Psicóloga cheia do espírito explica o lado espiritual do suicídio

Como psicóloga, vi o suicídio destruir muitas vidas - inclusive a minha. Meu pai havia tirado a própria vida. Suicídio toca tantas das nossas vidas. Está nas notícias, na nossa comunidade e, muitas vezes, na nossa história familiar.

Como psicóloga, vi o suicídio destruir muitas vidas – inclusive a minha. Recebi a ligação tarde da noite, logo depois de chegar em casa de uma viagem. Ela veio do Havaí, onde meu pai morava, mas o homem que ligava não era meu pai. A voz do meu meio-irmão tremeu tanto que suas palavras foram quase indiscerníveis, perdidas entre repetições ofegantes de “sinto muito“. Finalmente, ele disse: “Ele atirou em si mesmo”.

Meu pai havia tirado a vida dele. Instantaneamente, eu caí no chão. Eu queria fugir desse momento e daqueles que se seguiram, mas não havia saída, apenas um caminho.

Suicídio toca tantas das nossas vidas. Está nas notícias, na nossa comunidade e, muitas vezes, na nossa história familiar.

Quem está em risco?

Se o suicídio ainda não afetou sua vida, sinceramente estou com o coração partido para lhe dizer que provavelmente algum dia. De acordo com dados de 2016 do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, o suicídio é a 10ª causa de morte nos EUA em todas as idades. É ainda maior entre os jovens; é a segunda causa principal entre as idades de 10 a 34 anos e a terceira entre as idades de 35 a 54 anos.

E esses números estão apenas subindo. As taxas de suicídio aumentaram 30% desde 1999. De fato, em 2016, 9,8 milhões de adultos americanos relataram pensar seriamente sobre suicídio, 2,8 milhões relataram fazer um plano e 1,3 milhão relataram tentativa de suicídio. Infelizmente, como esses números são auto-reportados, sabemos que os números verdadeiros são realmente maiores.

Uma pessoa comete suicídio a cada 12 minutos nos EUA. Infelizmente, a maioria das pessoas que se envolve em comportamento suicida nunca procura serviços de saúde mental, e apenas 54% dos americanos que morreram de suicídio tinham um diagnóstico de saúde mental.

VEJA TAMBÉM
7 Coisas Que Um Pastor Não Precisa e Nem Quer Saber

A maioria dos que cometem ou tentam o suicídio o vê como uma maneira de escapar da dor – geralmente a dor de uma depressão sombria. Normalmente, qualquer sensação de esperança foi devorada por um vórtice de estados e pensamentos depressivos. A depressão pode cegar as pessoas para que não encontrem outras opções para aliviar a tristeza implacável.

Infelizmente, a depressão é mais comum do que poderíamos pensar. A pesquisa nos diz que um em cada seis adultos sofrerá depressão durante a vida. O Instituto Nacional de Saúde Mental relata que a depressão afeta 16 milhões de americanos todos os anos, e a Organização Mundial de Saúde diz que a depressão afeta 300 milhões de pessoas em todo o mundo. A depressão pode ser causada por fisiologia, trauma não resolvido, luto complicado, necessidades não resolvidas e não satisfeitas da infância e fatores circunstanciais misturados com padrões cognitivos falhos. A depressão também pode ser exacerbada espiritualmente por portas abertas ao inimigo.

Mas se as forças espirituais podem piorar a depressão, as pessoas espirituais podem ajudar a aliviá-la. O povo de Deus sempre foi seu veículo preferido para trazer cura para a dor do mundo. Em relação à depressão e ao suicídio, Ele quer nos equipar para fazer parte da solução.

Como Deus pode usar os crentes como parte da solução torna-se bastante claro quando consideramos o risco de suicídio e prevenimos fatores. Os fatores de risco para o suicídio incluem sentimentos de desesperança, isolamento da comunidade, estigma em relação às condições de saúde mental e tratamento, histórico familiar de suicídio, maus-tratos infantis, barreiras ao tratamento adequado e abuso de substâncias.

Por outro lado, fatores preventivos – fatores mostrados para prevenir o suicídio – incluem terapia contínua e eficaz, apoio e conectividade da família e da comunidade, habilidades de enfrentamento, intervenções de construção de comunicação e crenças culturais e religiosas que sustentam a esperança e a confiança.

VEJA TAMBÉM
Suicídio - Pastor revela o Motivo de pastores tirarem a vida e Alerta a Igreja

A igreja pode ajudar os deprimidos e oferecer muito do que eles precisam. Mas primeiro devemos tomar uma decisão importante. Alguns operam com estreiteza e medo, distanciando-se do problema estigmatizando e julgando os que sofrem de depressão. Mas devemos escolher sair de nossas zonas de conforto e fazer o trabalho de libertar os cativos (ver Lucas 4: 16-21).

Como ajudar um depressivo e diminuir as taxas de suicídio

A depressão é generalizada, tanto dentro como fora da igreja. Para combater efetivamente a depressão, precisamos perceber sua complexidade, suas causas e seu tratamento.

Depressão é muitas vezes o resultado de uma fusão de circunstâncias, genética e fatores psicossociais e, portanto, requer tratamento qualificado. Precisamos ser cautelosos ao recomendar que as pessoas “sejam mais positivas” e “levem seus pensamentos cativos“. Sim, ser mais positivo e filtrar nossos pensamentos através da Palavra de Deus é importante, mas muitas vezes isso não é suficiente para ajudar aqueles que sofrem com depressão.

Felizmente, existem coisas práticas que podemos fazer para realmente ajudar aqueles que lidam com pensamentos suicidas ou depressivos.

Pergunte sobre segurança. Depressão tem sinais. Procure por eles. Esses sinais podem incluir tristeza excessiva; perda de motivação; irritabilidade ou inquietação; mudanças nos padrões de sono ou apetite; aumento de queixas somáticas; dificuldade com concentração; fadiga aumentada; ampliou sentimentos culpados, sem esperança ou inúteis; e mencionar suicídio ou autoagressão. Se houver sinais de depressão, pergunte: “Você está pensando em se machucar?” Se você não receber um enfático não, continue com perguntas diretas para determinar:

  • Se eles estão pensando em suicídio.
  • Há quanto tempo eles estão pensando em suicídio.
  • Se eles têm um plano para se matar.
  • Se eles têm acesso a agentes letais.
VEJA TAMBÉM
Feridas físicas e morais da sola dos pés ao alto da cabeça

Se essas perguntas indicarem que o suicídio é iminente, ligue para o 188 imediatamente. Se o indivíduo estiver tendo pensamentos suicidas, garanta o acesso ao tratamento por um médico especializado em saúde mental imediatamente. Além disso, incentive o indivíduo a informar outras pessoas confiáveis ??sobre o problema. O objetivo aqui é fornecer uma rede de apoio e conscientização em torno dessa pessoa.

Em seguida, forneça o número de telefone do Centro de Valorização da Vida (188) à pessoa que sofreu o dano e garanta que o indivíduo tenha supervisão adequada durante os momentos de risco. Por fim, continue a perguntar e fazer o check-in.

Dirija o sofrimento para a psicoterapia. Às vezes, como cristãos, podemos sentir medo da terapia de saúde mental, pensando “Deus deve ser o suficiente“, ou que a terapia abrirá o destinatário da terapia para receber “conselho ímpio“. Eu entendo esses medos, mas considere isso em vez disso.

Como proprietário de uma clinica de psicologia de tamanho médio, interajo com muitos provedores. Eu posso concordar que a maioria dos terapeutas trabalha no campo psicológico, não no espiritual. Com um cliente que sofre de depressão e suicídio, reduzir e eliminar a ideação suicida seria sempre o objetivo imediato e primordial, pois a segurança é suprema. O terapeuta também trabalha habilmente com o cliente para aliviar os sintomas depressivos e facilitar o progresso em direção a quaisquer outros objetivos do cliente de saúde mental ou comportamental.

Além disso, a maioria dos terapeutas honra e utiliza o sistema de crenças religiosas do cliente no curso da terapia. Conselheiros cristãos são predominantes e podem fornecer a garantia de uma visão de mundo similar (Provérbios 9:10). Para escolher um bom terapeuta, procure profundidade e diversidade de habilidades, status como psicólogo ou conselheiro licenciado pelo conselho, visão de mundo cristã ou cristã, resenhas positivas do cliente, e quão efetivo o terapeuta é em criar um relacionamento que se sinta seguro e aceito.

VEJA TAMBÉM
Ex-travesti, Joide Miranda será destaque no fantástico no próximo domingo

Recomendar uma consulta de medicação. Existem muitos medicamentos antidepressivos disponíveis que podem ser uma mudança de vida para aqueles que sofrem de depressão e pensamentos suicidas. Medicação emparelhada com terapia mostrou tremenda eficácia no tratamento da depressão. Recomendar uma consulta de medicação com um psiquiatra.

Mostre generosa compaixão. As pessoas que lutam contra a depressão estão sofrendo e precisam sentir que não estão sozinhas em sua dor. A escuta atenta, combinada com compaixão e compreensão, livre de julgamento, ajuda a preencher a lacuna do isolamento. Basta estar lá e dizer coisas do tipo “parece que suportar esse peso parece insuportável. Parece muito doloroso“, pode ser um longo caminho.

Compartilhe esperança. Como filhos de Deus, temos o privilégio de saber que somos amados profunda e individualmente e cada um deles é colocado na Terra por uma razão única. Deus quer que compartilhemos seu profundo amor incondicional com aqueles que estão sofrendo. Ele também quer que nós vejamos além da circunstância atual o dom, chamando e esperamos na vida diante de nós e falemos o que vemos.

Facilitar a comunidade e o pertencimento. Todos nós precisamos de conexão e pertencimento. Aqueles que se sentem isolados precisam de uma comunidade amorosa, receptiva e segura. Em termos práticos, isso significa alcançar e fazer check-in com frequência.

Ore a escuridão para longe. Não há escuridão na luz. Depressão é escura; Deus é a luz. Ore por Sua luz para brilhar sobre aqueles que estão sofrendo. Ore para que seus olhos sejam iluminados para a esperança de Seu incrível chamado.

Quando pegamos na mão um do outro e envolvemos o sofrimento com o amor e a proteção de Deus, podemos impulsionar os outros para uma cura generosa. Nós podemos arrancar muitos das garras da escuridão e da integridade e da vida.

VEJA TAMBÉM
A Depressão na Adolescência

por: Dra. Barbara Lowe é uma psicóloga licenciada e coach de vida. Ela é proprietária da Greenleaf Psychological & Support Services em Durham, Carolina do Norte.
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido