Você está exagerando na interpretação da Bíblia?

A importância de interpretar bem a Bíblia Sagrada

Ao estudar a Bíblia, uma coisa muito importante, mas muitas vezes negligenciada, é saber a diferença entre tradução e interpretação. Isso pode não parecer significativamente superficial, mas é vital se você quiser chegar a conclusões bíblicas válidas.

A verdade é que não importa qual versão da Bíblia você esteja lendo, é uma mistura de tradução e interpretação. Isso em si não é ruim, porque toda vez que você traduz de uma língua para outra, há alguma interpretação necessária, mesmo porque nem todas as línguas tenham palavras para cada palavra e outras tenham muitas palavras diferentes para uma única palavra.

Um exemplo é a palavra grega kurios, que é traduzido “Senhor” na maioria das Bíblias e pode significar “senhor” como em “mestre”, pode significar “senhor” e pode significar Senhor como Deus. Uma palavra grega, três traduções diferentes, que requerem interpretação para retratar com precisão o significado do autor. Um exemplo seria a mulher no poço em João 4:11.

(Todos os versos que eu vou usar neste artigo serão da King James Version.)

Indagou-lhe a mulher: “Senhor, tu não tens com que pegar água, e o poço é fundo; onde tu podes conseguir essa água viva?” (João 4:11)

Neste verso, a palavra “Senhor” é traduzida da palavra kurios, enquanto em João 20:28 vemos a mesma palavra traduzida como “Senhor”: “E Tomé confessou a Jesus: “Meu Senhor e meu Deus!

Estes dois versos mostram a mesma palavra grega traduzida de duas maneiras diferentes por causa da interpretação. Em João 4:11, a mulher claramente não está chamando Yeshua de “Senhor”. Ela não tem idéia de quem Ele é na época, e nós sabemos disso porque Yeshua realmente diz a ela no verso 10: “Jesus respondeu a ela: “Se conhecesses o dom de Deus e quem é o que te pede: ‘dá-me de beber’, tu lhe pedirias, e Ele te daria água viva.”.

Mas em João 20:28, está claro que Tomé está proclamando a divindade de Yeshua como seu Senhor.

VEJA TAMBÉM
Especialistas aconselham como traduzir a Bíblia em contexto islâmico

Embora algumas interpretações na tradução da Escritura não sejam apenas necessárias, mas importantes para ajudar os leitores a entender a intenção do texto, a interpretação em excesso pode realmente causar danos ao texto e ao significado pretendido das palavras que foram escritas. Essa superinterpretação pode levar o leitor a interpretações inválidas e entendimentos desequilibrados.

Deixe-me dar um exemplo disso. Hebreus 8:13 diz: “Ao proclamar “Nova” esta aliança, Ele transformou em antiquada a primeira. E o que se torna superado e envelhecido, está próximo do aniquilamento..”

Você notará que no texto impresso de Hebreus 8:13 há uma palavra que está em itálico, “aliança”. A razão pela qual está em itálico é identificar para o leitor que essa palavra não está no manuscrito grego atual. Ela foi adicionada pelos tradutores para que o leitor compreendesse o texto. Ao adicionar a palavra “aliança” muda o contexto e a adição dessa palavra fará com que o leitor chegue a uma conclusão diferente que a linguagem original apresenta.

Deixe-me explicar no livro de Hebreus o escritor começa no capítulo 4 uma discussão sobre o papel de Yeshua como sumo sacerdote, que continua através do capítulo 10. Nestes capítulos, nos é dito que Yeshua é um sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque:

tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.” (Hb 5:10).

onde Jesus adentrou por nós, como precursor, tornando-se sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 6:20).

Sendo assim, se houvesse uma maneira de alcançar a perfeição por intermédio do sacerdócio levítico, considerando que durante sua vigência a Lei foi entregue ao povo, por qual razão haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote, conforme a ordem de Melquisedeque e não de Arão?” (Hebreus 7:11)

VEJA TAMBÉM
Favorecido Por Toda a Vida

Então, em Hebreus 7:12, encontramos a primeira menção de algo que vai mudar, e o capítulo começa a explicar a diferença entre Yeshua como sumo sacerdote e o sacerdócio levítico: “Para que o sacerdócio seja mudado, é necessário uma mudança também da lei “.

O Capítulo 8 começa com estas palavras, que continuam o mesmo tópico que começou no capítulo 4.

Ora, o mais importante de tudo o que temos afirmado é que, sim, temos um Sumo Sacerdote, o qual se assentou à direita do trono da Majestade nos céus,” (Hb 8:1).

O Capítulo 8 continua a descrever o ministério sacerdotal de Yeshua, e o capítulo termina com o versículo 13. No manuscrito grego, a palavra “aliança” não está no texto. Isso porque, no contexto, isso está decaindo, envelhecendo e pronto para desaparecer, mas isso não é o pacto, é o sacerdócio. Não convencido? Considere isto, o livro de Hebreus foi escrito cerca de 30 a 35 anos após a morte de Yeshua. Se este verso estiver falando o Velho Pacto / Nova Aliança, então o Novo Pacto ainda não veio a existir. Mas a Bíblia nos diz em Hebreus 9:16-17.

No caso de um testamento, é imperioso que se comprove a morte daquele que o determinou; porquanto, um testamento só tem validade legal após a confirmação da morte do testador, considerando que não poderá entrar em pleno vigor enquanto estiver vivo quem o fez.” (Hb 9:16). -17).

Considere também Gálatas 3:14-17:

Isso aconteceu para que a bênção de Abraão chegasse também aos gentios em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos a promessa do Espírito Santo pela fé. A Lei e a graça da Promessa. Caros irmãos, eu vos falarei em termos simplesmente humanos. Assim, mesmo considerando que um testamento seja feito por mãos humanas, ninguém o poderá anular depois de haver sido ratificado, nem ao menos lhe acrescentar algo. Desse mesmo modo, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. A Escritura não declara: “E aos seus descendentes”, como se referindo a muitos, mas exclusivamente: “Ao seu descendente”, transmitindo a informação de que se trata de uma só pessoa, isto é, Cristo. Em outras palavras: A Lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não anula a aliança previamente estabelecida por Deus, de maneira que venha a invalidar a promessa.”

Observe que nos é dito que quando Deus faz um pacto não pode ser anulado, e o exemplo que nos é dado é o pacto Mosaico vindo depois do pacto abraâmico. Da mesma forma, a Nova Aliança não elimina a Antiga Aliança.

VEJA TAMBÉM
Em Uma Hora, Tudo Mudará

Só mais uma coisa a considerar é que Hebreus foi escrito em algum lugar entre 65 e 68 dC, pouco antes da destruição do templo em Jerusalém, e com essa destruição, o sacerdote desapareceu.

Assim, vemos que, no contexto, o livro de Hebreus fala da transição do sacerdócio aarônico para o sacerdócio do Messias, um sacerdócio melhor. No entanto, ao adicionar uma palavra de interpretação ao texto, o leitor é levado a uma conclusão falsa que, na verdade, contradiz os ensinamentos da Bíblia.

por: Eric Tokajer
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido