“Não perderemos nossa fé”, dizem os cristãos chineses cuja igreja foi fechada pelo governo

Cristãos na China estão enfrentando muita perseguição do governo chines, mas garantem que isso não os faram perder a sua fé

Cristãos na China podem ser desencorajados em face de uma repressão do governo à sua fé, mas eles não estão recuando.

“Nós não perderemos nossa fé por causa da supressão das autoridades“, disse Gu Baoluo, um cristão cuja igreja foi fechada no início de dezembro, ao The New York Times.

A congregação de Gu, Early Child Covenant Church, foi fechada por autoridades chinesas como parte de um esforço para limitar o impacto das igrejas não registradas no país, que abrigam cerca de 30 milhões de cristãos.

A polícia chinesa pegou Bíblias, fechou a escola e o seminário da igreja e acusou o pastor, Wang Yi, de “incitar a subversão”, informou o jornal. Ele poderia passar cinco anos na prisão.

Gu é um produtor de arroz que aguardava com expectativa as festividades de Natal da igreja, que incluíam um concurso e o canto de canções natalinas. Este ano, em vez disso, ele foi para a casa de um amigo cristão na véspera de Natal e adorou em silêncio. Eles cantaram canções e oraram por seus irmãos que estão presos, relatou o The Times. Gu também trocou mensagens com amigos em um aplicativo que permite a comunicação criptografada.

Um objetivo da repressão é aumentar a fidelidade ao Partido Comunista. O presidente Xi Jinping e outros comunistas acreditam que o cristianismo “promove valores e ideais ocidentais como os direitos humanos” que “conflitam com os objetivos do governo autoritário da China” e Xi “abraça a cultura tradicional chinesa e os ensinamentos confucionistas que enfatizam a obediência e a ordem“. .

Gu está tirando força das Escrituras. Um de seus versículos favoritos é Provérbios 4:18 : “O caminho dos justos é como o sol da manhã, brilhando cada vez mais até a plena luz do dia”.

VEJA TAMBÉM
Cristão morre após ter tratamento médico negado

Os membros da Early Rain foram convidados a assinar cartas declarando que renunciaram ao cristianismo. Em vez disso, eles escolheram adorar em privado.

Nós nos mudamos para a clandestinidade”, disse Li Shuangde, um membro da igreja.

Comente

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido