Katy Perry, comentou sobre a sua educação cristã e disse que esta continuamente abandoando as “camadas condicionadas” impostas a ela pelos seus pais que são pastores.

A estrela pop de 32 anos revelou à Revista Vogue que seus pais, ambos pastores cristãos evangélicos, “cuidadosamente a protegeram” ao longo de sua jovem vida.

“Mas a minha vida era igreja no domingo de manhã, igreja no domingo à noite, igreja na quarta à tarde, não celebrávamos o Halloween ‘Dia das Bruxas’, Jesus dá seus presentes de Natal, assistimos Bill O’Reilly na TV”, disse ela.  “Isso foi durante toda a minha infância e começo da adolescência.”

“Eu ainda tenho camadas condicionadas que estou tirando de minha vida a cada dia.”, confessou Perry.

A cantora “I Kissed a Girl” afirmou que seus pais não lhe permitiam “interagir com pessoas gays” e que havia “algum racismo geracional“.

“As escolas eram realmente improvisadas”, explicou Perry à publicação de moda. “A educação não era a primeira prioridade, minha educação começou aos 20 anos e ainda há muito a aprender”.

Seguindo seu verdadeiro nome “Katy Hudson”, Perry lançou seu primeiro álbum auto-intitulado como um artista cristão contemporâneo.

“Amy Grant foi a nossa Madonna“, disse a cantora Vogue de seus primeiros anos como artista Gospel. “Sabíamos sobre Madonna e Marilyn Manson em minha família porque fizeram shows”.

No entanto, ela descreveu como, depois de distribuir panfletos intitulado “How to Find God” (Como achar Deus) em um concerto de Manson em Santa Barbara, ela acabou assistindo ao show com seu pastor de jovens.

Dois anos depois de lançar o seu álbum cristão, Perry descobriu o rock operístico do grupo dos anos setenta Queen e seu vocalista sexualmente provocante, Freddie Mercury. “Eu nunca tinha ouvido uma explicação tão imaginativa de como viver”, ela lembra. “Essa foi minha primeira perspectiva sobre esse mundo, e eu simplesmente amei. Eu me senti tão livre e aceita.” Aos dezessete anos, alimentado por esta epifania, ela se mudou para Los Angeles para prosseguir a carreira que ela queria.

Assinando com a Capitol Music Group, sua estreia como Katy Perry foi um sucesso imediato e ela continuou a avançar sua carreira.

Como relatado anteriormente, no processo de restabelecendo-se como uma estrela pop, Perry se afastou de suas opiniões religiosas.Eu não acredito em um paraíso ou um inferno ou um velho sentado em um trono, disse Perry em uma edição de Marie Claire. “Eu acredito em um poder maior, maior do que eu, porque isso me mantém responsável.”

A cantora também rejeitou os caminhos conservadores de seus pais, e tornou-se um ativista por direitos LGBT.

Em um discurso no mês passado na Gala da Campanha para os Direitos Humanos da comunidade LGBT, Perry contou suas experiências que vão aos acampamentos cristãos que defendem para “orar por gays afastados“: “A maior parte de minha adolescência inconscientemente, eu orei por gay afastado nos acampamentos de Jesus. No meio de tudo, em uma torção de eventos, eu encontrei meu presente e meu presente me apresentou a pessoas fora da minha bolha. A minha bolha começou a explodir “, acrescentou Perry.

A popstar acrescentou que as pessoas LGBT que ela conheceu em sua ascensão à fama “foram as pessoas mais livres, fortes, gentis e inclusivos que eu já conheci. Eles estimularam minha mente e eles encheram meu coração de alegria”, ela acrescentou ainda que “não se pode escolher a família, mas pode-se escolher a tribo com quem se anda”.

“Essas pessoas são realmente mágicas, e elas são mágicas porque estão vivendo sua verdade”.

A rejeição da popstar a sua fé tornou-se evidente em seu desempenho abertamente satânico de “Dark Horse” no Grammy de 2014, o que levou a cantora cristã Natalie Grant a deixar a cerimônia de premiação cedo.

Os pais de Perry já expressaram pesar sobre a decisão de sua filha de abandonar sua fé e promover uma visão de mundo que vai contra a instrução bíblica.

“Eles me perguntam como posso pregar se eu sou pai de uma garota que canta sobre beijar outra mulher?“, disse o pai de Katy, o pastor Keith Hudson, em um sermão em 2013. Ele contou que assistiu à um dos shows de sua filha e não ficou satisfeito com o viu porque os fãs estavam adorando a cantora ao invés de Deus. “Eu estive em show de Katy onde estiveram 20 mil pessoas. Eu estou observando essa geração e eles estão indo. A apresentação quase parecia uma igreja“, disse ele durante culto em Santa Fé Springs, na Califórnia. “Eu fui e só lamentei. Eles estão amando e adorando a coisa errada”, adicionou.

Mary Hudson, mãe de Katy, publicou artigo na revista Charisma dizendo que “o ataque de Satanás na nossa juventude é implacável, e eles não podem lutar contra isso sozinhos. Os pais têm que andar na autoridade dada por Deus, e as crianças não podem ser deixadas por si só”.

Portal Padom

COMPARTILHE

Deixe seu comentário!