tornou-se a primeira escola
de sua região a ganhar o Prêmio de Prática de Ouro “Educar e
Celebrar”, pró-LGBT, concedido a escolas que lidam com “bullying
homofóbico, bifóbico e transfóbico”.

VEJA TAMBÉM  Lei de mídia na Argentina privilegia Igreja Católica

A escola tem o programa “Educação Pessoal, Social e Educação para a Saúde“, que é
ministrado da creche até a sexta série. No programa, os alunos aprendem sobre
“saúde e bem-estar”, “relacionamentos” e “viver no
mundo”.

No programa, os alunos têm a “oportunidade de aprender sobre a diferença entre sexo, identidade
de gênero e orientação sexual e os termos associados a sexo, identidade de
gênero e orientação sexual”.

De acordo com um guia PSHE 
produzido pela escola em 2014, os alunos também devem ter a oportunidade
de “desafiar seus próprios valores
fundamentais e como seus valores influenciam suas escolhas
“.

Depois de receber uma reação negativa no Facebook dos
telespectadores da BBC, que achavam que ensinar um currículo LGBT a crianças
pequenas tirava sua inocência, a diretora Emma Wright respondeu.

É interessante
ler quantas pessoas sexualizaram o conteúdo de nosso currículo
“,
escreveu Wright em um comentário no Facebook sobre o vídeo da BBC. “O que estamos tentando alcançar é uma
cultura de aceitação e respeito – simplesmente, viva e deixe viver. Ensinamos
sobre amor e esse amor vem em todas as formas e tamanhos. O que estamos
tentando alcançar é que as crianças nos deixem armados com informações
suficientes para fazer suas próprias escolhas informadas, crianças que podem
olhar para a vida / situação de outra pessoa e dizer: ‘Isso é diferente da
minha vida ou do jeito que eu sinto ou penso, mas tudo bem.’

“Também ensinamos
sobre racismo, extremismo e religião, e a mesma filosofia filtra tudo”
,
acrescentou Wright. “Eu desafiaria
qualquer um que duvidasse do poder do que estamos tentando fazer em torno do
LGBT + para vir e conversar com algumas de nossas pequenas pessoas.

VEJA TAMBÉM  Exército dos EUA quer armar seus soldados com a armadura do Homem de Ferro

Em 2017, o Sindicato Nacional de Professores do Reino Unido
solicitou  que as crianças aprendessem
sobre homossexualidade e transgenerismo desde a creche.

“As gerações de
jovens LGBT que falharam com o sistema ainda não são explicitamente explicadas
na lei que suas vidas também são importantes”
, disse Annette Pryce,
membro do NUT .  “O NUT … precisa garantir que a SRE seja
inclusiva para os jovens LGBT agora e para sempre”.

Nos EUA, algumas escolas receberam reação por seu
envolvimento com a defesa LGBT.

Um distrito escolar da Pensilvânia recebeu críticas  de pais e ativistas depois que alunos da
Emmaus High School assistiram a quatro vídeos durante a “Unity Week”
LGBT em abril.

Os vídeos foram incluídos nas atividades organizadas para
“Unity Week” e no “Day of Silence” nacional, patrocinado
pelo GLSEN, grupo nacional de lobby LGBT. Os quatro vídeos exibidos na escola
foram patrocinados pelo clube Gay Straight Alliance da escola.

Em Fairfax County, na Virgínia, os pais se manifestaram contra
as mudanças feitas no currículo de educação sexual que não apenas removeram a
palavra “sexo biológico” do
currículo, mas também a substituíram pela palavra “sexo atribuído no nascimento“. Os pais também reclamaram que o
novo currículo não informa os alunos sobre os perigos e malefícios das
cirurgias e terapias de transição sexual. Pais e ativistas também acusaram o
currículo de incentivar práticas sexuais perigosas ensinando os alunos sobre a
profilaxia pré-exposição do medicamento de prevenção da AIDS.

Da mesma forma, muito alvoroço foi levantado em um sistema
escolar da Califórnia depois que começou a expor alunos do ensino fundamental a
livros que ensinavam sobre o transgenerismo. Depois que o sistema determinou no
ano passado que os pais não deixassem seus filhos de fora das aulas, dezenas de
pais responderam retirando seus filhos do sistema escolar.

VEJA TAMBÉM  Batistas da Carolina do Norte experimentam um grande avivamento

https://web.facebook.com/bbcmanchester/videos/530426800704457/

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido

Comentários