O que a Bíblia realmente diz sobre o pecado sexual com o qual a maioria das pessoas luta?

Muitas vezes se pergunta por que a Bíblia não se dirige diretamente à masturbação. É a causa de tanta culpa e especulação no corpo de Cristo. E assim, somos deixados a remendar princípios bíblicos para chegar a uma ideia de se é ou não pecaminosa, assim como fazemos com assuntos como jogos de azar, fumar, etc.

Princípios Bíblicos

Vamos começar com um importante princípio bíblico ensinado por nosso Senhor – que qualquer um que olhe para uma mulher com luxúria já cometeu adultério com ela em seu coração (Mt 5: 27-28). Uma pessoa que pratica a masturbação sem imaginar o sexo com alguém é realmente rara, se é que existe. Com base nisso, a prática equivale a engajar-se em adultério, fornicação, comportamento homossexual ou qualquer número de outras práticas sexuais que a mente possa imaginar – até idolatria, como revelado em Efésios 5: 5, Colossenses 3: 5 e Ezequiel 23:49. . Em certo sentido, pode-se dizer que a masturbação é uma forma de pornografia mental, que todos sabemos ser pecaminosa.

Nós também conhecemos o pecado pelo testemunho do Espírito Santo dentro, desde que não tenhamos apagado esse testemunho através da rebelião contínua (1 Tessalonicenses 5:19; veja também Efésios 4:30). E quem não vive com a culpa da prática da masturbação – mesmo aqueles que se convenceram de que não é pecaminoso?

Além disso, a Bíblia ensina que o corpo é o templo do Espírito Santo – um templo sagrado (1 Coríntios 3:16, 2 Coríntios 6:16) e que é um membro do próprio Cristo (1Co 6:15). -20). Se somos advertidos contra unir “Cristo em nós” a uma prostituta, por que queremos uni-lo aos pensamentos e imagens imorais em nossas mentes? (1 Coríntios 6: 15-17)

A Bíblia também ensina que a imoralidade sexual é um pecado contra nossos próprios corpos (1Co 6: 18c). Além disso, 1 Pedro 2:11 nos diz que o pecado deseja a guerra contra as nossas almas (1 Pe 2:11). Nesse sentido, ao nos envolvermos na masturbação com as fantasias imorais que nos acompanham, estamos realmente lutando contra nós mesmos. E a guerra é o inferno, como qualquer um que esteja ligado a esse comportamento pode atestar.

Finalmente, um princípio bíblico muito importante que é frequentemente negligenciado em nossa busca para descobrir se a masturbação é pecaminosa é encontrado em 1 Coríntios 6:12, 2 Pedro 2: 19-20 e Romanos 6: 14-23: aquilo que nos domina (outros que o Espírito Santo) é prejudicial para nós. Em suma, “um homem é escravo de tudo o que o dominou“.

O Princípio da Castidade

(1 Ped. 3: 2, Apocalipse 14: 4, 2 Coríntios 11: 2, Efésios 5:27, Jó 31: 1, 1 Tessalonicenses 4: 3-4)

Ao longo da história da igreja, os crentes sérios foram guiados pelo conceito bíblico de castidade. A castidade é a ideia de que devemos viver nossas vidas pelos princípios da pureza e do autocontrole sexual, seja mental ou fisicamente. É uma forma de respeito por si mesmo e pelos outros, o que permite salvar a expressão sexual saudável da aliança do casamento. É a vivência do propósito divino e da beleza da sexualidade humana, que é prefigurar e incorporar o casamento entre Cristo e a igreja (Efésios 5: 22-32).

O Princípio da Graça

Deve-se notar que não estamos nos referindo à exploração inocente do corpo que acontece entre crianças e adolescentes. De fato, uma abordagem severa em tais casos pode criar uma fixação ou obsessão na mente da criança. Pior ainda, se a criança não respeita seus pais, ela pode criar uma avenida para a rebelião que é protegida em sigilo. Curiosidade, culpa e sentimentos de condenação também estão em jogo nesses cenários.

Devemos lembrar o princípio bíblico de que é a graça e o amor de Deus que nos ensina a dizer não à impiedade e às paixões mundanas (Tito 2: 11-14, Rom. 2: 4; 5:17, 2 Coríntios 5:14). Afinal, é a Sua graça que nos salvou não apenas da penalidade do pecado, mas também do poder do pecado.

Esta provisão de graça também está disponível para o crente adulto que continua praticando a masturbação apesar de tentativas valentes de parar. Nunca esquecerei quando o Senhor deixou isso claro para mim. Depois de algum sucesso, marcado por fracassos repetidos, eu estava protestando contra mim mesma uma noite, quando o Senhor falou claramente ao meu espírito, dizendo: “Você é muito mais duro consigo mesmo do que eu jamais seria!” Foi um momento de graça aplicada que me permitiu parar de me crucificar a cada falha e adotar uma nova abordagem para encontrar a liberdade. Essa abordagem envolvia um foco no desenvolvimento da intimidade com Deus, em vez de uma fixação em meus fracassos.

O caminho da fuga

É importante que descubramos as questões do pecado raiz para que possamos nos arrepender delas. (Tal revelação vem durante momentos íntimos com Deus). Se não tivermos consciência ou não quisermos abandonar uma ou mais dessas fortalezas, inevitavelmente permaneceremos amarrados, porque Satanás continuará a ter terreno em nós (João 14:30). Grande parte do processo de transformação, portanto, envolve descobrir onde está o terreno de Satanás e removê-lo com as ferramentas que Deus providenciou. Em outras palavras, precisamos descobrir e confessar as coisas certas.

Quais são então alguns dos problemas do pecado raiz que devem ser confessados?

1.Descrença: a dúvida de que Deus é realmente bom. Quando eu cometo algum pecado, estou naquele momento duvidando que Deus está realmente lá para mim, que Ele se importa e, portanto, que Ele é bom. Eu estou reencenando o primeiro pecado cometido no Jardim do Éden, quando Eva se convenceu de que Deus estava guardando algo dela que era bom.

Muitas pessoas apenas “acreditam” em um nível intelectual ao invés de um nível do coração e sentem falta de ver a manifestação das promessas de Deus. Tente ponderar, meditar e crer em seu coração Escrituras como 2 Pedro 1: 3-11, Salmo 16: 7-8, Romanos 8: 5-14 e Gálatas 5:16.

A verdade é que Deus tem algo melhor do que o mecanismo de enfrentamento da masturbação – mesmo para a pessoa solteira. Ele tem algo mais elevado, algo que trará conclusão e satisfação ao eu sexual. Entender essa verdade é muito eficaz em ser persuadido a abandonar o pecado.

2. Idolatria: Efésios 5: 3-5 e Colossenses 3: 5 ensinam claramente que a imoralidade sexual é uma forma de idolatria. Tal como acontece com a adoração de qualquer deus, a masturbação tem seus próprios objetos fetichistas e rituais – tempos, lugares, gatilhos, objetos rituais e padrões rituais que levam a pessoa a uma progressão quase trance em direção à experiência e desenlace do pico. Confessar tal ritual adorando e removendo e renunciando a seus vários componentes é a chave para ver seu poder quebrado.

Além disso, a masturbação muitas vezes se torna uma fonte de vida e paz, especialmente para aqueles que passaram por grandes dores. De certo modo, isso se torna um deus substituto. Se o Espírito vier oferecer a liberdade, muitos recuarão aterrorizados ao perceberem que estão sendo solicitados a viver sem algo que tenha sido uma fonte primária de paz em suas vidas – algo que os impediu de desmoronar. O comportamento torna-se tão arraigado em seu sentido de ser que a vida sem ela se torna inimaginável. Em essência, eles ainda precisam buscar e encontrar cura para seus traumas, o que é uma parte necessária para desenvolver a confiança em Deus.

3. Rebelião: Às vezes, simplesmente nos recusamos a ouvir o Espírito Santo ou fingimos não ouvi-lo. O autocuidado da masturbação muitas vezes envolve raiva e desconfiança de Deus, que nunca parecia estar presente quando precisávamos Dele. Muitas vezes, na infância, quando Deus não nos resgata ou nos transforma quando solicitado, nós O julgamos em nossos corações e desenvolvemos uma raiz de raiva que deve ser removida através da confissão e do arrependimento. Isso significa que reconhecemos nossa rebelião e fazemos escolhas combinadas para amá-lo e acreditar que, dada a necessidade de livre arbítrio (como fundamento para o amor genuíno), Deus opera com completo amor e integridade.

4. Amor ao Pecado: Este é frequentemente enterrado sob montes de racionalização. Nós fingimos que precisamos praticar o pecado; nós merecemos praticá-lo; que é o mínimo que Deus pode fazer para permitir isso considerando o que passamos. Mas a verdade é que amamos mais do que amamos a Deus. Para mudar isso, precisamos descobrir como amar mais a Deus.

Maior amor a Deus é fruto do tempo para conhecê-lo intimamente. Um estilo de vida de adoração é importante. O reino demoníaco não suporta isso.

Meditar na cruz também é uma chave importante. À medida que obtemos uma apreciação mais profunda pelo sofrimento de nosso Senhor, nos tornamos mais dispostos a abandonar as “coisas que mais nos encantaram” (como diz o velho hino). Quando tentados, só precisamos nos perguntar: “A quem eu amo agora: o pecado que está me tentando, ou aquele que me ama tão profundamente que morreu na cruz por mim?” Posto assim, a escolha torna-se muito mais fácil de fazer.

5. Auto-ilusão: É uma coisa humilhante perceber que, ao longo dos anos, nos tornamos mestres em nos enganar e acreditar que queremos liberdade de algo que não abandonaremos. Como uma cebola, colocamos camada sobre camada de auto-engano, dizendo as palavras religiosas certas e pensando os pensamentos religiosos corretos, enquanto ainda nos recusamos a abandonar o pecado que permanece em nossos corações. Precisamos reconhecer diante de Deus a impureza em curso em nossas motivações, a depravação em nossos corações e nossa necessidade de que Ele nos dê o verdadeiro desejo sincero de sermos santos e puros. Como se diz em Judas 24, Salmos 37: 23-24 e Salmos 55:22, é Deus quem nos impede de cair, desde que realmente O desejemos.

6. Performance-Justiça: A maioria de nós, mesmo aqueles que sabem melhor, caem continuamente nessa armadilha. Embora falemos de “graça somente” e de poder fazer “nada sem Cristo” (veja João 15: 5), nossa natureza decaída continuamente seduz nossas mentes a acreditar que devemos ganhar o amor e a aceitação de Deus e que devemos desenvolver nossa própria justiça. . Repetidas vezes, tentamos nos tornar santos e puros em vez de sofrer a humilhação da carne e realmente nos tornar dependentes de Deus para o poder de viver a vida do reino que Ele conquistou para nós na cruz.

Há muito mais fortalezas potenciais por trás de uma escravidão à masturbação e outros pecados que é impossível listar todos eles. É por isso que buscar a intimidade e a revelação de Deus e depois fazer o que Ele diz é, em essência, o caminho da fuga. Deus então leva você pelo resto do caminho pelos sussurros e capacitação de Seu Espírito Santo.

por: Dr. David Kyle Foster (M.Div., Trinity Evangelical Divinity School; D.Min., Trinity School for Ministry)
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Comente

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido