Missionário é condenado a 23 anos de prisão por abusar 15 menores

Missionário cativava as crianças e seus país em aldeias no Haiti, sob o pretexto de evangelizar, quando na verdade cometia os crimes contra crianças menores de idade.

Um missionário cristão da Virgínia, que por anos evangelizou e se voluntariou no Haiti, foi condenado a 23 anos de prisão após uma investigação do Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA em que confessou ter abusado sexualmente de 15 menores.

Entre esses menores estava um menino de 5 anos, filho de um pastor da igreja local, revelam documentos de caso altamente explícitos.

James Daniel Arbaugh, 40, do Stuarts Draft, Virgínia, recebeu a sentença de 276 meses na segunda-feira, segundo o site ICE, tendo se declarado culpado em fevereiro por ter viajado para um país estrangeiro por conduta sexual ilícita com uma pessoa menor de 18 anos.

Esse tipo de atividade hedionda e maléfica não tem lugar aqui, no exterior ou em qualquer lugar do mundo“, disse o agente especial encarregado Lechleitner. “Aqueles que procuram cometer tais crimes abomináveis e evitar a detecção não podem se esconder de nossos investigadores altamente qualificados e dedicados”.

O procurador-geral adjunto Benczkowski acrescentou: “James Arbaugh era um lobo em pele de cordeiro: ele se apresentava como um missionário altruísta quando na realidade estava explorando sua posição para atacar e abusar sexualmente de crianças vulneráveis em uma das áreas mais pobres do mundo”.

“A sentença de hoje é um testemunho do compromisso inabalável de nossos promotores e parceiros da lei em responsabilizar os predadores sexuais como Arbaugh por seus crimes deploráveis”, continuou Benczkowski.

Os arquivos do caso explicam como Arbaugh viveu no Haiti por quase 15 anos, indo e voltando dos Estados Unidos. Ele serviu como missionário menonita, indo a aldeias e cidades remotas, fazendo amizade com crianças e suas famílias enquanto ao mesmo tempo as preparava para atividades sexuais.

VEJA TAMBÉM
Pastor metodista defende contínua promoção de valores em prol da criança

Nas aldeias ele iria evangelizar e mostrar “filmes temáticos cristãos” antes de agredir sexualmente as crianças menores do sexo masculino.

O missionário também admitiu ter agredido sexualmente o menino de 5 anos em 2016. Arbaugh conhecia o pastor, pai do menino, e que era amigo dele desde 2013 –14.

O Haiti, como uma das nações mais pobres do mundo, sofreu tragédias nacionais devastadoras, de grandes terremotos a inundações na última década, o que deixou as pessoas na maior parte do país altamente vulneráveis, especialmente quando em contato com trabalhadores humanitários estrangeiros.

No início deste ano, trabalhadores com vários grupos humanitários e ministérios cristãos foram acusados de uma ampla gama de abusos sexuais, muitas vezes no contexto de oferecer ajuda em troca de favores sexuais de moradores locais.

Boz Tchividjian, fundador e diretor executivo do GRACE (Resposta Divina ao Abuso no Ambiente Cristão), disse ao The Christian Post em uma entrevista em maio que a natureza humana é uma “natureza pecaminosa”.

“Não importa em que ministério você está“, disse Tchividjian, que também é neto do falecido evangelista Billy Graham, e dedicou sua carreira a expor e confrontar abusos sexuais.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido