“Essas bombas me levaram a Cristo”, testemunha mulher de foto história

Agora com 55 anos, a vietnamica Kim Phuc agradece por todo o sofrimento e conta o seu testemunho

362

Você deve ter visto minha foto algumas vezes. É uma foto que fez o mundo engasgar – uma imagem que definiu minha vida. Eu tinha nove anos de idade, correndo ao longo de uma estrada poeirenta diante de um soldado sem expressão, os braços estendidos, nua, gritando de dor e medo, o contorno escuro de uma nuvem de napalm ondulando ao longe.

Meu próprio povo, o sul-vietnamita, bombardeava as rotas comerciais usadas pelos rebeldes vietcongues. Eu não era o alvo, é claro. Eu simplesmente estava no lugar errado na hora errada.

Essas bombas me trouxeram uma dor incomensurável. Mesmo agora, cerca de 40 anos depois, ainda estou recebendo tratamento para queimaduras que cobrem meus braços, costas e pescoço. A dor emocional e espiritual foi ainda mais difícil de suportar.

E ainda assim, olhando para as últimas cinco décadas, percebo que aquelas mesmas bombas que trouxeram tanto sofrimento também trouxeram uma grande cura. Essas bombas me levaram a Cristo.

Montanha da Raiva

Quando criança fui criada na religião de Cao Dai (Morada Alta ). Meus avós eram líderes importantes dentro da religião e gozavam de respeito de toda a nossa comunidade. Seguindo seus passos, meus pais, que haviam crescido sem religião, exceto ao Caodaísmo, também se dedicavam às suas crenças, assim como todos os meus irmãos.

Cao Dai é de natureza universalista. De acordo com uma descrição no CaoDai.org , ela reconhece todas as religiões como tendo “uma mesma origem divina, que é Deus, ou Allah, ou o Tao, ou o Nada”, ou praticamente qualquer outra divindade que você possa imaginar. “Você é deus, e deus é você” – nós tínhamos esse mantra enraizado em nós. Nós éramos adoradores de oportunidades iguais, dando a cada deus uma chance.

Olhando para trás, eu via a religião da minha família como uma espécie de pulseira de charme pendurada no meu pulso, cada bugiganga pendente representando ainda outra possibilidade de assistência divina. Quando surgiam problemas – e todos os dias, parecia que sim – eu era encorajada a esfregar esses feitiços na esperança de que a ajuda chegasse.

VEJA TAMBÉM  Menina de foto que se tornou símbolo da Guerra do Vietnã reencontra jornalista

Durante anos, orei aos deuses de Cao Dai por cura e paz. Mas, como uma oração após a outra não foi respondida, ficou claro que ou eles eram inexistentes ou não se importavam em dar uma mãozinha.

E assim continuei a suportar o peso incapacitante de raiva, amargura e ressentimento em relação àqueles que causaram meu sofrimento – o fogo ardente que penetrou em meu corpo; os banhos de queimadura que se seguiram; a pele seca e com coceira; a incapacidade de suar, que transformou minha carne em um forno no calor sufocante do Vietnã. Eu ansiava por alívio que nunca viria. E, no entanto, apesar de todas as últimas circunstâncias externas que ameaçavam me ultrapassar – mente corpo e alma – a dor mais angustiante que sofri durante aquela temporada de vida residia em meu coração.

Eu estava tão sozinha quanto uma pessoa pode estar. Eu não podia me voltar para um amigo, pois ninguém queria me fazer de amiga. Eu era tóxica e todos sabiam disso. Estar perto de mim era estar perto de dificuldades. Pessoas sábias ficaram longe. Eu estava sozinha, no topo de uma montanha de raiva. Por que fui obrigada a ter essas cicatrizes horríveis?

Eu cresci ouvindo o provérbio “Uma árvore quer ficar sozinha, mas o vento sempre a chicoteia aqui e ali.” Era eu: uma árvore açoitada pelo vento. E temi que nunca mais voltasse a ficar de pé.

Em 1982, encontrei-me agachada na biblioteca central de Saigon, tirando livros de religião vietnamita das prateleiras um por um. A pilha na minha frente incluía livros sobre bahá’í, budismo, hinduísmo, islamismo e Cao Dai. Também continha uma cópia do Novo Testamento. Folheei vários livros antes de puxar o Novo Testamento para o meu colo. Uma hora depois, eu escolhi o meu caminho através dos Evangelhos, e pelo menos dois temas se tornaram bastante claros.

Primeiro apesar de tudo o que eu havia aprendido através do Cao Dai – que havia muitos deuses, que havia muitos caminhos para a santidade, que o fardo do “sucesso” na religião repousava sobre meus próprios ombros cansados ??- Jesus se apresentava como o caminho, a verdade e a vida (João 14: 6). Seu ministério inteiro, ao que parece, apontava para uma afirmação direta: “Eu sou o caminho para chegar a Deus; não há outro caminho além de mim”. Segundo, esse Jesus havia sofrido em defesa de sua reivindicação. Ele havia sido ridicularizado, torturado e morto. Por que ele suportaria essas coisas, eu me perguntava, se ele não fosse, de fato, Deus?

VEJA TAMBÉM  Papa Francisco admite abertamente a "cultura do abuso e encobrimento" na Igreja Católica

Eu nunca tinha sido exposto a este lado de Jesus – o ferido, aquele que tinha cicatrizes. Revirei essa nova informação em minha mente como uma joia na minha mão, saboreando a luz que foi lançada de todos os lados. Quanto mais eu lia, mais eu passava a acreditar que ele realmente era quem ele dizia ser, que ele realmente havia feito o que ele disse que tinha feito, e que – o mais importante para mim – ele realmente faria tudo o que prometera em sua Palavra.

Talvez ele pudesse me ajudar a entender minha dor e finalmente chegar a um acordo com as minhas cicatrizes.

Finalmente na paz que só encontrei em Cristo

Minha experiência de salvação aconteceu, apropriadamente, na véspera de Natal. Era 1982, e eu estava participando de um culto especial de adoração em uma pequena igreja em Saigon.

 

O pastor falou sobre como o Natal não é sobre os presentes que damos uns aos outros, tanto quanto sobre um presente em particular: o presente de Jesus Cristo. Enquanto ouvia esta mensagem, sabia que algo estava mudando dentro de mim.

Quão desesperadamente eu precisava de paz. Quão pronta eu estava para amor e alegria. Eu tinha tanto ódio em meu coração – tanta amargura. Eu queria deixar toda minha dor. Eu queria perseguir a vida em vez de me apegar às fantasias da morte. Eu queria esse Jesus.

Então, quando o pastor terminou de falar, levantei-me, saí para o corredor e fiz meu caminho até a frente do santuário para dizer sim a Jesus Cristo.

E lá, em uma pequena igreja no Vietnã, a poucos quilômetros da rua onde minha jornada havia começado em meio ao caos da guerra – na noite antes do mundo celebrar o nascimento do Messias -, convidei Jesus para o meu coração.

VEJA TAMBÉM  Renascer não vai reconstruir sede que desabou

Quando acordei naquela manhã de Natal, experimentei o tipo de cura que só pode vir de Deus. Eu estava finalmente em paz.

Quase meio século se passou desde que me vi correndo – assustado, nu e com dor – por aquela estrada no Vietnã. Jamais esquecerei os horrores daquele dia – as bombas, o fogo, os gritos, o medo. Nem vou esquecer os anos de provação e tormento que se seguiram. Mas quando penso em quão longe cheguei – a liberdade e a paz que vem da fé em Jesus – percebo que não há nada maior ou mais poderoso do que o amor de nosso abençoado Salvador.

Minha fé em Jesus me permitiu perdoar aqueles que me feriram e me assustaram. Isso me permitiu orar por meus inimigos em vez de amaldiçoá-los. E isso me permitiu não apenas tolerá-los, mas verdadeiramente amá-los.

Eu suportarei para sempre as cicatrizes daquele dia, e essa imagem sempre servirá como um lembrete do mal inexprimível do qual a humanidade é capaz. Essa foto definiu minha vida. No final, isso me deu uma missão, um ministério, uma causa.

Hoje agradeço a Deus por essa foto. Hoje agradeço a Deus por tudo – mesmo por esse caminho. Especialmente por essa estrada.

Hoje Kim Phuc Phan Thi é autora de Estrada de Fogo: A Viagem da Menina do Napalm através dos Horrores da Guerra à Fé, Perdão e Paz (Tyndale). Ela é a fundadora da Kim Foundation International em Ontário, Canadá, e embaixadora da UNESCO Goodwill.

Se você se sentiu tocado por esse testemunho, compartilhe com seus amigos e faça o seu comentário logo abaixo.

Publicado originalmente em: Christian Today

Traduzido e adaptado por: Portal Padom

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.