Metade dos pastores temem ofender alguém enquanto pregam

Pesquisa mostra que metade dos pastores temem pregar temas polêmicos e não serem aceitos por isso

Novas pesquisas revelaram que metade dos pastores estão preocupados demais com a possibilidade de ofender alguém por falar em questões sociais e morais, mas será que esse problema poderia ter uma solução simples?

De acordo com a pesquisa do  Grupo Barna , as mesmas questões pelas quais os pastores se sentem mais pressionados a pregar são também aquelas que eles se sentem mais desconfortáveis ??em abordar.

Não é de surpreender que as questões no topo da hierarquia sejam o homossexualismo e o aborto.

A pressão por líderes, e especialmente líderes religiosos, para satisfazer a todos em todos os lados e evitar ofensas é muito real hoje, especialmente na era digital“, disse Roxanne Stone, editora-chefe da Barna. “A natureza pública das mídias sociais só aumenta os riscos”.

A maioria dos pastores entrevistados – 64% – disse que se sente limitado pelos seus próprios membros da igreja em sua capacidade de falar sobre temas sociais e morais. Por outro lado, 69% sentem-se pressionados a lidar com esses mesmos problemas no púlpito.

Michael Howard, pastor sênior da Seaford Baptist Church na Virgínia, explicou em uma entrevista à Faithwire que os pastores – como todo mundo – lutam com o desejo de aceitação.

Eu acho que muitos caras provavelmente pensaram: ‘Eu não quero prejudicar meu índice de aprovação’“, disse ele. “É a mesma razão pela qual os presidentes não fazem tudo o que disseram que fariam.”

Existe uma correção? 

Uma das melhores maneiras de garantir que ministros não contornem tópicos difíceis, como ética sexual e a dignidade da vida humana, é que os pastores preguem expositivamente em vez de topicamente, segundo Howard, porque a pregação guiada pela Bíblia “obriga os pregadores a lidar com coisas duras.

A partir dessa perspectiva, ele disse, é mais fácil permanecer fiel às Escrituras e pregar todo o Evangelho, mesmo que ofenda os sentimentos dos congregantes.

VEJA TAMBÉM
Festival Promessas Minas será exibido nesse sábado pela Rede Globo

Deus nos projetou para desejar perímetros, quer saibamos ou não”, disse Howard. “Eu acho que se você ficar de pé no púlpito e for honesto e transparente e disser: ‘Isso é até onde a Bíblia diz que podemos acreditar e agir’, as pessoas estão realmente famintas por isso e atraídas por isso.”

Essa verdade, no entanto, nem sempre apaga o desejo de ser aceito.

Metade dos líderes do ministério cristão disseram que “freqüentemente” (11%) ou “ocasionalmente” (39%) se sentem limitados em sua capacidade de se manifestar sobre tópicos quentes. A outra metade disse que “apenas raramente” (30%) ou “nunca” (20%) se sentem limitados.

A maioria dos pastores disse que “raramente” (43%) ou “nunca” (17%) sentem-se pressionados a abordar as principais questões sociais e morais do púlpito. Um terço dos ministros, ou 34%, disseram que “ocasionalmente” se sentem pressionados e apenas 6% disseram que “freqüentemente” se sentem da mesma maneira.

Howard, que estudou em uma faculdade muito progressista para sua graduação antes de frequentar o seminário em uma universidade muito conservadora, disse que o fato de ter sido exposto a “ambos os lados da conversa” o equipou melhor para o ministério.

Em 2016, o pastor e tele-evangelista Joel Osteen disse que  ele não fala com frequência sobre o pecado e o inferno porque as pessoas “já se sentem culpadas”. Mas essa abordagem – mesmo que extinga o medo de abordar assuntos mais importantes – marca.

Howard disse que o trabalho de um ministro “é pregar o conselho completo da Palavra, em época e fora de época. Este é o trabalho que um pastor tem.

Quando chego ao púlpito“, ele disse, “sempre tento pensar em meus amigos incrédulos, e se eles estavam sentados na primeira fila e no centro, como eu falaria sobre [questões sociais diferentes]”.

Se os pastores abordarem tópicos difíceis com humildade, Howard acredita que a maioria das pessoas os respeitará, porque eles estão sendo “honestos”.

VEJA TAMBÉM
O Grand Mufti saudita pede a destruição das igrejas cristãs


Comente

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido