Evangélicos estão mais preocupados com a economia e saúde, do que com o aborto e liberdade religiosa, aponta pesquisa

Evangélicos são mais propensos a se preocupar politicamente com questões de saúde e economia do que com questões tipicamente associadas a engajamento político evangélico, como liberdade religiosa e aborto, segundo uma nova pesquisa.

AD - Brás (imagem ilustrativa)

Evangélicos americanos, são mais propensos a se preocupar politicamente com questões de saúde e economia do que com questões tipicamente associadas a engajamento político evangélico, como liberdade religiosa e aborto, segundo uma nova pesquisa.

Nossos entrevistados nos surpreenderam com o quão pouco pareciam se importar com causas estereotipicamente evangélicas“, escreveu Paul Miller, professor da Universidade de Georgetown, em um relatório analisando as descobertas da pesquisa publicada pela Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul.

A LifeWay Research divulgou uma nova pesquisa este mês, patrocinada pela ERLC, explorando as opiniões dos evangélicos sobre política, civilidade social, consumo de mídia e seu envolvimento com aqueles que têm idéias políticas opostas. 

A pesquisa foi realizada em novembro passado e incluiu respostas de 1.317 entrevistados evangélicos que foram selecionados para distinguir entre entrevistados com crenças evangélicas (933) e entrevistados que se identificaram como cristãos evangélicos (1.001). 

Solicitou-se aos entrevistados que identificassem três preocupações de políticas públicas que “são mais importantes para você“. 

A principal resposta para os evangélicos auto-identificados e para os entrevistados com crenças evangélicas foi “assistência médica” (51%). A segunda resposta mais comum (49% para os que se identificaram e 46% daqueles com crenças evangélicas) foi “a economia“.

Quarenta porcento das pessoas com crenças evangélicas identificaram “segurança nacional”, enquanto 43% dos evangélicos auto-identificados fizeram o mesmo. Quarenta e um porcento dos evangélicos auto-identificados identificaram “imigração” como uma questão de importância para eles, enquanto 39% dos entrevistados com crenças evangélicas disseram o mesmo. 

Apenas 33% dos evangélicos auto-identificados e entrevistados com crenças evangélicas destacaram a “liberdade religiosa” como uma questão de importância para eles. 

VEJA TAMBÉM
Amanda Ferrari sofre grave acidente de carro

Vinte e nove porcento dos evangélicos por crenças destacaram o “aborto” como uma questão de importância para eles, enquanto 28% dos evangélicos auto-identificados disseram o mesmo. 

Apenas quatro porcento dos dois conjuntos de entrevistados identificaram “direitos LGBT” como uma questão política que é importante para eles. 

A descoberta pode ser uma surpresa, considerando que líderes evangélicos conservadores importantes são regularmente discutidos na mídia por suas posições sobre sexualidade e aborto. 

A pesquisa indica que os evangélicos levam em consideração várias questões sobre quem eles votam. 

Menos de 10% dos entrevistados disseram que seu apoio a um candidato político “depende principalmente de um problema”. Oito em cada 10 entrevistados disseram que seu apoio depende de “vários problemas“. 

Apesar de muitos dizerem que seu apoio depende de “várias questões”, os entrevistados com crenças evangélicas eram mais propensos (52% a 48%) a “concordar” que “apenas apoiariam um candidato que quisesse ilegalizar o aborto”.

A pesquisa também sugere que os evangélicos se importam menos com outras causas consideradas importantes para os seguidores de Cristo que são ensinados nas Escrituras a alimentar os famintos e vestir os pobres.

Vinte porcento dos evangélicos auto-identificados identificaram “prover os necessitados” como uma questão de importância política para eles, enquanto 22% dos entrevistados com crenças evangélicas disseram o mesmo. 

Apenas 18% dos evangélicos auto-identificados identificaram “abordar a divisão racial” como uma questão de importância para eles, enquanto 21% dos evangélicos por crença disseram o mesmo. 

Miller enfatizou em seu relatório que, quando discriminado por falhas étnicas raciais e étnicas, a pesquisa mostra que os evangélicos brancos tendem a ter um “conjunto de prioridades políticas” diferente dos evangélicos não-brancos. 

VEJA TAMBÉM
Papa diz que as igrejas evangélicas estão crescendo porque têm uma "combinação de sincretismo religioso"

Os evangélicos brancos têm muito mais probabilidade de listar o aborto, a liberdade religiosa, a segurança nacional ou a imigração como uma preocupação principal do que os evangélicos afro-americanos ou protestantes negros“, acrescentou Miller.

Os afro-americanos são mais propensos a listar a ajuda aos necessitados, assistência médica e injustiça racial. Os evangélicos que freqüentam a igreja com mais frequência têm menos probabilidade de dizer que ajudar os necessitados é uma das principais preocupações. Em 11%, os evangélicos brancos são os menos propensos a dizer que a injustiça racial é uma das principais preocupações. ”

A pesquisa possui uma margem de erro de 3,6 pontos percentuais para os entrevistados com crenças evangélicas e margem de erro de 3,2 pontos percentuais para os evangélicos auto-identificados

Comente

Participe de nosso grupo no WhatsApp e receba nossas novidades.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido