O inferno não existe? O Vaticano se pronuncia sobre suposta afirmação do Papa

A Santa Sé reconhece que o Papa Francisco se encontrou com um jornalista para falar sobre a vida após a morte, mas ressalta que não se tratou de uma entrevista

O Papa Francisco tornou-se o foco de controvérsia para a comunidade cristã depois que supostamente negou a existência do inferno durante uma conversa com um jornalista. O Vaticano reconheceu que o pontífice manteve essa reunião, mas negou que o artigo publicado nesta quarta-feira pelo La Repubblica tenha coletado suas palavras com precisão.
“As palavras textuais pronunciadas pelo papa não foram citadas”, disse um comunicado da Santa Sé sobre a nota de Eugenio Scalfari, co-fundador do jornal italiano. O artigo foi reproduzido em sua totalidade por outros meios locais, e levanta questões sobre o que acontece e onde as almas das pessoas pecadoras terminam após a morte.

“Não são castigadas, aqueles que se arrependerem e recebem o perdão de Deus (…), mas aqueles que não se arrependem e, portanto, não podem ser perdoados, desaparecem. Não existe um inferno, existe o desaparecimento de almas pecaminosas”. O papa respondeu, segundo o jornalista italiano.

“O que o autor relata no artigo de hoje é o resultado de sua reconstrução […] Portanto, nenhuma citação do artigo acima mencionado deve ser considerada uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”, afirmou o Vaticano, acrescentando que o que o Papa Francisco realmente recebeu Scalfari, “mas ele não deu nenhuma entrevista a ele”.

Não é a primeira vez que Eugenio Scalfari se envolvem em polemicas por seu trabalho jornalístico em torno do Vaticano. No final de 2013, após críticas da Santa Sé pela transcrição imprecisa de uma entrevista com o Papa Francisco, o jornalista admitiu que geralmente não grava nem toma nota de suas entrevistas.

Deixe a sua opinião!
VEJA TAMBÉM
Homens estão trocando altos cargos por suas famílias

Assine nossa Revista Online Gratuitamente: 

Email:

Nenhum spam garantido