O conselho financeiro de Deus: a Bíblia deixa claro que todas as coisas pertencem a Deus

Desde o início, Deus deu à humanidade o grande dom de dominar todas as coisas vivas, mas também a responsabilidade de ser bons mordomos de Sua criação. Portanto, devemos ao nosso Criador usar nosso dinheiro com sabedoria.

Gênesis 1 a 3 nos diz que Deus criou todas as coisas, incluindo homens e mulheres, para Sua própria glória, e que os seres humanos têm a honra de estar no topo de sua ordem criativa. Isso significa que os seres humanos, embora inerentemente pecaminosos, são infinitamente valiosos e devem ser tratados com dignidade, respeito e compaixão.

Desde o início, Deus deu à humanidade o grande dom de dominar todas as coisas vivas, mas também a responsabilidade de ser bons mordomos de Sua criação. Portanto, devemos ao nosso Criador usar nosso dinheiro com sabedoria. Não devemos fazer nada para impedir o Seu Reino e, em vez disso, avançá-lo. Não devemos investir em empreendimentos que promovem ou traficam pecados e, portanto, são destrutivos para as pessoas.

Uma boa mordomia começa com o reconhecimento de quem realmente dá as cartas.

Acredito que o equívoco mais perigoso é a idéia de que nosso dinheiro e nossas posses pertencem a nós, não a Deus”, diz Randy Alcorn, autor e fundador dos Ministérios de Perspectiva Eterna . “Muitos de nossos problemas começam quando esquecemos que Deus é o chefe do universo. Mas, na verdade, Ele é mais que o chefe; Ele é o dono.

Quando entendo que sou um mordomo, não um dono, isso muda totalmente minha perspectiva“, acrescentou Alcorn. “De repente, eu não estou perguntando: ‘Quanto do meu dinheiro devo, da bondade do meu coração, dar a Deus?’ Pelo contrário, estou perguntando: “Como todo o ‘meu’ dinheiro é realmente seu, Senhor, como você gostaria que eu investisse seu dinheiro hoje?”

O dinheiro em si é um instrumento dinâmico. Em um sermão sobre os usos adequados do dinheiro, John Wesley disse isso :

I. Devemos ganhar tudo o que podemos ganhar, mas isso é certo que não devemos fazer; não devemos ganhar dinheiro às custas da vida, nem à custa da nossa saúde. 
II. Não jogue o talento precioso no mar. 
III Tendo, primeiro, ganhado tudo o que puder, e, em segundo lugar, salvo tudo o que puder, então ‘dê tudo o que puder’.

Jesus advertiu contra a loucura de se contentar em receber dinheiro ou qualquer recompensa de Deus sem colocá-lo em bom uso. Na Parábola dos Talentos (uma forma de dinheiro no tempo de Jesus), ele elogia dois servos que investem o dinheiro de seu senhor e obtêm dividendos, mas repreende severamente um terceiro servo que simplesmente escondeu o dinheiro que lhe foi dado e, portanto, não houve aumento.

O terceiro servo tenta desesperadamente explicar:

E eu estava com medo, e fui esconder seu talento no chão. Olha, aí você tem o que é seu.” Porém o seu senhor respondeu, e disse-lhe: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo onde não semeei e recolho onde não espalhei a semente. Assim, devias depositar o meu dinheiro com os banqueiros e a minha vinda eu teria recebido de volta a minha com juros, portanto, pegue o talento dele e dê-o àquele que tem dez talentos, pois a todos que tem, mais será dado, e ele terá abundância, mas daquele que não tem, até o que ele tem será tirado. ‘”- Mateus 25: 25-29

Claro, essa parábola é mais do que dinheiro. Reflete a preocupação pela boa administração em todas as áreas da vida. Mas Jesus escolheu basear-se em dinheiro por um motivo.

O dinheiro, como outras coisas materiais, é bom porque Deus fez isso. O dinheiro nos permite cuidar de nós mesmos, de nossas famílias e de nossos vizinhos que têm necessidades legítimas. Jesus disse que é mais abençoado dar do que receber. 

Mas nós temos que ter recursos para dar, o que nos traz de volta a admoestação de John Wesley para “ganhar tudo o que puder, salvar tudo o que puder e dar tudo o que puder.”

por: Robert Knight
traduzido:
Pb. Thiago Dearo

Comente

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido