“Nós só tivemos nosso bebê por dois minutos, mas mantê-la foi a decisão certa”, diz mãe que recusou abortar

Uma mãe cujo bebê morreu dois minutos depois de ela nascer, diz que escolher não abortar foi a decisão certa.

Uma mãe cujo bebê morreu dois minutos depois de ela nascer, diz que escolher não abortar foi a decisão certa.

Erin O’Hara e Jamie McCormick receberam atenção significativa da mídia em outubro passado, quando revelaram que levariam o bebê Freya a termo, apesar dos médicos aconselharem um aborto.

Embora a vida de Freya fosse curta, a jovem mãe da Irlanda do Norte disse que “manteria sua memória para sempre“.

Aborto oferecido

Quando o exame de 20 semanas revelou que o bebê Freya tinha anencefalia – uma condição em que há um desenvolvimento muito limitado do cérebro e às vezes do crânio – os médicos aconselharam Erin a viajar para a Inglaterra para um aborto.

Erin e Jamie rejeitaram o conselho, dizendo: “vamos adorar este bebê pequenino, não importa o quê”.

Freya Anne O’Hara-McCormick viveu dois minutos fora do útero depois de ter nascido oito semanas prematura no dia 7 de dezembro de 2018.

Memórias preciosas

Erin O’Hara segura seu bebê Freya em seus braços

Mãe, Erin disse que ela era “apenas 1 quilo de pura alegria“, acrescentando: “Em seus últimos momentos, com um olho aberto, ela olhou para o meu, segurando o dedo do seu pai, e ouvindo o som que ela conhecia melhor, meu batimento cardiaco.

“Vou manter essa lembrança dela comigo para sempre.”

Estudos mostram que a grande maioria das mulheres não se arrepende de ter um bebê com uma condição de limitação de vida a termo. Erin confirmou isso, levando para o Facebook para dizer que completar a gravidez foi a melhor decisão que ela já tomou.

Socorro

O casal foi apoiado pela Every Life Counts, uma instituição de caridade sediada em Dublin que ajuda pais de crianças que foram diagnosticadas com condições terminais.

VEJA TAMBÉM
Evangélicos pedem aos cristãos para darem boas-vindas ao papa

Erin disse: “Quando recebemos nosso diagnóstico, nos disseram em pelo menos quatro ocasiões que poderíamos ter um aborto – mas havia muito menos informação sobre o atendimento perinatal que estava disponível para nós”.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido