Na última segunda-feira, uma foto em que aparece o ator José Mojica, o interprete do Zé do Caixão em um culto evangélico da Igreja Adventista em São Paulo, tornou-se viral e assunto em todos os sites de notícias evangélicas.

A foto foi publicada no Facebook pelo pr. Erzon Aduviri, que afirmou que Zé decidiu se batizar na igreja adventista do sétimo dia.

O site EXTRA procurou a filha e porta-voz do artista para saber se realmente Zé do Caixão havia se tornado evangélico, no entanto Liz Vamp, afirma que seu pai continua em religião e explica que sua ida até a igreja foi apenas para acompanhar sua esposa.

“O meu pai não se converteu. Ele continua sendo o mesmo Mojica de sempre, e o personagem Zé do Caixão continua na ativa, não morreu. Quem esteve no culto foi o Mojica, acompanhando a mulher dele. Meu pai estava apenas visitando a igreja. Pode ser que ele vá uma vez ou outra, afinal de contas, eles estão juntos.”, disse.

Liz explica, que a esposa de seu pai, a senhora Nilce de 70 anos, é mãe de dois dos sete filhos de Mojica e que ela é convertida há mais de 20 anos.

“É evangélica e passou a frequentar essa igreja há menos de um ano, depois de se decepcionar com várias outras igrejas. É claro que o sonho dela é que meu pai se convertesse. Mas ele, simplesmente, esteve a acompanhando como marido”, conta Liz.

Liz conta que na verdade quem será rebatizado é sua madrasta e que o pastor equivocou em colocar na legenda que “Zé do Caixão” havia “tomado a decisão pelo batismo na IASD Central Paulistana”.

Diz ainda que Mojica não gostou muito da repercussão da notícia de que teria se convertido.

“Meu pai achou um absurdo, um exagero. Ele só esteve lá visitando. O Zé do Caixão, personagem, não acredita em nada, nem em Deus, nem no Diabo. Já o Mojica é católico não praticante. Então, ele achou um absurdo essa divulgação da foto dele na igreja. Para ele, foi uma atitude precipitada, empolgada. Primeiro, que não era o Zé do Caixão, mas, sim, o Mojica acompanhando a pessoa. Ele só gostaria que não tivesse tantas reações exageradas quando quisesse conhecer alguma religião”.

Apesar de toca confusão criada pela fotografia, ela conta que seu pai ficou bastante satisfeito com o tratamento que recebeu dos fiéis da igreja. “Ele disse que foi muito bem tratado lá. Se as pessoas tratam ele bem, ele fica feliz. Deram até uma bíblia para ele”.

Liz, que também não tem religião, também se diz assustada com a repercussão do assunto.

“Se ele tivesse num centro de umbanda seria natural? O que seria natural? Uma vez fomos na missa de sétimo dia da minha avó, a mãe dele, numa igreja católica. E lá, duas beatas falaram: ‘olha, que coisa, esses artistas fazem de tudo para aparecer’. Aí você pensa: ‘Poxa vida… tem essas pessoas que se dizem de Deus ali julgando… Me pai gosta de aprender sobre as diversas religiões. Isso não significa que ele tem uma religião específica. Ele está ali em busca do conhecimento. É isso que as pessoas precisam entender e diferenciar”.

Segundo a revista Veja, a Igreja Adventista do Sétimo Dia afirmou que ele foi ao culto, porém não houve batismo. “O Zé do Caixão não foi batizado, apenas foi a um culto, como visitante e, em determinado momento, demostrou interesse em conhecer a igreja e estudar a Bíblia. Não houve batismo.”

Portal Padom

 

COMPARTILHE