Quando um pastor não fala sobre o aborto no púlpito

“A missão pró-vida não é a missão da Igreja. A Igreja é responsável pela Grande Comissão”, é o que dizem alguns pastores, mas afinal, o que acontece quando não se fala de aborto no púlpito?

A missão pró-vida não é a missão da Igreja. A Igreja é responsável pela Grande Comissão”.

Esta é a resposta que recebo de muitos pastores quando lhes pergunto por que eles não abordam a questão do aborto em suas congregações. Embora possa soar como uma resposta espiritual que mostre grande preocupação pelo discipulado, na realidade, a resposta revela um profundo mal-entendido da responsabilidade da Igreja.

Na passagem da Grande Comissão, Jesus diz:

Toda autoridade no céu e na terra me foi dada. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E certamente estou sempre convosco até o fim dos tempos. ”- Mateus 28: 18-20

Podemos ver que a Grande Comissão é um duplo comando, mas a Igreja moderna tipicamente define a Grande Comissão unicamente de acordo com o primeiro comando: fazer discípulos. A segunda ordem é ensinar esses discípulos a obedecer a tudo o que Jesus ordenou.

Felizmente, Jesus disse:

“Um dos mestres da lei aproximou-se e os ouviu discutindo. Notando que Jesus lhes dera uma boa resposta, perguntou-lhe: “De todos os mandamentos, qual é o mais importante? “
Respondeu Jesus: “O mais importante é este: ‘Ouve, ó Israel, o Senhor, o nosso Deus, o Senhor é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças’.
O segundo é este: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Não existe mandamento maior do que estes”
. – Marcos 12:28-31

O brilhantismo de Jesus em simplificar toda a Lei até dois mandamentos deu origem ao ditado popular: “Ame a Deus. Ame os outros.

Todos os pastores cristãos acreditam que a Igreja é chamada a amar a Deus e a amar seus vizinhos. Na verdade, eu apostaria que os mesmos pastores que negam que o ministério pró-vida é a missão da Igreja jamais diriam a mesma coisa sobre órfãos, viúvas, os pobres e mulheres e crianças escravizadas no tráfico sexual. Então, por que os pastores têm um duplo padrão quando se trata de aborto?

VEJA TAMBÉM
7 textos bíblicos para ler quando você se sentir triste

Em referência aos maiores mandamentos, o advogado novamente questionou Jesus: “E quem é o meu próximo?” (Lucas 10:29). Acredito que esta é a questão mais importante que o movimento pró-vida precisa perguntar aos pastores: O feto é nosso vizinho?

Se o não-nascido não é nosso próximo, então os pastores são justificados em separar a missão pró-vida da missão da Igreja. Se, no entanto, o não-nascido é nosso próximo, então a Igreja tem a responsabilidade de amar o nascituro. A Igreja tem a responsabilidade de trabalhar para a abolição total do aborto porque o aborto intencionalmente termina a vida de seres humanos inocentes feitos à imagem de Deus.

Como sabemos que os não-nascidos são nossos vizinhos?

Tanto a ciência como a Escritura nos ensinam que os não-nascidos são nossos vizinhos.

A ciência da embriologia prova que, desde o momento da concepção, o feto é um ser humano distinto, vivo e completo. Nós não viemos de embriões. Nós já fomos embriões. Então a ciência responde que tipo de seres somos: seres humanos.

Então a Bíblia nos revela que os seres humanos são criados à imagem de Deus (Gênesis 1:27). Deus é o criador da vida humana e o derramamento de sangue inocente é estritamente proibido nas Escrituras (Êxodo 23: 7-9, Provérbios 6: 16-19).

A ciência nos ensina que os embriões são seres humanos e as Escrituras nos ensinam que todos os seres humanos são valiosos. Assim, podemos ver que o feto é nosso vizinho, assim como a mãe dele ou dela.

Se a Igreja é para ser quem Jesus nos chamou para sermos, devemos incluir o cuidado de crianças não nascidas e suas mães em nossa compreensão da Grande Comissão. Isso inclui trabalhar para a abolição total do aborto. Não fazê-lo é redefinir a Grande Comissão em uma definição que nos torne mais confortáveis.

VEJA TAMBÉM
Vinde ao Pai

Terminarei como qualquer bom sermão, respondendo à pergunta prática de “Como?”

Como amamos nosso vizinho não-nascido?

Em vez de fornecer uma lista exaustiva do que as igrejas e os indivíduos podem fazer para amar seus vizinhos ainda não nascidos, deixarei que Jesus responda a essa pergunta.

Em resposta à pergunta do advogado: “E quem é meu próximo?“, Jesus responde com uma das mais comoventes histórias de compaixão. Ele conta a parábola do bom samaritano. Tão familiarizado com essa parábola quanto possível, encorajo-a a lê-la novamente.

Na parábola, um homem judeu viajando por uma estrada popular de Jerusalém a Jericó é subitamente atacado por um bando de ladrões. Depois de ser despojado e espancado, o homem é deixado para morrer. Felizmente, um homem religioso viajando na mesma rua encontra o homem derrotado. Mas para o horror do homem ferido, o religioso passa por ele do outro lado da estrada. O religioso pode ter sentido compaixão pela vítima de sangramento, mas ele não faz nada para ajudar e continua seu caminho.

Pensando, sem esperança, que a sorte havia acabado, o homem espancado ficou aliviado quando outro homem religioso dobrou a esquina e o viu. Mas então o levita também passou por ele do outro lado da estrada e continuou sua jornada. A compaixão pode ter estado no coração do levita, mas suas ações eram tudo menos compassivas.

Permitindo-se ser consumido com desespero, a vítima sangrando aprontou seu espírito para enfrentar a morte. Mas, de repente, ele recebeu uma última chance. Um samaritano virou a esquina, viu a vítima sangrando e correu. Ele derramou seu próprio óleo e vinho no homem espancado e enfaixou suas feridas. Temendo pela vida da vítima, o samaritano colocou o homem em seu próprio jumento e o apressou para a hospedaria local. Na manhã seguinte, incapaz de evitar responsabilidades anteriores, o samaritano foi forçado a sair. Antes de sair, ele tirou dinheiro da própria bolsa, deu ao estalajadeiro para cuidar do homem e prometeu voltar em breve e pagar quaisquer outros custos que poderiam ter se acumulado ao cuidar do homem enquanto ele estava fora.

VEJA TAMBÉM
Características do Dom do Ensino

Você pode quase sentir o silêncio da multidão quando Jesus termina essa parábola e pergunta ao advogado:

Qual destes três você acha que era vizinho do homem que caiu nas mãos de ladrões?”

O especialista na lei respondeu: “Aquele que teve misericórdia dele”.

Jesus lhe disse: “Vá e faça o mesmo”. – Lucas 10: 36-37

A Igreja pode sacrificar seu tempo, energia e dinheiro

Só nos Estados Unidos, há mais de 1 milhão de portadores de imagens mortos por aborto legal a cada ano. Mais de 55 milhões de crianças não nascidas foram mortas a pedido de suas mães e das mãos de “médicos” desde a legalização de Roe v. Wade em 1973. Essas mortes superam em muito qualquer outro genocídio na história da humanidade.

A responsabilidade da Igreja é amar seus vizinhos e realizar a Grande Comissão. O não-nascido é nosso vizinho e não podemos ignorar o horror que o aborto representa e ainda reivindicar o cuidado com a Grande Comissão. A completa definição e compreensão da Grande Comissão nos proíbe de afirmar que o ministério pró-vida não faz parte da missão da Igreja.

Convido-os a olhar para Jesus – o Grande Bom Samaritano – e estudar o exemplo da parábola do bom samaritano como modelo para o nosso comportamento. O bom samaritano amava seu vizinho fazendo sacrifícios radicais de seu tempo, energia e dinheiro.

Espero e oro para que a Igreja adote e viva a verdadeira definição da Grande Comissão, sacrificando seu tempo, energia e dinheiro para amar os nossos vizinhos que ainda não nasceram, que estão sendo abatidos por meio do aborto.

Ouça as palavras que Jesus falou ao advogado e que a Igreja possa reivindicá-las e vivê-las:

“Vá e faça igual!”

por: Seth Gruber
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido