Na última quarta-feira, 07 de julho, o padre Jesús Olmedo, da cidade de Humahuaca, na província argentina de Jujuy, ‘crucificou’ cinco fiéis em uma praça da cidade durante a Marcha pela Paz e Justiça, segundo informou meios de comunicação local.

Entre crucificados se encontrava um adolescente e um menor de nove anos de idade, que não suportou a dureza da crucificação simbólica e foi retirado da cruz antes do previsto.

De acordo com o site ‘Página 12’, o menino passou umas três horas atado na cruz, segundo a publicação as pessoas puderam notar o sofrimento do menor, que logo começou a chorar. Então o religioso parou a cerimônia para tirar o menino da cruz. Logo o padre explicou que o menino chorava porque estava fazendo um pouco de frio. Mas também os outros homens que participavam na cruz também choraram.

Então o padre explicou que “o menino queria ser crucificado e sua mãe autorizou” e também acrescentou que “foi um belo ato, que encantou a todos”. No entanto, a ação provocou muita polêmica entre a comunidade.

Posteriormente o Ministério da Educação de Jujuy repudiou a crucificação simbólica, embora o padre Jesús Olmedo disse que a ação havia ocorrido com o consentimento e autorização da entidade.

Portal Padom

COMPARTILHE