Papa diz que os cristãos precisam “derrubar barreiras” que os dividem

"A vida tornou-se tão complicada...pecisamos remar contra a maré e desistir de todas as coisas que enchem nossas vidas, mas esvaziam nossos corações.", diz Papa Francisco.

O papa Francisco pediu aos cristãos na ultima quinta-feira que “derrubem barreiras da desconfiança e medo” que os dividiram desde a Reforma Protestante do século 16 e que trabalhem juntos para ajudar os mais necessitados.

Francisco fez uma viagem a Genebra para celebrar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), uma irmandade de 350 igrejas, que representam comunidades protestantes e alguns cristãos ortodoxos.

Seus membros representam cerca de 500 milhões de fiéis, em comparação com 1,3 bilhão para a Igreja Católica Romana, que não é membro pleno do CMI.

“Depois de séculos de conflito … a caridade permite que nos unamos como irmãos e irmãs”, disse ele na sede do CMI em Genebra, cidade onde o reformador João Calvino viveu no século XVI.

Francisco exortou os cristãos de todas as denominações a encontrar “a coragem de mudar o curso da história, uma história que nos levou à desconfiança mútua e ao estranhamento“.

Mas ele disse que os cristãos “não podem ser reduzidos a uma organização não governamental”.

A estrutura do CMI é semelhante à das Nações Unidas, com representantes de muitas igrejas nacionais independentes e alguns de seus críticos disseram que se tornou excessivamente burocrática.

Francisco pediu mais trabalho em equipe entre as denominações cristãs para difundir os valores do Evangelho e cooperar mais em questões como combater a pobreza e a injustiça e defender o meio ambiente.

«A credibilidade do Evangelho é posta à prova pelo modo como os cristãos respondem ao clamor de todos os que, em todas as partes do mundo, sofrem injustamente da propagação sinistra de uma exclusão que, ao gerar pobreza, fomenta conflitos», disse Francisco.

Os mais vulneráveis são cada vez mais marginalizados, não tem o seu pão diário, emprego e um futuro, enquanto os ricos são menos e cada vez mais ricos. Sejamos desafiados à compaixão pelo clamor daqueles que sofrem”, disse ele.

Em seu discurso na sede do CMI, o papa disse que os cristãos que estão bem financeiramente devem mostrar uma frente unida para com os necessitados e não se sentir uma classe privilegiada.

“Ainda mais preocupante é a convicção por parte de alguns (cristãos) que consideram suas próprias bênçãos sinais claros da predileção de Deus, em vez de uma convocação para o serviço responsável da família humana e a proteção da criação”, disse ele.

O papa disse mais tarde em uma missa para cerca de 40 mil membros da comunidade católica de Genebra que se reuniram em uma sala de exposições e pediu aos seus ouvintes para ir contra a maré e desistir de “todas as coisas que enchem nossas vidas, mas esvaziam nossos corações“.

A vida tornou-se tão complicada. Hoje em dia muitas pessoas parecem ‘bombadas’, correndo do amanhecer ao anoitecer, entre incontáveis ligações telefônicas e textos, sem tempo para ver o rosto de outras pessoas, cheias de estresse de problemas complicados e em constante mudança. Precisamos escolher um estilo de vida sóbrio, livre de aborrecimentos desnecessários”, disse ele na homilia da missa.

Portal Padom

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido

Deixe sua opinião abaixo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.