Suposto pastor da Assembleia de Deus, mata mulher ao coloca-la em fogueira durante ritual

Ela foi despida, amarrada e jogada na fogueira por homem que se fazia passar por pastor da Igreja da Assembleia de Deus.

Uma mulher morreu nesta terça-feira (28) em um hospital da Nicarágua após não suportar as queimaduras em todo o corpo após ter sido jogada em uma fogueira por um grupo religioso que acreditava que ela estava “possuída”, informaram seus familiares.

A mulher, identificada como Vilma Trujillo García, de 25 anos, foi amarrada e jogada em uma fogueira na quinta-feira passada. Segundo relatos de familiares e grupos feministas aos jornais locais, Vilma foi retida e submetida a um ritual por Juan Gregorio Rocha Romero, que se fazia passar por pastor da Igreja da Assembleia de Deus.

O presidente da Assembleia de Deus, Rafael Arista, negou ao Canal 15 de Manágua que Rocha fosse membro de sua congregação e rejeitou qualquer vínculo com o crime.

O marido, Reynaldo Peralta, relatou que sua esposa foi despida, amarrada junto à fogueira, e posteriormente empurrada em direção à mesma.

A Polícia Nacional prendeu Juan Gregorio Rocha Romero e quatro supostos cúmplices, que são apontados como responsáveis pelo crime.

O incidente aconteceu na comunidade rural de El Cortezal, no município de Rosita, na Região Autônoma Caribe Norte (RACN), no nordeste da Nicarágua.

A mulher chegou a ser transferida para um hospital na capital Manágua, mas com poucas chances de continuar viva, afirmou Peralta. Vilma era mãe de duas meninas, de acordo com seu marido.

G1

COMPARTILHE

Deixe seu comentário!