Você já percebeu quantas histórias diferentes na Bíblia sobre o povo de Deus, se encontrando em situações que envolvem algum tipo de intoxicação?

* Êxodo 15 – O povo de Deus encontrou as águas amargas de Mara – O Senhor mostrou a Moisés uma árvore – quando ela foi lançada nas águas, elas se tornaram doces.

* Números 21 – As serpentes no deserto mordiam o povo – Deus mandou Moisés colocar uma serpente de bronze em uma haste – quem olhou para ele foi curado e viveu.

* 2 Reis 4 – Eliseu e os filhos dos profetas estavam a comendo o cozido quando gritaram: “! Há morte na panela”, porém Eliseu mandou colocar um pouco de farinha na panela, e “não havia mais nada de nocivo na panela.”

* Marcos 16 – Jesus disse que seus seguidores “pegarão em serpentes e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes prejudicaram.”

* Atos 28 – Depois do incidente naufrágio, Paulo foi recolher gravetos para uma fogueira quando uma víbora lhe acometeu sua mão “presa em sua mão.” Os bárbaros acreditando que Paulo iria morrer por causa da víbora, mas ele sacudiu a serpente no fogo e não sofreu nenhum dano.

Uma das primeiras coisas que notamos é que Deus proporcionou, aos seus servos um antídoto, os protegia de envenenamento, e até transformou amargura em doçura, mas eu tenho que perguntar: “Por que tantas histórias sobre a amargura e envenenamento? Há aulas adicionais, princípios e aplicações que podemos tirar essas histórias?
Não excessivamente espiritualizando essas histórias, mas lembro-me que a vida está cheia de experiências que têm o potencial de nos amargar, encher-nos com ressentimento, e deixar-nos sentir a dor do arrependimento. Creio que Deus está tão interessado em sermos livres desse tipo de intoxicação, como Ele estava em proteger seu povo nestes relatos bíblicos.
Provavelmente todos nós já ouvimos a frase que a vida nos fará “amargo ou melhor,” e, da mesma forma, acredito que a forma como respondemos a Deus irá determinar se vamos acabar “temperado ou envenenado.” Nesta situação de Paulo , eu amo o fato de que ele não só balançou a cobra na mão ao fogo, mas logo depois, ele colocou suas mãos sobre o pai de Públio e o curou, e ministrou para ele e para muitos naquela ilha (Atos 28:1 – 9).
Se alguém tinha o direito (naturalmente falando) para sentir pena de si mesmo, era Paulo. Ele havia sido fiel a Deus, e ele ainda estava sendo transportado para Roma como prisioneiro quando ele resistiu a tempestade horrível e prolongada no mar, que resultou no naufrágio, ele ainda teve que nadar até a praia para sobreviver. Estava frio e chovendo quando ele pegava as gravetos para o fogo, e então a cobra o picou. Não foi um bom mês para o boletim ministérial de de Paulo!
No entanto, ao invés de estar sendo envenenado, Paulo sacudiu a cobra e acabou tendo a mesma mão que o inimigo tentou injectar com seu veneno, sendo usada para trazer bênção para outros. Paulo era verdadeiramente temperado pela graça, não foi envenenado pela adversidade!

Quais são algumas das intoxicações potencial que estamos expostos hoje em dia?

* Traição – alguém que você confiava e pensava que era do seu lado se volta contra você
* Decepção – alguém não faz o que você espera que eles façam e deixa frustrado
* Promessas quebradas
* Rejeição
* Desrespeito
* Ingratidão – você tenta de sua maneira ajudar e servir alguém, mas suas ações não são apreciados e são ignoradas
* Alguém é insensível a você ou a falha em reconhecer suas necessidades básicas
* Críticado
* Alguém faz mentiras ou fofocas sobre você
* Alguém que põe em causa – que trabalham contra você em vez de com você
* Suas convicções e valores são desconsiderados
* Pessoas lugar exigências e expectativas em você, e depois diminuir quando você não pode cumpri-las
* Acusações falsas – Você é culpado por coisas que não eram sua culpa

Todas essas são coisas que podem nos envenenar se nós deixarmos. Como nós respondemos com esse potencial que doi. Isso me faz lembrar de uma história muito conhecida (não sei o seu autor original) acredito que você possa ter ouvido.

SACUDA AGITE E VÁ PRA CIMA

Um fazendeiro possuía uma mula velha. Um dia a mula caiu dentro de um poço, e o fazendeiro, ao ouvir o zurrar da mula, correu para ver o que tinha acontecido. Depois de avaliar cuidadosamente a situação, o agricultor decidiu que nem mula, nem o poço valiam a pena ao esforço que teriam que despender para efetuar o salvamento. Em vez disso, reuniu os vizinhos, contou-lhes o ocorrido e pediu que os ajudassem a jogar entulho dentro do poço, a fim de enterrar a mula e acabar com o sofrimento dela.
No princípio, a velha mula ficou histérica. Mas à medida que o fazendeiro e seus vizinhos prosseguiam trabalhando e a terra lhe caía sobre o lombo, ela teve uma idéia. Ocorreu-lhe que, a cada pá de entulho que caía sobre seu lombo, ela poderia sacudi-lo de suas costas e usá-lo para dar um pequeno passo para cima. E ela assim o fez, pá após pá de entulho.
“Sacuda-o de suas costas e dê um passo para cima! Sacuda-o de suas costas e dê um passo para cima! Sacuda-o de suas costas e dê um passo para cima!” – A mula repetia para encorajar-se a si mesma.
Não demorou muito e a velha mula, suja, machucada e exausta, saltou triunfalmente por cima da mureta do poço. O que aparentemente parecia sepultá-la, acabou sendo benção para ela, por causa da maneira como reagiu à adversidade.
Como sabemos se estamos temperado ou envenenado? Considere alguns dos seguintes contrastes:

Individuos Temperados

– Confia
– É Sincero
– Lança fora as dores
– Tem Cicatrizes
– É Grato
– Cura Outros
– É ativo
– É perdoador
– É alegre

Individuos Envenenados

– Paranóico e desconfiado
– É fechado
– Acumula dói
– Tem ferimentos
– É Ressentido
– É ingrato
– É vingativo

O que podemos fazer?

1. Tome uma decisão! Tome a decisão que você vai deixar de ser envenenado! Alguém disse: “Você faz suas decisões e suas decisões fará com que você”.

2. Ande no poder do perdão! Dale Carnegie disse, “Quando nós odiamos nossos inimigos, nós damos-lhes poder sobre nós – poder sobre o nosso sono, nosso apetite, a nossa felicidade Eles dançarão de alegria se eles soubessem o quanto estamos com ódio e preocupados,os nossos ódios não irão prejudicá-los.., mas está transformando os nossos dias e as nossas noites em tumulto infernal. ”

3. Viver livre da inveja e abraçar uma vida de gratidão. AW Tozer disse: “Um coração agradecido não pode ser cínico.”

4. Monitorar suas expectativas. Elas são realistas? Muitas vezes, o sentimento de decepção que sentimos é intensificado por nossas expectativas irrealistas. Por exemplo, se pensarmos que tudo vai sempre seguir o nosso caminho e que todos sempre nos tratam muito bem, estamos nos preparando para a desilusão.

5. Veja a imagem maior. Carlos Nobre disse: “Você deve ter objetivos de longe alcance para impedi-lo de ser frustrado por falhas de curto alcance.” Ao invés de focar em situações de imediato, é preciso considerar a perspectiva de longo prazo, especialmente as ramificações eterna de nossas vidas. Martin Luther King Jr. disse: “Devemos aceitar a decepção finita, mas nunca devemos perder a esperança infinita”

Acredito que todos estes princípios são parte de nosso curso de acabamento com alegria! Que Deus ajude a cada um de nós como nós nos tornamos seguidores bem temperado de Jesus.

por: Rev. Tony Cooke

Traduzido e adaptado por: Portal Padom

www.padom.com.br

COMPARTILHE

Deixe seu comentário!