O corpo de um pastor pentecostal de 46 anos que teve a cabeça cortada foi encontrado ao lado de seu veículo, incendiado na terça-feira (1). Ele morava no estado de Jharkhand, ao leste da Índia, onde grupos comunistas radicais ameaçam líderes religiosos e igrejas.

pastor assassinado decapitado sequestrado
O pastor Abraham Topno era muito influente

Cerca de vinte homens armados e com os seus rostos cobertos completamente rodearão o carro do pastor Abraham Topno da Igreja Pentecostal de Deus, quando ele voltava para sua casa, após o culto.

De acordo com o site Christian Morning Star, foi encontrado um bilhete na cena do crime que uniria a autoria do crime a um grupo político maoísta-marxista seguindo a ideia de Mao Zedong, o sangrento ditador da China, que governou entre 1949 e 1976.

Escrito em hindi, a nota dizia “Morte ao espião, vida longa ao PLGA” [Guerrilha do Exército Popular de Libertação] Assinado Maoístas “.

Se as autoridades confirmarem este seria o segundo assassinato de pastores nas mãos dos “Naxalitas”, como são chamados os guerrilheiros ligados ao Partido Comunista da Índia. Em 29 de julho de 2016, eles mataram o pastor Yohan Marayya, deixando um bilhete em seu corpo onde justificou o assassinato, por considerar que o pastor “explorava os pobres”.

O pastor era um evangelista vibrante

Pastor Nuas Mundu, um amigo de Abraham Topno e um membro da mesma denominação, conta que há mais de duas décadas o líder assassinado estava fazendo um trabalho evangelístico na região e era bem conhecido.

VEJA TAMBÉM
Pastor é criticado por superior por ter colocado mensagens contra homossexualismo na frente da igreja

“Sabemos que ele era um evangelista vibrante, um missionário pioneiro. Os maoístas matam qualquer um por dinheiro e, se alguém pagar, farão o trabalho por eles. Talvez tenha sido uma morte confiada pelos nacionalistas hindus “, revela. Os cristãos da região fizeram protestos públicos e pediram medidas das autoridades, mas até agora ninguém foi preso.

A perseguição religiosa, especialmente contra os cristãos, que inclui ataques violentos, destruição de propriedades e falsas acusações, aumentou desde que o partido nacionalista Partido Bharatiya Janata (BJP) venceu as eleições gerais de 2014.

Eles não admitem que os indianos pratiquem qualquer outra religião além do hinduísmo. A crescente onda de perseguição aos cristãos nos últimos tempos colocou a Índia em 11º lugar no ranking do ministério Portas Abertas deste ano.

Segundo a Comissão de Liberdade Religiosa da Comunhão Evangélica da Índia, o ano de 2017 foi “um dos mais traumáticos para a comunidade cristã” da última década. Pelo menos 351 casos de violência contra cristãos foram registrados em 2017, mas o número real poderia ser muito maior, já que a lista não é “conclusiva”.

Portal Padom

Comente

Participe de nosso grupo no WhatsApp e receba nossas novidades.

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *