Príncipe Charles: cristãos perseguidos são a prova de que a verdadeira fé pode resistir até mesmo aos esforços mais brutais para extingui-la

O príncipe Charles recentemente refletiu sobre a “fé verdadeiramente notável” dos cristãos no Oriente Médio e disse que sua situação demonstra o “poder extraordinário da fé para resistir até mesmo aos esforços mais brutais para extingui-la“.

Durante um serviço especial na Abadia de Westminster, na terça-feira, o príncipe de Gales disse que nos últimos anos, ele encontrou um número de cristãos que lutam contra a opressão e a perseguição com “fé e coragem inspiradoras”.

Repetidamente, tenho sido profundamente humilhado e profundamente movido pela extraordinária graça e capacidade de perdão que tenho visto naqueles que sofreram tanto”, disse ele.

Charles disse que, enquanto uma coisa é acreditar em Deus que perdoa; é “outra bem diferente” levar o exemplo a sério e realmente perdoar de todo o coração “aqueles que ofenderam você”.

Então, ao nos unirmos hoje, só podemos agradecer pela força verdadeiramente notável da fé com a qual tantos cristãos enfrentam perseguição, e que lhes dá coragem e determinação para perseverar e superar”, disse ele.

O príncipe compartilhou que no início deste ano, que ele se encontrou com uma irmã dominicana de Nínive que, em 2014, quando extremistas do Estado Islâmico avançaram na cidade de Qaraqosh, ficou ao volante de um microônibus abarrotado de seus companheiros cristãos e dirigiu o longo e estrada perigosa para a segurança.

Como os outros 100.000 cristãos que foram forçados a partir das Planícies de Nínive por Daesh naquele ano, eles deixaram para trás as ruínas de suas casas e igrejas, e os remanescentes de suas comunidades“, disse ele.

Enquanto devastada por seu retorno a Nínive, três anos depois, a freira e suas irmãs depositaram sua fé em Deus, disse Charles.

VEJA TAMBÉM
‘Eu quero perdoá-lo’, diz adolescente que teve joelho destruído pelo atirador do cinema Aurora

“Igrejas, escolas, orfanatos e empresas estão surgindo dos escombros, e o tecido dessa sociedade, que havia sido tão cruelmente dilacerada, está sendo gradualmente reparado“, disse ele, acrescentando que quase metade desses deslocados voltou para reconstruir suas casas e suas comunidades.

Este é o testemunho mais maravilhoso da resistência da humanidade e do extraordinário poder da fé para resistir até mesmo aos esforços mais brutais para extingui-la“, declarou Charles.

O príncipe encorajou judeus, muçulmanos e cristãos a coexistirem pacificamente, apesar de suas crenças diferentes, acrescentando que a história mostra que é possível fazê-lo.

Extremismo e divisão não são de forma alguma inevitáveis“, disse ele.

Concluiu lembrando aos participantes que o próprio Jesus conhecia o exílio, a injustiça e o sofrimento, acrescentando: “Só posso assegurar-lhe nosso firme apoio e nossas sinceras orações ao levar adiante suas obras de restauração, justiça e cura, para que a vontade de Deus seja feito na terra como no céu. ”

O serviço na Abadia de Westminster também contou com a participação de Justin Welby, arcebispo de Canterbury, que já havia avisado que os cristãos no Oriente Médio estão se aproximando da extinção devido à contínua perseguição.

Viver em um país, ou em uma sociedade onde um governo, um grupo armado, ou mesmo uma minoria de pessoas, considera que você deve ser entregue ao esquecimento por causa de sua fé em Cristo é uma experiência sem paralelo”, disse ele durante o serviço.

No Iraque, o número de cristãos está abaixo de 200.000, abaixo dos 1,4 milhão em 2002 e 500.000 em 2013, antes que os militantes do EI destruíssem grande parte da região, segundo relatos .

VEJA TAMBÉM
Batman deixou de acreditar em Deus, após a morte de seu pai, sugere quadrinhos

Muitos dos cristãos remanescentes no Iraque estão deslocados, principalmente em Irbil, na região do Curdistão, e precisam de assistência para voltar para suas casas e permanecer no Iraque.

Deixe a sua opinião!

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido