O Anticristo está agora no cenário mundial?

De acordo com Apocalipse 13, poderíamos muito bem estar nos últimos dias, com o Anticristo ganhando força no cenário mundial.

De acordo com Apocalipse 13, poderíamos muito bem estar nos últimos dias, com o Anticristo ganhando força no cenário mundial.

“O dragão estava na costa do mar. E eu vi uma fera saindo do mar. Tinha dez chifres e sete cabeças, com dez coroas em seus chifres e em cada cabeça um nome blasfemo. A fera que eu vi se assemelhava a um leopardo, mas tinha pés como os de um urso e uma boca como a de um leão. O dragão deu à besta seu poder e seu trono e grande autoridade. Uma das cabeças da fera parecia ter tido uma ferida fatal, mas a ferida fatal havia sido curada. O mundo inteiro ficou cheio de admiração e seguiu a fera.”

Apocalipse 13: 1-3 (NVI)

“O dragão estava na praia”, refere-se a Satanás convocando as forças profundas do mal que precipitam o Armagedom. A “besta” é um coletivo de sete cabeças ou poderes.

Porque ela usa 10 coroas, três dos poderes têm mais de uma coroa.
Como a Rússia, a União Européia e a China (por exemplo) têm um único governante supremo, essas três cabeças teriam apenas uma coroa. Todos os países islâmicos têm dois autoritários governantes, um líder político e um líder espiritual (imã). Assim, uma Liga Árabe, por exemplo, poderia ter duas coroas.

Um coletivo de poderes persas (Irã, Iraque, Síria) compreenderia outro caso de uma cabeça e múltiplas coroas. O califado, o antigo Império Otomano, liderado pela Turquia, também poderia ser representado como uma cabeça com múltiplas coroas.

A Arábia Saudita nunca foi um poder sob o reinado otomano (califado) ou persa. Ficou sozinho. Assim, a Arábia Saudita (juntamente com alguns de seus acólitos subjugados) poderia ser classificada como uma cabeça com uma coroa.

VEJA TAMBÉM
URGENTE: Estado Islâmico executa 200 crianças cristã!

O país é dirigido pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que está agindo agressivamente para diminuir a interferência do clero na política saudita, consolidando efetivamente sua posição como o monarca mais poderoso e irrestrito do Oriente Médio.

Hoje, a Arábia Saudita é a mais poderosa das nações e impérios muçulmanos, possuindo influência mundial através de seu controle do comércio de petróleo e dos preços em uma base global. Seguindo as sanções do presidente Trump, que limitam a exportação de petróleo do Irã, as exportações sauditas subiram para recordes históricos, consolidando seu papel como chefe incontestável das nações da Opep.

Essa história pode nos levar a uma conclusão interessante encontrada em Apocalipse:

Note cuidadosamente que uma das cabeças da besta tem uma ferida fatal.

Não diz que a ferida foi física. É ambíguo, mas, dada a propensão da Bíblia para a exatidão, é estranho que não apresente modificadores acompanhantes junto com as palavras “ferida fatal”. Pode-se supor que uma das cabeças perdeu seu poder sobre os eventos da vida, em vez da suposição de que ela perde sua vida através de uma ferida física.

Essas suposições são consistentes com minha crença de que uma cabeça, em conluio com outras seis cabeças, recebendo ordens diretamente de Satanás, surge como uma autoridade soberana, coordenando diretamente eventuais ataques militares contra a terra de Israel e sua pequena coleção de aliados.

Agora vamos considerar a ascensão de Salman ao poder e manchetes recentes em torno de seu reinado. Seu envolvimento atual com a execução sancionada do jornalista saudita Jamal Khashoggi certamente seria uma ferida que “mata” a crescente influência global de Salman como uma ponte entre os mundos gêmeos da hegemonia política e religiosa do Oriente e do Ocidente.

VEJA TAMBÉM
As mulheres devem trabalhar menos horas do que os homens para evitar o esgotamento, sugere estudo

Na minha opinião, Salman parece agora estar saindo como líder titular do mundo árabe / persa / muçulmano. Mas a memória pública é notoriamente inconstante, e suas contínuas posturas moderadas sobre os direitos das mulheres e as tentativas de modernizar um continente preso nos hábitos sociais, políticos e comerciais do século 16 podem em breve lhe dar um novo impulso.

Devido à disposição de Salman de reconhecer o antigo direito judaico a uma Jerusalém compartilhada e certificar muitas das terras circunvizinhas, estendendo-se do Líbano ao Mar Vermelho, ele poderia novamente emergir como um último negociador de paz, banhando o circuito contagiante e sem fim do planeta. Guerra israelense / palestina.

Esse papel de mediador (ou interlocutor) pode parecer a toda a humanidade o prenúncio supremo de uma resolução para o dilema humano mais duradouro e intratável do mundo: a posse de territórios israelenses / judias. Com todas essas evidências, poderia Salman emergir como o principal dirigente da besta, talvez até mesmo o
Anticristo encarnado?

Sabemos da profecia bíblica que entre as primeiras ações públicas da besta que emergem dessas marés de derivação demoníaca, estará um reconhecimento aparentemente generoso do direito de Israel à existência pelo mundo árabe / muçulmano. Esta ação desarmará até os justos, todos aqueles que não entenderem os objetivos finais de Satanás.

E outros líderes mundiais estão tomando nota.

Em uma recente cerimônia em Paris, em reconhecimento ao centésimo aniversário do armistício da Primeira Guerra Mundial, a revista The Economist relata que o presidente francês Emmanuel Macron profetizou diante de um presidente Trump e Vladimir Putin que “velhos demônios estão subindo novamente, prontos para completar sua tarefa do caos “.

Pode-se apenas imaginar a ironia do nome do homem, “Emmanuel”. E ele … alguém compreende a grande verdade da qual ele fala?

VEJA TAMBÉM
Homem que previu o Apocalipse no sábado passado explica por que o mundo ainda existe

por: Ronald D. Mallet
Traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido