Em uma conferência de imprensa da Casa Branca, o presidente Donald Trump anunciou na quarta-feira que os Estados Unidos reconhece Jerusalém como a capital de Israel e disse que vão começar os preparativos para mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém.

“Estou decidido a reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel”, anunciou Trump.

O presidente lembrou de sua promessa de campanha presidencial.

“Enquanto os presidentes anteriores tomaram isso como uma promessa de campanha, não o fizeram. Hoje estou cumprindo. Eu acredito que este curso de ação é do interesse dos americanos e da busca pela paz. É algo que deve ser feito para levar adiante o processo de paz”, disse o presidente dos EUA.

Trump explicou do ponto de vista religioso, a importância desta decisão histórica.

“Jerusalém não é apenas o coração de três religiões, mas também o coração de uma das democracias mais bem-sucedidas do mundo. Nas últimas sete décadas, o povo israelense criou um país onde judeus, muçulmanos, cristãos, pessoas de todas as fés são livres de viver de acordo com suas crenças. Jerusalém é hoje e deve permanecer sendo um lugar onde os judeus rezam, onde os cristãos podem fazer as viacrucis, onde os muçulmanos têm sua grande mesquita. No entanto, Jerusalém não foi reconhecida como a capital de Israel. Mas hoje finalmente reconhecemos que Jerusalém é a capital de Israel “.

Os Estados Unidos não só toma a decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, mas, de acordo com Trump, começa o processo para mover a embaixada dos EUA da cidade de Tel Aviv para Jerusalém.

“… de acordo com a lei da Embaixada de Jerusalém, peço ao Departamento de Estado que inicie os preparativos para mover a embaixada de Tel Aviva para Jerusalém. Que se contratem arquitetos e engenheiros para que, quando a nova embaixada for completada, seja um magnífico tributo à paz “.

Trump esclareceu que esta decisão “não tenta de forma alguma desviar-se do nosso forte compromisso de facilitar um acordo de paz. Queremos um acordo que seja um grande acordo para os israelenses e os palestinos. Não estamos tomando uma posição em relação ao estado final, nem mesmo em relação às fronteiras em disputa. Todas essas questões dependem das partes envolvidas. Os Estados Unidos continua empenhado em facilitar um acordo de paz aceitável para ambos e minha intenção é fazer tudo o que estiver ao meu alcance para alcançar este acordo “.

Deixe seu comentário!