Internacional

Marido cristão em julgamento por evangelizar sua esposa

Esposa de cristão denuncia ele para autoridades, dizendo que ele e seu amigo estavam querendo que ela deixasse sua fé muçulmana para se tornar cristã.

Rachid-Ouali (esquerda) e amigo Ali Larchi (Morning-Star-News)

Dois cristãos na Argélia estão enfrentando julgamento após a esposa muçulmana de um deles, lhes acusar de sugerir que ela deixasse o Islã, disse seu marido.

Rachid Ouali e seu amigo de 67 anos, Ali Larchi, compareceram a um juiz em Bouira, cerca de 100 quilômetros a sudeste de Argel, no dia 9 de outubro, depois que a esposa de Ouali registrou uma queixa em julho acusando-os de ir à missa e de incentivá-la a deixar o Islã, disse Ouali ao Morning Star News.

Ele e Larchi negam as acusações.

Tudo aconteceu quando Ouali e sua esposa foram almoçar na casa de Ali em Bechloul, no final de junho. Ali e sua esposa e cinco filhos são bem conhecidos na área como cristãos que recebem hóspedes de todos os tipos, disse Ouali. A província de Bouira fica na região de Kabylie, que tem uma população considerável de cristãos convertidos do islamismo.

Enquanto as duas esposas conversavam e as duas famílias desfrutavam da refeição, Ouali e Larchi começaram a contar histórias de fidelidade de Cristo em suas vidas, disse Ouali. Menções do nome de Jesus e exclamações de “aleluia” eram freqüentes, ele disse.

Ao ouvir essa conversa, a esposa de Ouali de repente ficou de pé e gritou de raiva: “Você me trouxe aqui para me converter e negar minha religião. Você colocou uma armadilha para mim”, disse Ouali.

Ela continuou levantando a voz para se fazer ouvir do lado de fora“, disse ele.

Ela saiu de casa e foi até a casa de seus pais, onde contou a parentes, incluindo dois irmãos, sobre a refeição. Os dois irmãos, ambos policiais, exigiram que ela fosse à Gendarmaria Nacional para registrar uma queixa contra seu marido e seu amigo, disse Ouali.

VEJA TAMBÉM
No Twitter, ministro indonésio diz ter tentado evitar tocar Michelle Obama

Ela apresentou uma queixa em 2 de julho acusando o marido e Larchi de tê-la levado a um culto na igreja e tentando persuadi-la a deixar o Islã e se tornar cristã. A Lei 03/2006 da Argélia, comumente conhecida como Lei 03/06, prevê uma pena de prisão de dois a cinco anos e multa de 500.000 a 1 milhão de dinares (US $ 4.343 a US $ 8.687) para qualquer pessoa que “incite, restrinja ou utilize meios de sedução tendendo a converter um muçulmano a outra religião, ou usando para esse fim as instituições de educação, saúde, instituições sociais, culturais ou educacionais, ou outro estabelecimento, ou vantagem financeira; ou faz, armazena ou distribui documentos impressos ou filmes ou outro meio audiovisual ou meios destinados a minar a fé de um muçulmano. ”

Ouali disse que sua esposa mais tarde confessou a ele: “Eu não queria fazer isso; foram meus irmãos que me obrigaram a fazer isso.”

Na véspera da audiência de terça-feira, ele acrescentou, que ela ligou para ele e disse: “Estou presa entre minha família e meu marido, não sei o que fazer“.

O advogado dos dois cristãos, Sadek Najib, disse à Morning Star News que está esperançoso após a audiência de 9 de outubro, quando o julgamento foi adiado para 6 de novembro, a pedido dos queixosos.

“Se essa mulher negar ter sido forçada a ser cristã e renunciar ao Islã, o caso será encerrado”, disse Najib. “A acusação será cancelada, uma vez que a acusação é infundada”.

Líderes cristãos dizem que a lei de 03/06 é inconstitucional, citando o artigo 42 da constituição argelina, que garante a liberdade de crença, opinião e culto.

O Islã é a religião do estado na Argélia, onde 99% da população de 40 milhões são muçulmanos. Desde 2000, milhares de muçulmanos argelinos depositaram sua fé em Cristo. Autoridades argelinas estimam o número de cristãos em 50 mil, mas outros dizem que pode ser o dobro desse número.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido