O ator Manfried Sant’Anna, conhecido popularmente como Dedé Santana, participou recentemente do programa “Nova Talk”, apresentado pelo pastor Mauricio Fragale.

O comediante, de uma maneira bem-humorada, compartilhou momentos impactantes de sua vida, sobre sua conversão e de como ele influenciou outras pessoas a se entregarem a Jesus Cristo, inclusive o seu companheiro de serviço Antônio Carlos, o famoso Mussum.

“Eu não fui como Paulo, um perseguidor [da Igreja], mas era um ‘debochador”, confessou o ator de 81 anos de idade. “Eu debochava de crente… as coisas foram acontecendo devagar comigo”.

Ele disse ainda que sua conversão não ocorreu em um piscar de olhos, mas que foram precisos muitos sinais, fatos realmente sobrenaturais para que ele firmasse sua fé em Cristo.

Ao analisar sua vida nos dias de hoje, Dedé conta que agora percebe os momentos em que Jesus usou pessoas para falar com ele.

 “A primeira coisa que aconteceu comigo e foi impressionante, foi que eu estava fazendo show com os trapalhões lá em Cabo Frio. A gente ia de ônibus, todo mundo… nós ficamos lá uma semana e no penúltimo dia eu falei: ‘Vou de carro, porque eu quero voltar antes’. Se eu ficasse até o fim, teria que esperar todo mundo se decidir e eu tinha pressa de voltar”, explicou.

“Quando eu cheguei em Niterói, parei no semáforo ou sinal (cada um dá um nome) e bateram no meu vidro, eu tomei um susto. Era uma senhora com um cabelo comprido, segurando [o que parecia ser] uma agenda na mão. Ela batia no vidro e queria falar comigo. A gente fica meio preocupado, mas eu abri e ela falou: ‘este é presente para você”, acrescentou.

Dedé Santana, conta que acreditava ser uma agenda, na verdade era uma Bíblia. Um presente precioso, que uma mulher desconhecida havia preparado para ele.

“Eu peguei aquela agenda e quando eu voltei do show, pensei: ‘engraçado, eu nunca tinha visto uma agenda com zíper. E quando eu abri o zíper para ver a agenda, não era uma agenda, era uma Bíblia e a coisa que me impressionou muito: a dedicatória foi toda feita para mim, com o meu nome. Eu achei aquilo uma coisa muito impressionante, mas ainda não levei aquilo muito a sério”, contou.

Posteriormente, Dedé foi acompanhar a inauguração da Praça dos Trapalhões, em Angola. Cerca de 60 mil pessoas esperavam o grupo de humoristas brasileiros no aeroporto. Mas um fato específico chamou sua atenção.

“Tinha uma única pessoa de terno, com uma gravata vermelha e uma Bíblia na mão. O pessoal se empurrava, ele caía e continuava falando: ‘irmão Dedé, Deus falou comigo, você precisa acreditar em mim, Jesus quer salvar você’. Eu entrei no ônibus e falei: ‘Mussum, aqui também tem aqueles malucos que falam: ‘Jesus te ama”, relatou.

Dedé conta que se entregou a Jesus oito anos depois daquela viagem a Angola e quando ele foi para a igreja pela primeira vez, Deus tinha preparado um encontro especial para aquele dia.

“Oito anos depois, eu me converti e fui pra Assembleia de Deus Madureira. Eu fui de terno, imagina no Rio, 40 graus. […] Eu entrei na igreja e fiquei lá atrás… sabe como é artista, vai acompanhando… O pessoal levantava, eu também levantava, o pessoal levantava a mão e eu levantava a mão”, disse.

“No final do culto, o pastor da igreja, Manoel Ferreira disse: ‘Temos um novo convertido, queria pedir que ele viesse aqui’. Eu nunca tremi tanto na minha vida”, contou. “Eu cheguei ali na beiradinha e o pastor disse: ‘pode subir, Dedé’ e eu nervoso, mas acabei subindo. Sabe como é a Assembleia de Deus… ficam uns 80 pastores lá atrás [risos]. No meio daqueles 80, tinha um único com a gravata vermelha, que gritou: ‘irmão Dedé, não falei que Jesus ia salvar você? Oito anos depois, era o mesmo cara que estava em Angola”.

A salvação de seu amigo Mussum

Falando sobre seu reencontro com Renato Aragão (Didi), após sua conversão, Dedé Santana falou sobre os outros integrantes dos Trapalhões, que já haviam falecido, como Mussum e Zacaria e afirmou que o bem-humorado sambista da Mangueira se entregou a Jesus antes de morrer.

“Graças a Deus o Mussum morreu salvo. Ele aceitou a Jesus já no leito [de morte]. Eu levei uma Bíblia para ele. Pouca gente sabe disso. Ele reconheceu: ‘Jesus é maravilhoso, Dedé’ e um dia depois ele faleceu”, contou.

Assista o vídeo:

Um pouco mais sobre Mussum

O Trapalhão Mussum

Mussum foi considerado, por muitos, o mais engraçado dos Trapalhões. No programa, popularizou o seu modo particular de falar, acrescentando as terminações “is” ou “évis” as palavras arbitrárias (como forévis, cacíldis, coraçãozis) e pelo seu inseparável “mé” (que era sua gíria para cachaça). A personagem que vivia no programa Os Trapalhões tinha, como característica principal, o consumo constante de bebidas alcoólicas, em especial a cachaça.

Mussum se celebrizou por expressões onde satirizava sua condição de negro, tais como “negão é o teu passádis” e “quero morrer prêtis se eu estiver mentindo”, além de recorrentes piadas sobre bebidas alcoólicas. Também criou outras frases hilariantes, que se popularizaram rapidamente, como “eu vou me pirulitazis (pirulitar)”, quando fugia de uma situação perigosa, ou “traz mais uma ampola”, pedindo cerveja, ou “casa, comida, três milhão por mês, fora o bafo!”, passando uma cantada em uma mulher bonita, ou ainda “faz uma pindureta”, pedindo fiado.

Sua personagem constantemente brincava com os outros membros do grupo, inclusive inventando apelidos divertidos (Didi Mocó era chamado de “cardeal” ou “jabá”, e Zacarias era chamado de “mineirinho de Sete Lagoas”). Também era alvo de gozações por parte dos demais membros do grupo, recebendo apelidos como “cromado”, “azulão”, “grande pássaro”, “Fumaça” ou “Cabo Fumaça”, dentre outros, sempre ficando evidente, entretanto, que as brincadeiras e gozações eram feitas num ambiente de amizade entre os quatro, uma vez que, na maioria dos quadros do programa de tevê, os Trapalhões eram sempre quatro amigos que dividiam uma casa ou apartamento, sendo normal, portanto, que eles constantemente dirigissem gozações e criassem apelidos entre si.

Morte de Mussum

Mussum morreu em 29 de julho de 1994, aos 53 anos, vítima de complicações ocorridas após um transplante de coração. O humorista foi sepultado no Cemitério Congonhas, em São Paulo. A escola de samba Mangueira decretou luto e relembrou que o humorista tocava samba com as crianças da Mangueira do Amanhã em dias de folga.

O Legado de Mussum

Nos anos 1970 e 1980, Mussum era um dos poucos artistas negros na tv. O humorista nunca foi esquecido pelo grande público que conquistou, permanecendo, até hoje, muito vivo e presente na memória de seus admiradores, principalmente na cidade do Rio de Janeiro, tendo sido lembrado em uma série de camisetas lançadas na cidade com a imagem estilizada de Mussum e a inscrição “Mussum Forevis”.

Após o Rio de Janeiro ter sido escolhido sede dos Jogos Olímpicos de 2016, vários internautas satirizaram o pôster de campanha do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com a foto do humorista e, sob ela, a frase “Yes, we créu”. Uma sátira a “Yes, we can” (sim, nós podemos), frase de campanha do presidente estadunidense. Também foram produzidas camisetas com a palavra “Obamis”.

Uma rua de Campo Limpo, na cidade de São Paulo, ganhou o nome “Comediante Mussum” em sua homenagem. O Largo do Anil, em Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro, teve o seu nome mudado pelo prefeito Eduardo Paes para “Largo do Mussum”. Uma famosa frase do humorista, “Só no Forévis”, inspirou a banda brasileira de hardcore punk Raimundos, que utilizou a frase como título de seu álbum homônimo de 1999, bem como título da canção que abre o disco, uma vinheta na qual a música “Selim” era tocada em ritmo de samba.

Deixe seu comentário!