Sentinela: missionário conseguiu dizer ‘Jesus te ama’ para tribo isolada, antes de morrer

Embora tenha morrido ao tentar evangelizar tribo isolada, Sentineleses, missionário cristão lhes disse que Jesus os amava.

A polícia indiana está alertando que há dificuldades significativas em recuperar o corpo de John Allen Chau, o missionário morto na semana passada por uma tribo isolada na Ilha Sentinela do Norte.

Mais detalhes do diário de Chau revelaram, entretanto, que ele foi capaz de dizer ao povo Sentineleses, (Sentinela), que se acredita ter vivido em isolamento por milhares de anos, que “Jesus os ama” num breve encontro que precede sua morte.

A CNN informou que as autoridades indianas se aventuraram perto da ilha na sexta-feira e no sábado, procurando pelo corpo de Chau, que teria sido visto por pescadores na semana passada, mas sem sucesso.

Nós mapeamos a área com a ajuda desses pescadores. Nós ainda não vimos o corpo, mas conhecemos a área onde acredita que ele esteja enterrado“, disse o oficial de polícia Dependra Pathak.

Pathak observou que sua equipe viu vários membros da tribo carregando arcos e flechas, as armas que supostamente mataram o missionário de 26 anos de idade.

“A missão foi feita a distância para evitar qualquer conflito potencial com as tribos, já que é uma zona sensível”, disse ele. “Estamos discutindo com antropólogos e psicólogos sobre a natureza dos Sentinelese”.

Também há requisitos legais que precisamos ter em mente ao realizar a operação. Também estamos estudando o caso de 2006 em que dois pescadores locais foram mortos. Os corpos foram recuperados”, acrescentou.

A Ilha Sentinela do Norte (North Sentinel Island), que faz parte do território indiano de Andaman e Nicobar, está protegida há décadas, com pessoas de fora que não podem se aventurar perto da área, por medo de expor as tribos a doenças modernas contra as quais não têm imunidade.

VEJA TAMBÉM
Quase 'Paixão de Cristo' Filme Sangrento 'Sexta-feira Santa` foi Mostrado em Milhares de Igrejas

A família de Chau, disse que perdoa aqueles que mataram seu filho, compartilhou trechos de seu diário na semana passada com o The Washington Post.

Estou com medo“, escreveu o cidadão americano do estado de Washington. “Assistindo o pôr do sol e é lindo – chorando um pouco … me perguntando se será o último pôr do sol que eu vejo.”

O New York Times publicou mais detalhes sobre as tentativas de Chau de contatar a tribo antes de sua morte, incluindo uma vez em que, com a ajuda de pescadores, ele conseguiu passar pela Guarda Costeira Indiana e se aproximar da ilha de caiaque.

“Dois sentinelases armados começaram a gritar”, escreveu Chau em suas anotações.

Eles tinham duas flechas cada, soltas, até se aproximarem. Eu gritei: ‘Meu nome é John, eu amo você e Jesus ama você’ ”.

Chau diz que ele foi capaz de oferecer-lhes alguns peixes, mas eles continuaram vindo em sua direção.

Eu me virei e remei como nunca tive em minha vida”, lembrou ele.

“Senti algum medo, mas principalmente fiquei desapontado“, acrescentou. “Eles não me aceitaram imediatamente.”

Como All Nations, uma organização internacional de treinamento e envio de missões cristãs a qual Chau pertencia, revelou que o estudante de 26 anos é formado pela Oral Roberts University, que por anos treinou para compartilhar o Evangelho com os Sentineleses.

A Diretora Executiva Internacional, Mary Ho, descreveu o missionário assassinado como “um embaixador gracioso e sensível de Jesus Cristo que queria que os outros soubessem do grande amor de Deus por eles“.

Comente

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido