Médico cristão é demitido pelo governo por se recusar a identificar pacientes por seu sexo preferido porque acredita que o sexo é estabelecido no nascimento por Deus

Governo demite médico cristão, por se recusar identificar pacientes por seu gênero preferido, porque acredita que sexo é estabelecido no nascimento

256

Um médico foi demitido de um alto cargo do governo por sugerir que o sexo é determinado no nascimento.

O Dr. David Mackereth, 55, que trabalhou como médico do NHS por 26 anos, foi considerado ‘inapto para o trabalho’ depois que ele disse que se recusaria a identificar pacientes por seu gênero preferido.

O médico sênior foi definido para se tornar um avaliador de deficiência para o Departamento de Trabalho e Pensões, ele afirma que o gênero de uma pessoa é biológico e disse que seu direito à liberdade de expressão foi negado.

O médico, de Dudley, em West Midlands, teme que outras “pessoas profissionais de fé” possam perder seus empregos simplesmente por manter opiniões sobre gêneros que são “seculares”.

Cristão, o dr. Mackereth, diz que é sua crença religiosa. O médico que passou a maior parte de sua carreira em enfermarias de Acidentes e Emergências disse: ‘Não estou atacando o movimento de transgêneros, mas estou defendendo meu direito à liberdade de expressão e liberdade de crença”.

“Eu não acho que deveria ser obrigado a usar um pronome específico. Eu não estou planejando incomodar ninguém. Mas se perturbar alguém pode levar os médicos a serem demitidos, então, como sociedade, temos de examinar para onde estamos indo”. O dr. Mackereth, é  um Batista Reformado, começou a treinar em maio para se tornar um avaliador de saúde e incapacidade para o departamento do governo.

Seu papel teria envolvido a compilação de relatórios independentes sobre a saúde daqueles que ele entrevistou que estavam reivindicando benefícios por incapacidade. Mas as coisas começaram a azedar quando seu instrutor disse que os relatórios devem se referir apenas ao paciente ou cliente pelo gênero em que a pessoa se identifica.

VEJA TAMBÉM  Nasce grupo extremista cristão contra o Estado Islâmico

‘Eu disse que eu tinha um problema com isso. Acredito que o gênero é definido pela biologia e pela genética e que, como cristão, a Bíblia nos ensina que Deus fez os seres humanos do sexo masculino ou feminino. Eu poderia ter mantido minha boca fechada, mas era o momento certo para falar sobre isso”– disse o Dr. Mackereth.

Seu instrutor passou para os superiores os seus comentários e o Dr. Mackereth recebeu um e-mail da APM, a agência que o empregava, afirmando que o DWP estava convencido de que qualquer relatório ou contato com os clientes deveria se referir às pessoas em seu sexo escolhido ou poderia ser considerado assédio como definido pela Lei de Igualdade de 2010.

O médico respondeu que “em boa consciência” ele não poderia se adequar a essas exigências e, portanto, o contrato foi encerrado. Ele disse: ‘Em primeiro lugar, não podemos dizer em que acreditamos. Em segundo lugar, como mostra meu caso, não podemos pensar no que acreditamos. Finalmente, não podemos defender o que acreditamosI.

Um porta-voz da DWP disse que a Lei da Igualdade tornou ilegal a discriminação com base em uma “característica protegida“, como a reatribuição de gênero.

Ele acrescentou: “Dr. Mackereth deixou claro durante seu treinamento que ele se recusaria a usar pronomes que não correspondessem à sua própria visão do gênero biológico de uma pessoa. Esperamos que todos os avaliadores lidem com as avaliações com sensibilidade e sigam o Equality Act 2010.” APM se recusou a comentar.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.