‘Se Deus existe, não deveria haver inferno, guerra ou pobreza’, diz Duterte presidente das Filipinas

Polêmico, Duterte, presidente das Filipinas volta atacar a fé em Deus, dizendo que se Ele existisse não haveria guerra ou pobreza no mundo.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, foi criticado por seus comentários sobre Deus no passado, mas isso não o impediu de soar novamente, desta vez declarando que, se existe um Deus, não deveria haver inferno, guerra ou pobreza.

De acordo com o Boletim de Manila, a figura controversa disse em um discurso na cidade de Cebu, na terça-feira, que enquanto ele acredita em Deus, ele tem seu próprio conceito de Deus.

O Deus em quem ele acredita, ele diz, “controla o universo“. Ele disse ainda: ‘Seremos sugados para vários desses buracos negros. E, no entanto, estamos aqui na Terra há 4,5 bilhões de anos. “Tem que haver um deus.”

Mas ele admitiu para sua audiência: “Eu não sei como ele trabalha”.

Em seu discurso, ele questionou por que Deus criaria o inferno e como Deus poderia existir quando há pobreza e guerra no mundo.

Se você é Deus, você não cria o inferno. Se você é Deus, você não cria guerras. Se existe um Deus, então não há pobreza. Se existe Deus, então ninguém morre de fome. Se existe “Deus, não se recusa aos serviços funerários aos domingos”, disse ele.

Duterte, um ex-católico que alega ter  abandonado a fé depois de ter sido abusado sexualmente por um padre quando era mais jovem, já cortejou controvérsia por seus comentários sobre Deus.

Quando a Igreja Católica criticou a brutalidade de sua guerra contra as drogas, o presidente das Filipinas respondeu chamando Deus de “estúpido”.

Os comentários parecem ter um efeito secundário sobre seus índices de aprovação, que caíram em julho para o menor nível desde sua eleição em 2016.

VEJA TAMBÉM
Mulher mais velha do mundo faz 115 anos

Aries Arugay, professor de ciência política na Universidade das Filipinas em Diliman, disse ao Washington Post : “É uma coisa que Duterte ataca a igreja; é outra coisa que ele ataca o próprio Deus”.

O poder da igreja e a influência política poderiam estar em declínio; no entanto, isso não significa que os filipinos não sejam mais religiosos e espirituais.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido