Igreja da Inglaterra se volta aos pregadores pentecostais para aumentar a membresia

Temendo ter que fechar as portas, Igreja da Inglaterra se volta ao estilo das igrejas pentecostais para reavivar o ministério e aumentar a membresia.

A Igreja da Inglaterra pode estar se voltando para outras tradições de revitalização em meio a números em queda, na esperança de que os estilos de pregação “pentecostal” revigorem e reverta a diminuição do seu numero de membros.

Embora as catedrais e igrejas que a Igreja da Inglaterra possua sejam impressionantes, “hoje em dia isso não é o suficiente para preencher os bancos“, informou a Associated Press na quinta-feira.

Uma proposta que provavelmente seria aprovada na sexta-feira em uma reunião do sínodo permitiria que bispos locais decidissem quem pregaria sermões em igrejas anglicanas sem a aprovação prévia do arcebispo de Canterbury e York, o que acontece atualmente.

A Igreja da Inglaterra acha que pode se tornar mais atraente recorrendo ao estilo”, disse Gavin Ashenden, que é ex-capelão da rainha Elizabeth II.

É o fim do esnobismo com o qual a Igreja da Inglaterra se confinou“, disse ele, expressando preocupação de que a Igreja possa sofrer um “colapso demográfico“.

A idade média de um paroquiano da Igreja da Inglaterra é 68 anos.

No entanto, muitos foram movidos pelo estilo de pregação entusiasta do anglicano Michael Curry, o bispo presidente da Igreja Episcopal na América, que ficou famoso por seu sermão sobre o poder do amor no casamento real do príncipe Harry e Meghan Markle no início deste ano.

Sharon Osbourne, gerente de música e apresentador do “X-factor”, opinou recentemente que “as igrejas estão vazias porque os serviços são chatos“, argumentando que eles precisam “mais da emoção que vimos do bispo [Curry], que era animado e fabuloso. “

Muitos ministros de igrejas independentes que a Igreja reconhece já pregam na Igreja da Inglaterra, ainda as novas regras podem render ainda mais, incluindo algumas de congregações primariamente negras.

VEJA TAMBÉM
Evangélicos e católicos se unem em oração em praça pública para que Deus intervenha na região do desastre ambiental em Minas Gerais

“No nível de base já existem muitos exemplos vibrantes de igrejas trabalhando juntas. Pode ser uma boa coisa para ter isso acontecendo mais intencionalmente“, disse Chris Cartwright, o Superintendente Geral da Igreja Pentecostal Elim.

Tal união pode resultar em um choque desconfortável de estilo e substância, um “choque cultural” ou tipos, observou a AP.

Charles Teddy Adupong, que lidera um distrito londrino da Church of Pentecost do Reino Unido e pastores de uma congregação negra majoritária, também saúda a emenda do sínodo da Igreja da Inglaterra.

“Há muita separação entre as igrejas independentes e a Igreja da Inglaterra. Espero que isso conserte isso”, disse ele.

“Não espero que a Igreja da Inglaterra comece a pular e aplaudir durante os sermões em breve. Mas minha congregação entenderia um sermão da Igreja da Inglaterra.”

É provável que os anglicanos liberais não apreciem a ênfase bíblica mais rigorosa e a abordagem literal das Escrituras dentro do pentecostalismo, nem as visões socialmente conservadoras – oposição ao aborto e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo – que as igrejas pentecostais defendem e promovem.

Alguns números recentes, no entanto, mostram que a frequência à igreja se estabilizou um pouco na última década.

O The Telegraph publicou em maio de 2017 que no British Social Attitudes Survey e no European Social Survey, a proporção de pessoas que dizem não ter religião cresceu para 50,6% em 2009, mas permaneceu estática ou abaixo desde então. A proporção de pessoas sem religião era de 48,6% em 2015.

E a proporção dos que dizem ser fiéis da Igreja da Inglaterra aumentou ligeiramente de 16,3% em 2009 para 17,1% em 2015, embora muito abaixo dos 40% que se identificaram como tal em 1983. A tendência de longo prazo é indiscutivelmente de declínio.

VEJA TAMBÉM
Marcos Pereira retira denúncia contra líder do AfroReggae

A cônsul Sandra Millar, chefe dos Eventos da Igreja na Inglaterra, disse ao Christian Post em uma entrevista em março que “não há dúvida” que houve um declínio no “culto regular no domingo”.

“Eu sei que há situações em que temos algumas comunidades muito pequenas, onde é difícil sustentar uma congregação regular, mas também há muitas igrejas que estão tentando encontrar novas maneiras de incentivar as pessoas a pensarem sobre a igreja de uma maneira nova ” disse Millar

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido