Uma jogadora de futebol, Jaelene Hinkle, que é cristã, se retirou da equipe de futebol americano depois que foi anunciado que a equipe usaria camisas de apoio ao orgulho gay no próximo jogo. Ela citou “razões pessoais” por sua negativa em jogar, segundo o site The Christian Post.

A jogadora cita orgulhosamente a passagem de Colossenses 3:23 em sua conta no Twitter que diz: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens“, onde diz ainda que “Se você vive pela aceitação das pessoas, então você morrerá em sua rejeição”.

Hinkle no ano de 2015, quando o Supremo Tribunal Americano decidiu pela aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, compartilhou ou seu ponto de vista no Instagram, colocando a foto de uma cruz com os dizeres:

“Jesus não veio para salvar aqueles que já acreditavam nEle. Ele veio para que os homens e mulheres perdidos, rejeitadas e abandonadas o encontrassem e acreditassem. Eu acredito com todas as fibras do meu corpo no que foi escrito há 2.000 anos Na Bíblia é, sem dúvida, é a verdade. Não é um livro de ficção. Não é uma escolha e escolha o que você quer acreditar. Você acredita ou não. Esse mundo pode mudar, mas Cristo e Sua Palavra NUNCA “.

“Meu coração é que, como cristãos, não começamos a brigar sobre o que foi trazido para a lei hoje, mas nos tornamos muito mais amorosos. Por meio do nosso amor, os perdidos, rejeitados e abandonados encontram Cristo“.

Hinkle continuou a declarar que o arco-íris, apesar de sua atual afiliação com o movimento do orgulho gay, é um símbolo da promessa de Deus para a humanidade.  “O arco-íris era uma aliança entre Deus e toda a sua criação que o mundo nunca mais seria inundado como foi quando ele destruiu o mundo durante o tempo de Noé.”

“É um lembrete constante de que não importa o quão corrupto este mundo torna-se, Ele nunca nos deixará nem nos abandonará. Obrigado Senhor por sua maravilhosa graça, mesmo nos momentos de provação e confusão “, disse ela.

“O amor venceu há mais de 2.000 anos atrás, quando o maior sacrifício de todos os tempos foi feito para toda a humanidade”.

Sobre a decisão de Hinkle não jogar, o seu treinador Jill Ellis, que é abertamente homossexual disse que ela tem direto as suas crenças pessoais, onde ela também tem o direito de ignorar a chance de jogar por esse motivo. Mais ele lembrou que o Futebol Americano, tanto masculino e feminino neste mês está apoiando o movimento gay e que essa tendência continuará por anos e que ela poderá ter que enfrentar essa mesma decisão novamente.

Se a mensagem fosse a favor da família tradicional como reagiria os LGBT?

Como cristãos, todos sabemos que devemos amar o pecador, mas odiar o pecado. A homossexualidade como estilo de vida é um tema muito difícil de navegar, mas todos sabemos o que a Palavra de Deus diz sobre esse estilo de vida. Enquanto aqueles que defendem ou apoiam tal estilo de vida defendem seus direitos de serem ouvidos, eles pisam nos direitos a serem objetados, lançando palavras como “fanáticos” e “homofóbicos” livremente. Onde está todo o amor que se supõe ser defendido?

Assumindo que a mesa seja virada, onde a equipe de futebol dos EUA deveria usar camiseta que proclama a única definição de casamento é aquilo entre um homem e uma mulher, os defensores pró-LGBT se retirariam da equipe de forma digna ou eles reagiriam de maneira rude e agindo de outra forma?

Portal Padom

COMPARTILHE

Deixe seu comentário!