Tribo indígena tem sua cultura mudada pelo Evangelho de Cristo

"Pouco a pouco, percebemos que nossa cultura não se ajustava ao que o evangelho ensina”, diz índio de tribo que teve sua cultura mudado pelo Evangelho

Uma das questões mais desafiadoras de um missionário é que tipo de música usar quando plantam igrejas indígenas. Existem dois extremos: de um lado, missionários que simplesmente impõem formas musicais brasileiras à igreja estrangeira; por outro lado, são aqueles que adotam indiscriminadamente as formas da cultura nativa em sua adoração.

Vários anos atrás, minha esposa e eu tivemos a oportunidade de falar em uma conferência em Curitiba, Brasil. Enquanto estava lá, passei algum tempo conversando com um homem chamado Rober, que cresceu na tribo Tikuna, na selva amazônica, e minha conversa com ele se mostrou muito útil para responder a essa pergunta difícil.

Os missionários cristãos chegaram à tribo de Rober cerca de uma geração atrás. Antes disso, a cultura dos Tikuna estava cheia de ritos, cerimônias e música que comunicavam seus valores de espiritismo, feitiçaria e outras expressões de paganismo. Quando os missionários chegaram pela primeira vez, testemunharam uma jovem que passou por uma cerimônia de rito de passagem em que todo o cabelo era arrancado. Essa cerimônia foi acompanhada por dias de orgia bebedeira, batuques e música ritual. Essa era a cultura indígena do Tikuna. (Você pode ler sobre um dos trabalhos do primeiro missionário com os Tikunas em Port of Two Brothers,  de Paul L. Schlener.)

Perguntei a Rober se os missionários impunham sua cultura ao povo tribal. Sua resposta foi simples: não, os missionários não mudaram sua cultura; a cultura das tribos Tikuna foi mudada pelo evangelho. Ele disse: “Pouco a pouco, percebemos que nossa cultura não se ajustava ao que o evangelho ensina”.

Depois que o evangelho permeava a cultura Tikuna, as aldeias que eram cristianizadas viram mudanças marcantes. Eles começaram a se vestir de maneira diferente. Suas músicas, ritos e cerimônias mudaram. Rober disse que eles ainda observam alguns dos feriados que eles fizeram uma vez, mas hoje em dia são tratados mais como momentos para instruir seus filhos sobre os tipos de coisas que costumavam fazer e como as coisas são diferentes agora. Sua antiga cultura era uma expressão de seus sistemas de valores pagãos; o evangelho mudou seus valores e, portanto, sua cultura mudou.

VEJA TAMBÉM
Novo estudo: Amizade com Deus combate a solidão

Este exemplo da vida real é contrário à definição de “contextualização” dos missiologistas populares hoje. Os missionários contextualizaram? Bem, certamente. Eles converteram a língua Tikuna em uma forma escrita e traduziram a Bíblia. Eles não faziam os índios usarem ternos na igreja, embora o vestido deles certamente mudasse. Eles comunicaram o evangelho à cultura Tikuna e, como resultado, sua cultura mudou. Ironicamente, alguns podem dizer que essas mudanças parecem “ocidentais” ou “européias”.

Mas isso não significa que tudo mudou. Certos tipos de tecelagem e joalheria continuam até hoje. Rober disse acreditar que na verdade são as aldeias cristianizadas que estão realmente preservando a cultura “folclórica” saudável dos Tikuna, não as aldeias não-cristãs. As aldeias pagãs estão esquecendo essas belas habilidades artísticas porque estão apaixonadas por outro tipo de cultura, um tipo verdadeiramente imperialista: a cultura pop.

A cultura americana já “invadiu” as tribos e não é por causa dos missionários. Rober relatou que os nativos viajam horas para proteger televisores, rádios e geradores, conectam sistemas elaborados de antenas e têm fome de participar de qualquer cultura pop que puderem através dessa mídia.

Então, insistir que os missionários deveriam tentar de alguma forma “preservar” as culturas indígenas falha em dois pontos: Primeiro, alguma cultura indígena é de base e expressa valores pagãos que contradizem a vida evangélica; segundo, a maior parte da cultura indígena já foi invadida pelos valores pop de qualquer maneira. A cultura pop destrói culturas folclóricas legítimas. Na verdade, existem muito poucas culturas puramente indígenas, e onde existem, elas provavelmente estão tão isoladas de qualquer influência do evangelho a ponto de torná-las inteiramente anti-evangélicas.

O mais interessante é que, quando Rober estava crescendo, enquanto ouvia uma estação de rádio cristã de ondas curtas, às vezes a estação tocava hinos clássicos, e às vezes tocava música cristã contemporânea. Rober disse que sua música favorita para ouvir era sempre os hinos, porque eles pareciam expressar melhor o sentimento cristão, embora na época ele não entendesse as palavras porque ainda não sabia falar português. Suas conclusões não vieram de algum missionário imperialista radicalmente conservador. Não, quando Rober examinou a música de sua própria cultura, cultura pop ocidental ou a tradição clássica ocidental, seu coração regenerado discerniu hinos “ocidentais”, “clássicos” para ser a melhor expressão de valores cristãos e adoração.

VEJA TAMBÉM
Marido cristão em julgamento por evangelizar sua esposa

Essa discussão esclarecedora com Rober confirmou algo que já vinha crescendo em meu entendimento: nos empreendimentos missionários, a questão não é se a cultura ocidental invadirá a cultura indígena; A cultura pop ocidental já permeou a maior parte do mundo. A questão é que muitas formas culturais (expressões pop ocidentais e idiomas indígenas pagãos) prejudicam o evangelho e, portanto, devem ser rejeitadas nos esforços missionários.

E como Rober tão eloqüentemente, mas simplesmente expressou, não serão os missionários imperialistas ocidentais que mudam a cultura dos pagãos, o evangelho lidará com tudo isso por conta própria.

por: Pr. Scott Aniol
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo


Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido