Papa diz estar preocupado com a homossexualidade entre os padres

Papa Francisco alerta que embora a homossexualidade para a sociedade parece 'estar na moda', na vida sacerdotal, não deve haver lugar para esse tipo de afeto.

O Papa Francisco foi citado em um livro que será publicado em breve dizendo que ter gays no clero “é algo que me preocupa” e comentando que algumas sociedades estão considerando a homossexualidade como um estilo de vida “na moda”.

O site italiano do Corriere della Sera, no sábado, publicou trechos do livro na forma de uma entrevista que Francisco deu sobre vocações religiosas. Francisco foi citado como descrevendo a homossexualidade dentro das paredes dos seminários, conventos e outros lugares religiosos onde o clero vive como “uma questão muito séria”.

Nas nossas sociedades, até parece que a homossexualidade está na moda. E essa mentalidade, de alguma forma, também influencia a vida da igreja ”, disse Francisco ao seu entrevistador, um padre missionário nascido na Espanha, Fernando Prado.

O livro, baseado em quatro horas de conversas que os dois tiveram em agosto no Vaticano, será publicado em 10 idiomas na próxima semana. Seu título em português é “A Força da Vocação”.

Francisco reiterou os pronunciamentos anteriores do Vaticano sobre a atenção que deve ser dada à seleção de homens para admissão aos seminários, dizendo que “devemos cuidar muito da maturidade humana e sentimental” ao treinar futuros padres.

Separadamente, a agência de notícias italiana ANSA citou Francisco no livro comentando sobre um clérigo que lhe disse que ter gays em moradias religiosas católicas “não é tão grave” porque é “apenas uma expressão de afeto”.

Esse raciocínio “está errado”, disse Francisco. “Na vida consagrada e na vida sacerdotal, não há lugar para esse tipo de afeto”.

VEJA TAMBÉM
Cristãos se manifestam a favor dos direitos dos judeus sobre o Monte do Templo

Ele disse que os candidatos com “neuroses ou fortes desequilíbrios” não devem ser aceitos “no sacerdócio nem em (outras formas de) vida consagrada”.

Ainda assim, Francisco, como no passado, enfatizou que os católicos gays contribuem para a vida da igreja. Ele disse que a igreja deve sempre lembrar que “são pessoas que viverão a serviço da igreja, da comunidade cristã, do povo de Deus. Nunca vamos esquecer essa perspectiva”.

Francisco em seu papado procurou enfatizar que, ao obedecer aos ensinamentos da igreja, os fiéis também devem ser compassivos e abertos a outros com diferentes pontos de vista.

O ensino católico considera a atividade homossexual pecaminosa e que todos, exceto os casais heterossexuais casados, devem abster-se do sexo.

The Associated Press

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido