De acordo com o relatório anual sobre a perseguição religiosa no mundo, conduzido pela Open Doors (Portas Abertas), aumentou o número de cristãos mortos por sua fé em 2017, em comparação com 2016.

A lista mundial de perseguições de 2018 revela que 1.207 cristãos morreram em 2016, uma figura positiva em comparação com as estatísticas de 2015, nas quais foram identificadas 7,106 mortes. No entanto, 2017 aumentou novamente com 3.066 mortes.

Além disso, ele relata que 793 igrejas ou propriedades da igreja foram atacadas em 2017. Vale lembrar o ataque à Igreja Batista em Sutherland Springs, Texas, no qual um homem entrou no culto e matou cerca de 26 pessoas a tiros. Além disso, a igreja de Mar Mina no Cairo, no Egito, sofreu um assalto. Homens armados abriram fogo diante do templo, matando oito cristãos coptas.

De acordo com uma declaração no relatório, a pesquisa avalia muitas outras formas de perseguição entendidas como “opressão” em diferentes níveis e ambientes sociais.

É por isso que a Coréia do Norte e o Afeganistão ocupam as duas primeiras posições da lista, uma vez que “ambos os países atingiram hoje o maior nível de opressão contra os cristãos em todas as áreas abrangidas pelo estudo (privado, familiar, social, eclesial e nacional) “, diz o texto.

Mas, as diferenças na pontuação da seção de violência é o que finalmente determinou que a Coréia do Norte ocupa, pelo 17º ano consecutivo, a primeira posição.

“É ilegal ser cristão na Coréia do Norte e os cristãos são frequentemente enviados para campos de trabalho forçado ou mortos se forem descobertos”, diz Open Doors em seu site.

“Essa classificação é uma pequena surpresa para o regime totalitário que controla todos os aspectos da vida no país e força o culto da família Kim”, disse o presidente da Open Doors, David Curry.

Dos 10 principais países onde os cristãos sofrem mais por sua fé, nove são na sua maioria nações muçulmanas. Em seguida, os envolvidos nesta seção: Coréia do Norte, Afeganistão, Somália, Sudão, Paquistão, Eritreia, Líbia, Iraque, Iêmen e Irã.

Pela primeira vez, o Afeganistão ficou em segundo lugar atrás do regime comunista.

“O Afeganistão e a Coréia do Norte estão quase empatados”, disse Curry em um comunicado emitido pela Open Doors. “Nunca antes os dois países mais importantes estiveram tão próximos nos incidentes, ambos os países são extremistas em intolerância e perseguição direta aos cristãos em todas as áreas”.

Curry diz que o extremismo islâmico continua a ser o “principal motor da perseguição, responsável por iniciar a opressão e o conflito em 35 dos 50 países da lista”, inclusive no Afeganistão.

“Esta é uma tragédia considerando que os esforços feitos pela comunidade internacional para ajudar a reconstruir o Afeganistão não garantem a liberdade de religião”, disse Curry. “Os relatos de violência e atrocidades dos direitos humanos da Coréia do Norte são generalizados, enquanto a situação enfrentada pelos cristãos no Afeganistão pode ser subestimada”.

“É difícil para os ocidentais imaginarem que um segundo país poderia atingir os níveis de perseguição observados na Coréia do Norte, mas o Afeganistão atingiu esse nível este ano”, acrescentou.

Países latinos onde a maioria persegue os cristãos

Algo que chama a atenção na lista deste ano, é que dois países latinos aumentaram em relação ao ano anterior. O México subiu duas posições, classificando na posição número 39 e Colômbia uma posição, colocando em 49.

No caso do México, os cristãos que sofrem mais perseguições são evangélicos indígenas, que são pressionados por católicos extremistas a participar de atividades religiosas e muitos são expulsos de suas casas por recusar.

“O número de igrejas e outros edifícios cristãos atacados na Colômbia aumentou significativamente. Os ataques mais violentos foram perpetrados pelos guerrilheiros que ainda operam no país, tentando submeter as igrejas à sua autoridade pela força, especialmente nas áreas de Arauca, Guaviare, Meta e Caquetá. A maioria dos ataques relatados, no entanto, foram causados ??por líderes indígenas que fecharam ou confiscaram as igrejas em suas comunidades, uma das maneiras usadas para evitar a propagação da fé cristã dentro de seu grupo étnico“, diz o relatório.

Algo digno de nota na lista deste ano é que Cuba ocupa o 56º lugar em um relatório separado chamado Países sob a lupa. Aqui estão localizados 8 países que atingiram 41 ou mais pontos, mas que estão abaixo dos primeiros 50 países onde a maioria perseguem os cristãos por sua fé.

Durante o período de investigação da Lista Mundial de Perseguição de 2018, Cuba viu um aumento nas prisões sem julgamento de cristãos, prisões, sentenças e prisões. Embora não seja possível determinar se o número real de incidentes aumentou, os protestos públicos contra detenções ocorreram com mais frequência. O regime de Raul Castro prendeu oficialmente 119 cristãos e processou outros 5. A maioria deles são cristãos que denunciaram publicamente (a nível comunitário, nacional ou internacional) injustiças do governo e que são vistos como uma ameaça para o governo. regime devido às suas convicções religiosas que poderiam se espalhar entre a população e provocar a subversão de outros cidadãos. Os casos mais significativos no período de investigação para o LMP 2018 ocorreram com I) o “

Mulheres, as mais atacadas

Por mais de 60 anos, a Portas Abertas dos Estados Unidos, um dos maiores grupos de perseguições do mundo, documentou os “países mais opressivos e restritivos para os cristãos”, na esperança de mobilizar governos, grupos de direitos humanos e outras ONGs para perceber a situação daqueles que sofrem pela fé.

Infelizmente, os níveis de perseguição contra os cristãos estão apenas aumentando em todo o mundo.

“Mais de 215 milhões de cristãos em todo o mundo enfrentam altos níveis de perseguição por sua fé”, disse Curry. “Quase um em cada 12 cristãos no mundo hoje vive em uma área, ou uma cultura, na qual o cristianismo é ilegal, proibido ou punido”.

As mulheres cristãs são especialmente vulneráveis ??devido ao seu gênero e fé.

“Todos os dias, seis mulheres são estupradas, assediadas sexualmente ou obrigadas a se casar com um muçulmano sob ameaça de morte por causa de sua fé cristã”, diz uma declaração da Open Door.

“Open Doors monitora a intensidade que os cristãos de todo o mundo enfrentam, e a World Watch List (ou a lista mundial de observância) quantifica o que vemos”, disse Curry. “Este ano, à medida que os incidentes de violência relacionados à perseguição aumentaram, especialmente aqueles relacionados às mulheres, é imperativo que continuemos a defender e pedir aos líderes que priorizem questões de liberdade religiosa”.

Mais detalhes

Estes são alguns dos destaques da lista deste ano:

. Um em cada 12 cristãos no mundo vive em uma área ou cultura em que o cristianismo é ilegal, proibido ou punido.

. Os países onde a perseguição aumentou mais são Egito, Índia, Líbia, Cazaquistão, Tajiquistão e Turquia.

. Nepal e Azerbaijão são os recém-chegados à lista.

. Comores e Tanzânia deixaram a lista.

. O Paquistão teve a maior violência registrada contra cristãos.

A Portas Abertas diz que a lista é uma maneira de destacar o problema e educar o público sobre o sofrimento dos cristãos.

“Como cristãos, somos chamados a defender nossos irmãos e irmãs perseguidos em Cristo”, diz Portas Abertas em seu site. “A Bíblia nos chama a ser uma voz para aqueles que não têm voz”.

Deixe seu comentário!