Família muçulmana arrisca a vida para impedir que antigos manuscritos cristãos fossem destruídos pelo ISIS

Dois textos cristãos antigos foram poupados da ira do caminho de destruição do Estado Islâmico no Iraque graças a uma família muçulmana.

203

Dois textos cristãos antigos foram poupados da ira do caminho de destruição do Estado Islâmico no Iraque graças a uma família muçulmana.

A agência oficial de imprensa do Instituto Pontifício para Missões Estrangeiras da Igreja Católica compartilhou a história de como dois antigos manuscritos ortodoxos sírios sobreviveram durante os três anos em que o Estado Islâmico (também conhecido como EI, ISIS, ISIL ou Daesh) controlou a cidade iraquiana de Mosul.

Embora muito tenha sido relatado sobre como o EI destruiu inúmeros artefatos culturais e religiosos que existiam nas Planícies de Nínive por milênios e também queimou centenas de livros cristãos, os textos ortodoxos foram mantidos em segurança por uma família muçulmana que escolheu permanecer anônima, que preservou os documentos apesar da ameaça de serem mortos.

Pai Paulos Thabit Mekko recordou a história em uma entrevista ao AsiaNews.It.

Segundo o relatório, a família que protegia os antigos manuscritos os entregou a um Mekko, que é da comunidade caldéia de Erbil, depois que Mosul foi libertado no ano passado. A família pediu para permanecer em anônimo por medo de que eles poderiam ser atacados por uma célula adormecida da Estado Islâmico.

Mekko é agora o guardião dos manuscritos até que eles possam ser devolvidos aos seus legítimos proprietários. Ele acredita que os manuscritos foram roubados da Igreja Ortodoxa Siríaca da Imaculada, uma das várias igrejas e mosteiros que foi completamente destruída pelo EI.

Recentemente um caldeu de Mosul me contatou dizendo que ele tinha um vizinho muçulmano que ele morou na cidade há 20 anos“, explicou Mekko.

Os manuscritos foram inicialmente descobertos pelo homem muçulmano em 2015 perto do mosteiro caldeu de São Miguel.

Um dia o homem viu um caminhão despejar algum lixo“, explicou Mekko. “Ele estava na área à procura de um pouco de madeira para cozinhar e aquecer a sua casa. Entre os resíduos, ele encontrou alguns manuscritos no antigo roteiro siríaco e pensou que eles poderiam ter algum valor“.

Mekko explicou que o homem muçulmano decidiu levar os documentos para casa, mesmo sabendo que ele poderia ser morto se o EI fosse descobrir que ele havia retirado os documentos do lixo.

O homem muçulmano entregou os documentos quando foi visitar seu ex-vizinho cristão no Curdistão, para onde centenas de milhares de pessoas das planícies de Nínive fugiram quando o EI assumiu o poder.

De acordo com Mekko, o homem muçulmano perguntou ao seu antigo vizinho cristão se ele conhecia um pastor confiável ou um estudioso religioso que poderia descobrir o lugar certo para esses documentos e não tentaria vendê-los.

Este último me confiou os dois volumes. Eles contêm os ofícios das orações da manhã e da noite no ritual siríaco antioqueno ortodoxo“, disse Mekko.

Mekko expressou o desejo de ir ao antigo local da Igreja Ortodoxa Siríaca da Imaculada para ver se existem “quaisquer outros textos antigos nos escombros”.

O muçulmano queria me dar uma mensagem: ‘nem todos os muçulmanos estão com o IS’“, disse Mekko. “Muitos consideram cristãos como irmãos e estão dispostos a colocar suas vidas em risco para salvar um texto cristão. Que grande coragem!

A história que Mekko compartilhou é uma das várias histórias encorajadoras de como os muçulmanos ajudaram e protegeram os cristãos em sua busca pela adoração em países hostis.

Miriam Ibrahim, uma mãe cristã que estava no corredor da morte no Sudão por acusações de apostasia antes de sua libertação em 2014, contou ao The Christian Post sobre como sua companheira de cela muçulmana ajudou-a a guardar sua Bíblia para que os guardas não a encontrassem Posses de Ibrahim.

Essa colega de culto muçulmano mais tarde se tornou cristã, explicou Ibrahim em 2016.

Em 2015, os passageiros de ônibus muçulmanos no Quênia colocaram sua vida em risco para proteger os cristãos e frustraram um ataque ao ônibus pelo grupo extremista islâmico Al-Shabaab.

“Os militantes ameaçaram atirar em nós, mas continuamos recusando e protegendo nossos irmãos e irmãs”, disse o passageiro Abdi Mohamud Abdi à  Reuters. “Nós até demos a alguns não-muçulmanos nossos trajes religiosos para usar no ônibus para que eles não fossem identificados facilmente. Nós nos unimos firmemente“.

Deixe a sua opinião!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here